Consultor Jurídico

Posição de Bolsonaro

AGU muda de entendimento e passa a defender prisão após 2º grau

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Euclides de Oliveira Pinto Neto (Outros - Tributária)

Ivo Lima (Advogado Assalariado)

O que você escreveu é puro delírio.

Chega! Basta !

Advcrítico (Advogado Autônomo - Criminal)

Concordo em gênero, número e grau com o que expôs o Sr. ABCD. Esse tem sido o desejo da imensa maioria da população brasileira, que não suporta mais tanta impunidade. Defender tese diversa, é concordar com tudo o que ocorreu em termos de corrupção, etc... até os dias atuais. Sobre tanto, confira-se a situação de Estados que estão, praticamente, falidos em tema de saúde, educação e, violência. Chega! Basta!

We the people!

ABCD (Outros)

Avalio que esse seja não apenas o entendimento do Bolsonaro e da AGU, como também o entendimento da maioria da população brasileira, que vive com dignidade e honestamente.

Constituição

Euclides de Oliveira Pinto Neto (Outros - Tributária)

A "decisão" do STF foi inconstitucional e não pode ser mantida, pois afronta dispositivo disposto na Declaração Universal dos Direitos Humanos, inserido na Constituição da Organização das Nações Unidas, realizada em Paris em 1948 e à qual o Brasil aderiu. A "modificação de entendimento" promovida pelo STF foi realizada com a finalidade de manter preso o ex-presidente Lula e impedir a sua eleição em 2018. Fêz parte do esquema golpista, "com STF com tudo"... Não pode ser mantida e dentro em breve será objeto de nova apreciação pelo Pleno do STF e, por ter atingido o objetivo principal - evitar a eleição do Lula - deverá ser corrigida a aberração jurídica vivida pelo país. Somente uma nova Constituinte teria poderes para fazer estas modificações na Carta Magna. Todos sabem disso, mas procuram inovar no Direito a partir de proposições pueris e ilegítimas, para manter o "estado de exceção" vigente no país.

Comentar

Comentários encerrados em 27/03/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.