Consultor Jurídico

Entrevistas

Igualdade salarial

"Para garantir equidade para mulheres, legislação deve abordar coparentalidade"

Comentários de leitores

12 comentários

São muitos os néscios que comentam sem saber e com preguiça

João Afonso Corrêa OAB RS 116.282 (Advogado Autônomo)

PREGUIÇA de googlar!!
É óbvio que as empresas irão dar cargos de gerencia e chefia aos homens enquanto perdurar este sistema de licença-maternidade de até 6 meses e apenas 5 dias de licença-paternidade!
Claro, aumentando o prazo para os homens corre-se o risco de prejudicar apenas os casados em detrimento dos não-casados (pois estes seriam menos propensos a ter filhos, ao menos no curto e médio prazo). Todavia, para evitar isso seria muito simples: a mulher deveria informar o nome do pai para que o INSS verificasse se este é empregado, e, caso positivo, obrigá-lo a se afastar por igual período ao da mãe.
Se o homem tivesse o mesmo período de licença poderia ser instituído que a licença seria para meio turno apenas, cada genitor cuidando sozinho do filho enquanto o outro trabalha e vice-versa no outro turno.
Fato é que nenhuma empresa vai contratar um gerente ou diretor que pode logo ali ter de se afastar por 6 meses. Agora, em vez de afastamento houver apenas trabalho em meio período e para ambos os pais, certamente na hora de se escolher o gerente o critério de gênero não seria mais tão relevante.

A entrevista ficou curta demais

Flávio Ramos (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Não deu para entender bem as conclusões ou a base empírica do estudo. Do jeito que está na reportagem, não dá para propor muita coisa. Mas, a meu ver, a última pergunta traz o ponto absolutamente incontornável do tema: não confundir o debate do gênero com o debate da família. Assim como na reforma da previdência, se o objetivo é compensar quem trabalhou ou ganhou menos por conta da criação dos filhos, então vamos dirigir os benefícios para quem criou os filhos, não indiscriminadamente para todas (e apenas) as mulheres.

Mulheres

O IDEÓLOGO (Outros)

As mulheres brasileiras necessitam da proteção estatal, que deve ser ampliada para todos os fatos de suas vidas.
O Brasil está entre os cinco primeiros países na escala de agressão às mulheres.
Vejam:
1° - El Salvador
El Salvador é considerado o país mais violento do mundo para mulheres, seu índice de assassinatos para cada grupo de 100 mil habitantes chega a 8,9.
2º - Colômbia
Teve 6,3 homicídios de mulheres. O péssimo índice deu ao país sul-americano a segundo lugar do ranking.
3º - Guatemala
É um dos mais violentos países do mundo. A nação da América Central teve, em 2012, uma taxa de 6,2 homicídios de mulheres.
4º - Rússia
O país apresenta a taxa de 5,3 homicídios de mulheres entre grupos com 100 mil habitantes.
5º - Brasil
O Brasil aparece como o quinto país mais violento para mulheres
(https://br.blastingnews.com/sociedade-opiniao/2017/01/feminicidio-10-paises-com-maior-taxa-de-violencia-contra-a-mulher-001427789.html).

O que tem de gente lucrando com essas narrativas!

Oficial da PMESP (Oficial da Polícia Militar)

O fanatismo dessas "intelectuais" não cansa de me espantar!
Ser mulher no Brasil é fazer mimimi para tudo, ser a rainha do vitimismo e achar que o homem é sempre o culpado por tudo. Nunca vi exemplo de salário diferenciado entre homens e mulheres. Quanto aos afazeres domésticos, trata-se de problema do casal e não deve o Estado repassar a conta a todos os homens, inclusive solteiros, viúvos ou viventes sob um relacionamento homoafetivo. Igualmente, é absurdo a mulher se aposentar 5 anos antes para compensar a "dupla jornada", pois cada uma que resolva esse problema com o seu companheiro. Lembro a pesquisadora que difícil é ser homem. Temos por princípio que iremos trabalhar a vida toda para dar conforto para a esposa, para os filhos, ser um bom marido etc. Homens morrem fazendo TODO o trabalho pesado, insalubre e perigoso do mundo. Homens morrem defendendo suas mulheres e filhos, que não se defendem por si mesmo. E isso nunca nos incomodou e nunca vai incomodar, porque é o certo. Se é esta a sua filosofia, que então a chame pelo nome correto: igualitarismo. Feminismo, no entanto, tem sido tratado unicamente como um significado de prover privilégios para mulheres.

