Consultor Jurídico

Declarações impróprias

Advogado ataca orientação sexual de promotora de SP e categoria reage

Retornar ao texto

Comentários de leitores

13 comentários

A que ponto chegamos?

João Afonso Corrêa Advogado (Advogado Autônomo)

O vetusto e preconceituoso colega pelo visto deve seu sucesso no tribunal do júri ao (ab)uso de estratégias pouco ortodoxas de convencimento.
Todavia, há de ser duramente punido pelo uso antiético, senão criminoso da palavra.
Quem sabe uma das penas seja um curso de reciclagem humana , para aprender a ser gente novamente.

Homofobia é crime

Cris Profa. (Psicólogo)

Se infringiu a lei então não tem o que fazer. Que arque com as consequências o advogado de defesa, que com sua atitude até prejudica seus clientes e expõe a sua carreira. Ele tem que ter foco no exercício da sua profissão nos argumentos que vão elucidar o caso é a defesa dos acusados. Qualquer coisa fora isso é conversa fiada.

Sem argumento

Eloisa Nascimento (Advogado Autônomo - Civil)

Quando o argumento da defesa resvala ao rés do chão, falta convicção, categoria profissional e respeito à ética profissional. Ao utilizar linguagem de desclassificados morais, o defensor mostra-se indigno dos interesses que representa. Deveria ser levado ao Tribunal de Ética da OAB. No mínimo.

Ver manifestações de apoio ao advogado

incredulidade (Assessor Técnico)

só não chocam mais porque sabemos que, no Brasil, a corporação é que manda.
Teve até quem tentasse justificar os improprérios com o fato de "certamente" ele já ter ouvido muitas coisas em outros lugares kkkk
Criamos a dívida história reflexa ou por ricochete.
Curioso que, na hora de querer legitimidade para entrar com ADIN e se apresentar como defensora da democracia e minorias, a OAB grita bem alto.

Nada de novo, portanto.

Parcialidade deste site

AC-RJ (Advogado Autônomo)

Mais uma matéria deste site em que a parcialidade na divulgação das notícias é gritante. Divulgou as manifestações do MP-SP, da Associação Paulista do Ministério Público e do presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP. Por que não divulgou também a manifestação do advogado Celso Vendramini? Por razões de justiça e de igualdade de tratamento, por que não concedeu ao advogado o direito de se manifestar se defendendo? Este site comete persistentemente o seu erro de expor somente um lado da questão.

Abuso do direito pleno I

André Pinheiro (Advogado Autônomo - Tributária)

A argumentação do causídico beira a insanidade, se o exército mata, não significa dizer que os todos os militares mataram ou que o exército ou a polícia é formada por assassinos, isto é uma técnica de indução do pensamento que leva a conclusões absurdas.
Não, não é bacana colocar símbolos religiosos nas cavidades, e não há dúvidas, é crime, embora, beire a resistência civil, uma crítica tipológica e simbólica as igrejas que abertamente joga pessoas as piores pragas, dor, fogo e moléstias.
Não, não é legal ser chamado de aberração ou abominação, mesmo que por Moisés. Aliás, se um Cristão segui ao pé da letra Levíticos teremos muitas hecatombes ou ninguém comerá porco ou crustáceo.
Mas a Bíblia é um Buffet e não um prato feito, de forma que o Cristão escolhe qual pecado comete e qual dedo em riste escolhe.
Ora, mas se é crime colocar em público símbolos religiosos, é preconceito usar o comportamento mais violento de ativistas e explanar para todo o grupo.
Ser chamado de fascista, autoritário ou comunista, esquerdopata, une a direita e a esquerda em seus cérebros reptilianos.
Ocorre, que no caso, em tela, a defesa é plena, e plena significa completo, holístico, argumentar com crimes, preconceitos, Star Wars, Bíblia, Mein Keimpf , calunias, injúria ou difamação para salvaguardar o direito de liberdade, infelizmente, é um risco que a promotoria deve correr.
Há uma regra não escrita "o que acontece no juri fica no juri".A defesa é plena, pode ser teatral, pode jogar com senso comum, é um preço que a sociedade paga, pois uma defesa não plena gera, uma indubitável desigualdade com o Estado em sua forma de jus puniendi. A defesa plena é o Davi contra o Golias.

Brilhante Tribuneiro

Radgiv Consultoria Previdenciária (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Conheço o Dr. Celso. Um brilhante advogado do tribunal do júri. Vencedor. Com certeza já deve o colega ter ouvido muitas coisas absurdas na tribuna sobre o seu currículo, que partiram da acusação. Não há relato de queixa ou popularidade no assunto. Agora, nesta fase da sociedade, não se pode sequer abrir a boca para falar algo sobre o tema lgbt ou assemelhado que já começa o mimimi. Ademais, com certeza o Dr. Celso não quis ofender a Promotora, como explicado pelo próprio que sequer sabia da dita orientação sexual da promotora. Tem que se dar credibilidade a defesa também. Vamos OAB defenda o advogado que honra a categoria por exercer com brilho a sua profissão.

Ideólogo

Radgiv Consultoria Previdenciária (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nunca li tanta besteira em poucas linhas. Realmente, um ideólogo, que está no mundo da matrix.

