Consultor Jurídico

Critério próprio

Juiz usa Imposto de Renda como critério para negar justiça gratuita

Retornar ao texto

Comentários de leitores

11 comentários

quem paga imposto de renda deve pagar custas processuais

Regina Neves (Advogado Autônomo - Civil)

Não é não viu Juiz!! o imposto de renda é imposto e a Justiça gratuita não deve ser imposta né mesmo! Juiz. está na Lei quem deve pagar as custas processuias talkei! ah! tambe´m está na lei quem tem direito à Justiça Gratuita. Então! vamos cumprir a lei não é mesmo! abraços juiz

Concordo

Pedro Lemos (Serventuário)

Concordo plenamente com o juiz. Se a pessoa paga imposto de renda é porque, presumidamente, já se encontra em uma faixa de renda relativamente superior à da média nacional. Pode muito bem arcar com o custo de uma ação judicial se realmente acha que tem condições de vencê-la, ainda mais porque o valor das custas não é proibitivo, é somente 1% do valor da causa.

A argumentação do advogado é risível. Em que mundo considerar a declaração de imposto de renda do autor não é individualizar a decisão? Por acaso todas as pessoas apresentação declarações de imposto de renda iguais? Não há nada mais individualizado que o imposto de renda, oras...

Sensato e aplicável

Bruno Eugênio dos Santos Martins (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Olha que evoluímos bastante hoje em dia. Antes bastava a parte ter advogado particular, que logo ensejava a negativa de Justiça Gratuita!! Quanto a declaração de IR acho válido como parâmetro inicial e critério para conceder ou não. Claro, terá suas nuâncias, que bastará a parte destacar se molda ou não. Com respeito ao comentário do nobre colega Marcos acima, desta vez eis de discordar, pois bastaria informar de forma breve os motivos de auferir tamanha renda, naquele ano em específico, sofreu dificuldades, todas devidamente comprovadas, dificilmente terá problemas em conceder a gratuidade constitucional. Lógico, sempre terá algum caso que precisará destacar e prolongar mais aquele assunto ou outro, mas, convenhamos, tantos com rendas podem custear processo e forjam situações, omitem rendas para obter a gratuidade que fica difícil ao menos colocar um parâmetro inicial.

Um dos Problema de Adotar tal Critério

Bruno Lima e Moura de Souza (Advogado Associado a Escritório - Tributária)

Um dos problemas em adotar a Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física - DIRPF como critério para concessão de justiça gratuita reside no fato de que a DIRPF reflete condição pretérita do indivíduo que busca acesso à justiça gratuita. Isso porque, como sabido, a DIRPF diz respeito aos rendimentos auferidos no ano anterior, é possível que o sujeito tenha perdido o emprego e não possua as mesmas condições refletidas em sua declaração referente ao ano calendário anterior. Contudo, caberia à pessoa que busca o acesso à justiça gratuita comprovar que não goza mais das condições refletidas em sua DIRPF.

Justiça gratuita

GFerreira (Advogado Assalariado - Trabalhista)

É difícil comentar sobre um assunto ou uma decisão sem conhecer profundamente o que levou o magistrado a indeferir o pedido de justiça gratuita.
Vivemos em um pais de aproveitadores, e nossas leis são frágeis suportando várias interpretações, e ao juiz cabe fazer isso, muito embora desagrade a muitos, se a lei regulasse corretamente isso não aconteceria, mas vamos interpretar de acordo com a nossa convicção.

Ué, comprove o estado de miserabilidade.

Gabriel D. (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

Justiça gratuita não é regra, é exceção.
Deve-se comprovar o estado de miserabilidade, seja por estar desempregado, receber salário inferior a 05 (cinco) salários mínimos (adotado pelo TJRS como parâmetro) ou estar passando por momento que necessite de grande dispêndio financeiro (problema de saúde na família, desemprego de dependentes e etc.).
Bem decidido pelo Julgador. A concessão, indiscriminada da Justiça Gratuita é algo perverso para o judiciário e honorários de sucumbência de advogados que precisam sobreviver.
Aposto que os honorários contratuais do Sr. Raphael Blaselbauer foram devidamente pagos.

Ademais, mistura alhos com bugalhos quando afirma que a Lei de Abuso de Autoridade serve para "combater esse tipo de atitude". Falta-lhe a leitura do §2º do Art. 1º da referenciada lei.
Bola fora, Doutor...bola fora.

Justiça gratuita

Ribeiro do ITDE (Administrador)

O Doutor MARCOS ALVES PINTAR é um alienado
Falou asneiras da primeira a última linha

Tabelar é mais fácil

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nos termos da lei vigente, a justiça gratuita é concedida àquele que não está em condições de arcar com as custas e despesas processuais sem prejuízo do sustento próprio ou da família. O que isso quer dizer exatamente? Digamos, exemplificativamente, que alguém tenha um patrimônio de 2 milhões de rais, tendo auferido no ano passado a remuneração de 350 mil reais no ano, devidamente declarada no imposto de renda. Mas, sua filha adoece no ano corrente, a esposa perde o emprego, e o pai já idoso cai de cama, sendo necessário assim gastos para esses problemas, minando quase toda a renda familiar. Nesse caso, apesar do que diz a declaração de imposto de renda, esse cidadão pode usufruir do benefício da gratuidade processual, pois para pagar as custas e despesas haveria prejuízos no sustento próprio ou da família. Mas é fato que para processualmente averiguar tudo isso, produzir a prova pertinentes, analisá-la, etc., dá trabalho. E sabemos que juiz, no Brasil, não gosta de trabalho. Assim, sabendo-se que não há responsabilização ao decidir errado, são muitos os magistrados que querem analisar o direito à gratuidade adotando-se tabelamentos, fórmulas prontamente aplicáveis (quase sempre pelos auxiliares), tornando fácil as rotinas de trabalho e violando o direito de quem o possui. Terminam rápido o serviço, sobra tempo de ir para a academia malhar um pouco, à custa da violação do direito alheio. A esses magistrados descumpridores da lei, infelizmente, não nos resta outra alternativa senão manifestar nosso total repúdio, conclamando a sociedade a exigir do Estado juízes que cumpram as leis e a Constituição.

Criterio usado por muitos Juizes

Luiz Aquino (Economista)

A noticia da a entender que exigir Decl. de IR e' exagerado. Na maioria dos casos que foi dada Justiça Gratuita em que, de alguma forma, participei, os Juízes pedem antes de decretar. E uma atitude de respeito as partes e ao erário. O errado, e', como tempos atras meras Declaracoes de Pobreza, davam isenções para discussões de C. de Credito com despesas em Iate Clube de Salvador, Hoteis da Barra do Sauipe, e outros luxos da parte.

Como assim advogado?

Sandro Xavier (Serventuário)

Senhor advogado, declaração de IR não é mais individual?

Criterioso

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O brilhante Juiz foi criterioso. Seguiu a lei.
O que tem de parte requerendo a Justiça Gratuita sem fundamento ajuda a entender porque o Judiciário está com mais de duzentos milhões de processos.

Comentar

Comentários encerrados em 23/10/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.