Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

Revista íntima colabora para o alarmante aumento do encarceramento feminino

Comentários de leitores

3 comentários

Doença real, remédio falso

Gustavo Quandt (Advogado Autárquico)

Os problemas descritos são preocupantes e relevantes, mas a solução é quixotesca: como a revista íntima está servindo para revelar crimes praticados pelas mulheres, então - propõe o texto - acabemos com ela. O próximo passo é alguém sugerir o fim do exame de sêmen nos crimes sexuais, dizendo que é uma forma discriminatória de persecução que só atinge os homens e contribui para o encarceramento masculino...

Oi?

Hans Zimmer (Assessor Técnico)

Prisão de mulheres que levam drogas a presídios é "tortura institucional"?

É por essas e outras que a maior parte da população brasileira tem antipatia pela defesa dos direitos humanos. É muito difícil pro cidadão prestar atenção no sujeito que ponderadamente defende o devido processo legal, quando do lado dele tem alguém que diz que o Estado é machista e torturador por detectar que alguém entrava com drogas em um presídio.

Salto lógico

Paulo B. Bomfim (Outro)

Calma lá!

A revista intima impede a entrada de drogas nos estabelecimentos prisionais. O encarceramento de mulheres que levam drogas aos estabelecimentos prisionais se deve ao fato de elas levarem drogas.

Qual a opção? Deixar que levem?

Se elas levam mais, ou menos, é outra questão.

A conclusão não se liga à premissa. A revista íntima é uma violência, sim, mas deve ser substituído por outras formas de revista, a fim de impedir a entrada de drogas nas cadeias.

Comentar

Comentários encerrados em 23/03/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.