Consultor Jurídico

Notícias

Incidente de Resolução

Controvérsia que ganha instância superior não precisa ser apreciada por TRF

Por 

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região não pode admitir um Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas se já existe processo com pedido semelhante em tramitação em tribunal superior. Por isso, a 3ª Seção da Corte deu provimento a recurso interposto pelo INSS para anular sua própria decisão, prolatada na sessão de 27 de março de 2019, que admitiu um IRDR.

Divulgação
Questão previdenciária não pôde ser analisada pelo TRF

A questão posta à analise dos julgadores vem de uma ação que tramita na 1ª Vara Federal de São Miguel do Oeste (SC). A autora pretende a uniformização de entendimentos dissonantes entre a sentença prolatada no Procedimento do Juizado Especial Cível nº 5003161-86.2017.4.04.7210/SC, que deu motivo ao Incidente, e o acórdão proferido pela 5ª Turma do Tribunal, na Apelação Cível nº 5063542-35.2017.4.04.9999/RS. A controvérsia diz respeito à possibilidade do cômputo de tempo de serviço rural exercido em datas fora do período de carência, para fins de concessão de aposentadoria por idade híbrida.

No correr do processo, o IRDR foi admitido pelo desembargador-relator Paulo Afonso Brum Vaz, e o colega Celso Kipper pediu vistas. No intervalo de tempo entre o início do julgamento, mas antes do encerramento do juízo de admissibilidade, houve ‘‘afetação’’ da matéria no Superior Tribunal de Justiça, com a consequente suspensão de todos os processos.

‘‘Assiste razão ao Instituto Previdenciário quando afirma que não é apenas o processamento do feito que descabe, mas a sua própria admissão, porquanto, à época da conclusão do julgamento da admissibilidade deste IRDR (27-03-2019), a Primeira Seção do STJ já havia afetado à sistemática dos recursos repetitivos idêntica questão em 12-03-2019, conforme acórdão publicado cinco dias antes da sessão realizada neste Regional (22-03-2019). Logo, efetivamente inexiste o requisito de admissibilidade previsto no art. 976, § 4º, do NCPC’’, afirmou o relator.

A 3ª Seção é um colegiado que abriga magistrados de quatro turmas — duas no Rio Grande do Sul, uma em Santa Catarina e uma no Paraná — que uniformiza a jurisprudência no julgamento de ações sobre Previdência, Assistência Social, pedidos de medicamentos e tratamentos de saúde na rede pública federal.

IRDR 5020597-23.2018.4.04.0000/SC

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 9 de novembro de 2019, 11h42

Comentários de leitores

0 comentários

Ver todos comentáriosComentar