O feminismo é uma aberração cognitiva, política e jurídica..

eletroguard (Consultor)

É o fascismo cor-de-rosa, que diz lutar por 'igualdade', mas só faz aumentar os PRIVILÉGIOS da mulher junto ao Estado misândrico brasileiro. Quem se declarar contra, logo é considerado 'machista e misógino' e, portanto, 'deve punido com a perda de seus direitos'...

Não se trata de empoderar mulheres, mas de desempoderar homens...

É uma dicotomia social, uma doença que corrói a mente dos indivíduos, famílias, sociedades, nações...

O feminismo é uma aberração cognitiva, biológica, ética, social, política, econômica e jurídica...

Questionamentos.

Renata Ev (Estagiário)

Certo de que nenhuma empresa teria um plano de carreira que diferencie homens e mulheres, até porque tal conduta é manifestamente discriminatória.
Contudo, há de se perguntar se alguma vez, ou quantas vezes já lhe perguntaram, no momento da entrevista de emprego, se você tem filhos ou se pretende tê-los.
Não seria um procedimento desclassificatório eivado de discriminação que diferencia homens e mulheres, contrário ao princípio fundamental à liberdade no planejamento (individual) familiar?
Não seria uma forma da iniciativa privada intervir na esfera de "como um casal cria seus filhos e conduz as coisas do próprio lar"?

É um absurdo atrás do outro

Chris (Advogado Assalariado)

Criar filhos não é, pelo menos para mulheres maduras e que sabem o querem, empecilho para serem chefes. O que realmente impede o crescimento de carreira é querer assumir responsabilidades tais como homens fazem. E não venha dizer que não assumem responsabilidades porque não tem tempo, pq precisam ir a supermercado, cuidar da casa, fazer dever de casa. Ninguem aguenta mais esse discurso! É um absurdo querer que o Estado intervenha na família com a criação de uma lei para obrigar a corresponsabilidade! No meu escritório somos 20 mulheres e ninguém ganha menos porque são mulheres!

Nada de surpreendente

Tiago Fraga (Assessor Técnico)

Tem que avisar a senhora q se ela quiser legislar vira deputada, direito é outra coisa

Nada de surpreendente

Tiago Fraga (Assessor Técnico)

Tem que avisar a senhora q se ela quiser legislar vira deputada.. no mais nada me surpreende nessas ideologias travestidas de doutrina juridica

Somente um Estado tirano pretenderia ...

Paulo H. (Advogado Autônomo)

... se imiscuir na forma como um casal cria seus filhos e conduz as coisas do próprio lar.

Pois é

Tiago Fraga (Assessor Técnico)

Isso mesmo daniel, as pessoas não identificam todo o cunho político que p
Está por trás de certas 'doutrinas jurídicas.... O 'empoderamento 'dessas mulheres está cada vez mais em pedir auxílio pro estado. Olha o nível que chegamos, pedir mais intervenção estatal na vida privada para obrigar divisão de tarefas do lar, não percebem o perigo dessa delegação de responsabilidade....O real empoderamento é casar com alguém preestabelecendo logo no ínicio como vai ser a vida, e tambem não engravidar de qualquer um, já que a escolha em última análise sempre é da mulher, ainda q esta queira sempre afastar essa responsabilidade

a tabela de honorários da OAB diferencia entre mulheres e

daniel (Outros - Administrativa)

a tabela de honorários da OAB diferencia entre mulheres e homens ? Alguma empresa tem um plano de carreira que diferencia salários entre homens e mulheres ? Qual ?

é o mesmo chororo de Esquerda que cria fatos para gerar crises e luta de classes

Comentar

Comentários encerrados em 2/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.