Consultor Jurídico

Notícias

Campanha no WhatsApp

Ministro do TSE manda operadoras informarem empresas de disparo em massa

Por 

Decisão de ministro atende ação que questiona contratação de empresas de disparo em massa na eleição de 2018
Reprodução

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral no TSE, ministro Jorge Mussi, determinou que operadoras de telefonia informem, no prazo de três dias, as linhas de quatro empresas e de seus respectivos sócios supostamente contratados para disparar mensagens em massa pelo WhatsApp.

A decisão desta quinta-feira (10/9) foi motivada pela Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) 0601782-57, que foi ajuizada pela coligação Brasil Soberano (PDT/Avante) contra a chapa composta pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, e o vice Hamilton Mourão.

A ação aponta prática de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. O texto ainda cita reportagens veiculadas na imprensa que revelaram que empresas apoiadoras da campanha teriam contratado à Quick Mobile Desenvolvimento e Serviços, à Yacows Desenvolvimento de Software, à Croc Services Soluções de Informática e à SMSMarket Soluções Inteligentes pacotes de disparos em massa de mensagens na ferramenta WhatsApp contra os candidatos da chapa do PT-PC do B no pleito presidencial de 2018.

Processo: Aije 0601782-57 (PJe)

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 10 de outubro de 2019, 20h13

Comentários de leitores

0 comentários

Ver todos comentáriosComentar