Adivogado

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Alguns advogados...
Em processo que envolve direito de família, desejam a mulher do varão separado ou divorciado, para satisfação de suas vontades...
São autores de fato em reclamatórias trabalhistas.
Criticam Karl Marx, por ser judeu, comunista e pelo pensamento desvairado contido na obra "Das Kapital".
Desmoralizam a Constituição com a defesa absoluta da presunção de inocência, somente destruída após o trânsito em julgado do Recurso Extraordinário.
Defendem teorias totalitárias e racistas, com base no pensamento dos alemães Dietrich Eckart, Gottfried Feder e Anton Dexler.
Combatem a Justiça Criminal com expedientes nada ortodoxos, como excessos de Habeas Corpus e Mandados de Segurança, visando as prescrições das pretensões punitiva, retroativa e executória.
Auxiliam a aquisição pelas empresas de passivos tributários impagáveis, com a defesa de teses jogadas em processo, superadas pela iterativa jurisprudência.
Falsificam alvarás para libertar rapidamente das prisões pestilentos criminosos;
Não prestam contas aos clientes, conduzindo-os a ingressar com ação de cobrança, bloqueando-a com todos os recursos processuais possíveis.
Orientam os clientes a fazerem torto aquilo que é direito.
Associam-se voluntariamente ao crime.
Usam o discurso vazio dos princípios constitucionais para levar o processo até o STF, com gasto inútil do dinheiro do contribuinte.
Fortalecem a OAB em prejuízo da sociedade organizada.
Vivem em seus mundinhos do "ser e do dever ser".
Defendem a superada Teoria Pura do Direito, de Hans Kelsen.
Recorrem ao Poder Judiciário para chancelarem condutas nada fidedignas.
São amigos da Retórica e inimigos da Ética.

Adivogado

O IDEÓLOGO (Cartorário)

2 comentários
VERGONHA DE SER ADVOGADO
adv__wgealh (Advogado Autônomo - Ambiental)8 de fevereiro de 2018, 10h29
Esse é mais um dos fatos que me envergonham de ser Advogado. Quando fiz meu curso de Direito, meus Mestres tentaram ensinar que "O advogado é indispensável à administração da justiça" (ART 133 CF-88); Justiça não se coaduna com mentira, engodo, falsidade, "falta com a verdade", etc.etc.
A primeira OBRIGAÇÃO do Advogado é ser LEAL, VERDADEIRO, HONESTO, PROBO, etc. qualidades que andam em falta nos Tribunais, envergonhando e denegrindo a imagem...
Quando um indicado com finalidade específica para defender criminosos é indicado, segundo a teoria da árvore contaminada, a maioria de seus frutos serão contaminados.
Vamos acabar com a falta da verdade pelos Advogados.
JUSTIÇA SÓ EXISTE COM A VERDADE!
Sem verdade (MENTIRAS) é crime, ato ilicito... EXECRÁVEL

Adivogado

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Os advogados realmente controlam o mundo. Eles têm tudo na mão: manipulam políticos, líderes religiosos, enfim, são os verdadeiros ditadores do planeta. Do jeito que o nosso sistema judicial está hoje, um advogado tem o poder de libertar um homem culpado ou prender um inocente.”
(Al Pacino, Jornal da Tarde, 21/10/97).

Adivogado

O IDEÓLOGO (Cartorário)

FONTE: espacovital.com.br
MPF quer a devolução da carteira de 41 advogados que fraudaram Exame de Ordem
(02.03.12)
Acusados de participação em fraude no Exame de Ordem, na seccional de Goiás, 41 advogados que fizeram a prova em dezembro de 2006 podem ter que devolver suas carteiras, caso a Justiça julgue procedentes 14 ações civis públicas protocoladas pelo Ministério Público Federal em Goiás.
Os 41 advogados são acusados de comprar as aprovações no exame, que naquele ano ainda não era feito de maneira unificada em todo o país. As informações são do saite Terra, em matéria assinada pela jornalista Mirelle Irene.
Nas ações, além da devolução dos documentos, o procurador da República Helio Telho Corrêa Filho pede a nulidade daquele Exame de Ordem e que a seccional da OAB de Goiás exclua os envolvidos dos seus quadros e cancele as suas inscrições.
O MPF ainda cobra a condenação dos réus ao pagamento de indenização por danos morais difusos, em valores que são dez vezes maiores que os pagos indevidamente pelas aprovações conseguidas por fraude.
Segundo nota do MPF, nas 14 ações, o valor das indenizações por danos morais totaliza R$ 2,6 milhões.
Em 2006, os candidatos teriam pago até R$ 15 mil pela aprovação no Exame de Ordem a uma quadrilha de oito pessoas que seria comandada pela secretária da Comissão de Estágio e Exame de Ordem da OAB-GO e por duas advogadas.
Entre as fraudes estaria a substituição dos cartões de respostas da prova objetiva dos candidatos por cartões falsos, preenchidos pelas fraudadoras com respostas certas.
Também haveria a revelação antecipada das questões das provas prático-profissionais para candidatos beneficiados pelo esquema.
Segundo o procurador Helio Telho, "cabia à OAB/GO zelar pela confiança do cidadão...".

Quem paga é o contribuinte

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Parece-me muita fumaça, para pouco fogo, ou seja, muito tempo consumido com uma questão de pouca ou nenhuma importância considerando os milhares de crimes sem investigação, as denúncias mal formuladas, etc.

Comentar

Comentários encerrados em 21/11/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.