Consultor Jurídico

Notícias

Ambiente familiar

STJ mantém provisoriamente bebê com casal que fez adoção irregular

Considerando o melhor interesse da criança, a internação de bebê adotado irregularmente deve ser a última opção, aplicada somente se o ambiente familiar for prejudicial à criança.

Para a 3ª Turma do STJ, houve inversão da ordem legal imposta pelo ECA, segundo a qual a opção de institucionalização da criança deve ser a última, e não a primeira
Dollar Photo Club

Com esse entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça  concedeu Habeas Corpus para que um bebê voltasse para a família com a qual conviveu desde os seus primeiros dias de vida até ser levado a um abrigo. A ordem judicial que determinou a internação da criança afirmou que houve desrespeito ao Cadastro Nacional de Adoção (CNA).

A turma constatou inversão da ordem legal imposta pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), segundo a qual a opção de institucionalização deve ser a última, e não a primeira. Além disso, não foram encontrados indícios que desabonassem o ambiente familiar.

O caso diz respeito a uma criança que foi entregue pela mãe biológica a um casal dias depois do nascimento. O bebê permaneceu até os dez meses de idade com o casal. A decisão de transferi-lo para um abrigo, em razão da burla ao CNA, foi mantida pelo Tribunal de Justiça do Ceará.

Para o relator no STJ, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, não constam dos autos fatores que indiquem que o convívio familiar fosse prejudicial ao menor. Segundo o ministro, nesse caso específico, o acolhimento institucional da criança viola o artigo 34, parágrafo 1º, do ECA, o qual prescreve que o acolhimento familiar terá preferência sobre o institucional, observado, em qualquer caso, o caráter temporário e excepcional da medida.

“Essa controvérsia já foi enfrentada por esta Corte Superior, tendo-se firmado entendimento pela primazia do acolhimento familiar em face do acolhimento institucional, em atenção ao melhor interesse da criança, salvante hipóteses excepcionais em que a família substituta não se apresente como ambiente adequado para o convívio do menor”, afirmou o ministro Sanseverino.

Em sintonia com o ECA, o colegiado determinou que a criança seja reconduzida ao casal com o qual se encontrava, a título de guarda, até o trânsito em julgado do agravo de instrumento que deu origem ao Habeas Corpus. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 28 de março de 2019, 10h43

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/04/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.