Consultor Jurídico

Notícias

Declarações impróprias

Advogado ataca orientação sexual de promotora de SP e categoria reage

Advogado atacou promotora por conta de sua orientação sexual no Tribunal do Júri
istockphoto

O Ministério Público de São Paulo divulgou uma nota pública de apoio à promotora Cláudia Ferreira Mac Dowell.  A profissional foi atacada por conta de sua orientação sexual pelo advogado Celso Vendramini no Tribunal do Júri de São Paulo.

“Não tenho nada contra ser homossexual, quer ser vai ser entre quatro paredes, só não fica influenciando as crianças. Esse negócio de movimento LGBT só serve para uma coisa: ir na avenida Paulista, enfiar crucifixo no ânus e na vagina."

Segundo a promotora, em entrevista à Ponte Jornalismo, essa foi uma das falas do advogado no Tribunal do Juri.

O julgamento era completamente alheio a questões relacionadas ao universo LGBT. Na ocasião, Vendramini defendia dois policiais militares acusados de execução.

 Leia a nota do MP-SP na íntegra abaixo:

O Ministério Público de São Paulo vem a púbico manifestar seu irrestrito apoio à promotora de Justiça Cláudia Ferreira Mac Dowell, que merece aplausos da nossa instituição e de toda a sociedade por sua atuação no Tribunal do Júri. Neste ambiente, os debates são firmes, mas evidentemente não devem ultrapassar os limites da urbanidade.

Por isso, o MP-SP solidariza-se com a promotora e expressa seu veemente repúdio contra discursos de natureza homofóbica, posto que eles indicam desrespeito à pessoa humana e não guardam a mais remota conexão com o objetivo do Júri: a realização da Justiça.

A Associação Paulista do Ministério Público também emitiu uma nota de apoio a promotora. Leia abaixo:

"A Associação Paulista do Ministério Público (APMP), entidade que representa mais de 3 mil Promotores e Procuradores de Justiça do Estado de São Paulo, da ativa e aposentados, vem a público REPUDIAR os comentários de cunho homofóbico feitos durante uma sessão do 2º Tribunal do Júri, em São Paulo, em ofensa à Promotora de Justiça Cláudia Ferreira Mac Dowell. O lamentável episódio, inclusive, passou a constar nos autos do processo que estava em julgamento, a pedido da Promotora.

É inaceitável que uma agente do sistema de Justiça, no cumprimento constitucional de suas funções, sofra qualquer tipo de ofensa. Muito pior quando se configura discriminação relacionada à sua orientação sexual. É urgente que tais comportamentos discriminatórios sejam combatidos e punidos com rigor exemplar na sociedade brasileira, para preservação e valorização do estado democrático de direito.

A homofobia é uma violação do direito humano fundamental de liberdade de expressão da singularidade humana. A Constituição Federal de 1988 determina no artigo 3º, inciso XLI, que “constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. E ainda no artigo 5º, inciso XLI, que “a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”.

Com profunda indignação pelo fato ocorrido, a APMP solidariza-se com a Promotora de Justiça Cláudia Ferreira Mac Dowell, irrepreensível profissional do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), a quem consignamos irrestrito apoio."

O presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP, Carlos Kauffmann também se manifestou por meio de nota enviada à ConJur. Leia abaixo: 

“O Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo ressalta que a urbanidade e tratamento respeitoso é imperativo para os profissionais que atuam perante o Poder Judiciário, sendo inadmissível preconceito de qualquer espécie. Esclarece, ainda, que todas as infrações disciplinares ou éticas levadas ao conhecimento do Tribunal de Ética, sem exceção, são apuradas, resguardado o sigilo determinado por Lei”.

Revista Consultor Jurídico, 13 de novembro de 2019, 17h49

Comentários de leitores

13 comentários

A que ponto chegamos?

João Afonso Corrêa OAB RS 116.282 (Advogado Autônomo)

O vetusto e preconceituoso colega pelo visto deve seu sucesso no tribunal do júri ao (ab)uso de estratégias pouco ortodoxas de convencimento.
Todavia, há de ser duramente punido pelo uso antiético, senão criminoso da palavra.
Quem sabe uma das penas seja um curso de reciclagem humana , para aprender a ser gente novamente.

Homofobia é crime

Cris Profa. (Psicólogo)

Se infringiu a lei então não tem o que fazer. Que arque com as consequências o advogado de defesa, que com sua atitude até prejudica seus clientes e expõe a sua carreira. Ele tem que ter foco no exercício da sua profissão nos argumentos que vão elucidar o caso é a defesa dos acusados. Qualquer coisa fora isso é conversa fiada.

Sem argumento

Eloisa Nascimento (Advogado Autônomo - Civil)

Quando o argumento da defesa resvala ao rés do chão, falta convicção, categoria profissional e respeito à ética profissional. Ao utilizar linguagem de desclassificados morais, o defensor mostra-se indigno dos interesses que representa. Deveria ser levado ao Tribunal de Ética da OAB. No mínimo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/11/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.