Consultor Jurídico

Notícias

Resolução de conflitos

Para OAB, plataforma de direitos do consumidor pode dificultar acesso à Justiça

Por 

OAB emite nota sobre iniciativa do governo e do CNJ nas demandas de consumo
Georgerudy

A Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor e o Ministério da Justiça anunciaram recentemente a expansão da plataforma Consumidor.gov como canal prévio na resolução de demandas consumeristas na Sistema Judiciário.

A iniciativa visa diminuir a judicialização das relações de consumo. Sempre que um cliente quiser recorrer à Justiça, ele seria primeiramente orientado a tentar um acordo antes da abertura do processo.

Em nota, o Conselho Federal da OAB afirma que valoriza o aprimoramento dessa plataforma, mas enxerga determinados desvirtuamentos em sua finalidade básica e falhas que precisam ser corrigidas.

“A plataforma governamental Consumidor.Gov não pode transferir a responsabilidade de tentativa de resolução de conflitos dos fornecedores — iniciativa privada — para o setor público, quando não há análise da petição inicial pelo julgador e este de pronto, e, de forma padronizada, determina a suspensão do processo para uso da plataforma Consumidor.Gov."

O texto ainda argumenta que a ferramenta não pode ser usada para dificultar o acesso à Justiça. “A plataforma é um instrumento valioso e deve ser incentivada, porém, sem retirar a atuação dos players do mercado na resolução dos conflitos, nem tampouco, colocar o consumidor em situação de constrangimento, ao forçá-lo (como está sendo feito em alguns lugares) a conversar com quem lhe deu as costas durante várias tentativas, ou se pensa que o consumidor busca o Judiciário sem antes ter sido injustiçado?”

Clique aqui para ler na íntegra a nota técnica da OAB

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 14 de outubro de 2019, 18h00

Comentários de leitores

1 comentário

OAB

O IDEÓLOGO (Outros)

Advogados não vão mais poder "morder" cinquenta por cento em ações de indenização por dano moral por violação às regras consumeristas.
E agora, causídicos? Dançar no Sambódromo pela Beija-Flor?

Comentários encerrados em 22/10/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.