Consultor Jurídico

Colunas

Senso Incomum

Dodge leu, entendeu e, "por má fé", criticou o acordo MP-Petrobras!

Comentários de leitores

17 comentários

Cretinos

Armando do Prado (Professor)

Assim, Gilmar Mendes os qualificou. Num país com instituições funcionando normalmente responderiam, na melhor das hipóteses, por crime de peculato.

Exagero sobre exagero

Afonso de Souza (Outros)

Ao comentarista Rogério Guimarães Oliveira (Advogado Sócio de Escritório - Civil):

"Assim, o MP prosseguiria espionando, coletando dados, aliciando, fraudando eleições via delações premiadas "ad hoc" e fraudando processos, para um controle perpétuo do mundo político e da administração pública brasileira".

O senhor, que escreveu o trecho acima, poderia, por exemplo, mencionar alguma eleição que tenha sido fraudada por ação do MP?

Novo IPES...

Força-Tarefa tenta criar um novo IPES

Rogério Guimarães Oliveira (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

"Povo que não conhece sua própria história está condenado a revivê-la", certo?
À margem do excelente artigo e abordagem do Professor Streck, o que se observa neste caso é a pretensão dos membros do MP de Curitiba de criarem um novo IPES, o famigerado Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais criado em São Paulo, em 1961, regado a dinheiro vindo dos EUA.
Por trás do nomezinho inocente, montou-se ali uma verdadeira máquina de ingerência, coleta de dados, propaganda macarthista e manipulação dos EUA, para ingerir na vida política brasileira.
O IPES foi a "think tank" da época que atuou na preparação e base do golpe militar de 1964 e da ditadura que se seguiu. Foi a sede intelectual logística das operações da ditadura colocada em curso pela temível OBAN - Operação Bandeirantes.
Está tudo na Internet. Pesquisem sobre o IPES!
A instituição agora idealizada pelos mochileiros do MPF de Curitiba, seguindo "conselhos" dos espertalhões manipuladores da Secretaria de Estado do país do norte, é de recriar, com dinheiro da vítima Petrobras, um novo IPES. Assim, o MP prosseguiria espionando, coletando dados, aliciando, fraudando eleições via delações premiadas "ad hoc" e fraudando processos, para um controle perpétuo do mundo político e da administração pública brasileira. Seria o PMP, Partido do MP, pago com dinheiro público. Nada mal!
Felizmente, as raias deste absurdo foram percebidas até pela PGR.
O Brasil não pode ser condenado a reviver seu passado através da criação de um novo IPES.
É mais do que hora de ser discutido o verdadeiro papel do MP na história recente do Brasil. Estão claras as falhas na seleção, formação e preparação de muitos quadros do MP para o exercício isento da função de "custos legis" do órgão.
É hora de ser iniciado este debate.

Fundo Eleitoral

Glayton Hipolito (Administrador)

É importante destacar a intenção espúria dos Procuradores da República de Curitiba - criar um fundo eleitoral através de uma instituição privada, ou seja, usar dinheiro público para eleger os seus representantes. Isto faz me lembrar do período que antecedeu o Golpe Militar de 1964, quando foram criadas diversas "instituições" que recebiam dinheiro, muito dos EUA, para eleger deputados e senadores que minaram o Governo do Jango e depois favoreceram o golpe.

Prevalecerá o espírito de corpo?

Guaracy Moreira Filho. (Administrador)

Se fossem funcionários públicos "mortais", aqueles que são pisados e humilhados diariamente, certamente a essa hora já estariam respondendo pelo crime de peculato, art.312 do CP. Mas, como são " os intocáveis', será que não poder-se -ia reconhecer, ao menos, o delito de Prevaricação, art.319 ,in fine? É aquela história de Chico e Juca que de tanto brincarem com o perigo acabaram sendo tragados por ele.

Artur S.

Johannes de silentio (Estudante de Direito)

A raiva e o ressentimento que nutre Artur S. pelo articulista são comoventes.

Suicídio

Gil Reis (Advogado Autônomo)

A existência do MPF é extremamente necessária em uma Democracia e é lamentável estar assistindo o trabalho de sabotagem de alguns membros à instituição.
A atuação dos membros do MPF da chamada "República de Curitiba" (ingenuamente os "meninos" acham que o título pejorativo é elogio) "beira" perigosamente o suicídio.
Ao perderem a noção de suas atribuições contaminam e envenenam a atuação do MPF como um todo, conseguindo a unanimidade de "gregos e troianos" contra a existência da instituição.
Estamos lendo a "Crônica de uma Morte Anunciada".

E os outros efeitos nefastos do "acordo"?

A. Moraes (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Professor Lênio, lendo o acordo vê-se que a Petrobras se comprometeu a repassar informações confidenciais sobre seus negócios ao governo norte-americano. 2,5 bilhões de Reais não é NADA perto do valor que as patentes que a Petrobrás possuem!! Saiu aqui mesmo, nesta Conjur: https://www.conjur.com.br/2019-mar-08/troca-alimentar-fundo-mp-petrobras-repassara-dados-aos-eua
Reproduzo aqui a parte mais interessante da brilhante matéria assinada pelo senhor Fernando Martines:
"(...) os anexos é que tratam do principal: o destino do dinheiro em troca das informações sobre as atividades da Petrobras.

"Os relatórios provavelmente incluirão informações financeiras, proprietárias (de patentes), confidenciais e competitivas sobre os negócios (da empresa)", diz uma cláusula do acordo com o DoJ.

E a intenção parece mesmo ser transformar dados sobre a estatal em ativos do governo americano: "Divulgação pública dos relatórios pode desencorajar cooperação, impedir investigações governamentais pendentes ou potenciais e, portanto, prejudicar os objetivos dos relatórios requeridos. Por essas razões, entre outras, os relatórios e o conteúdo deles são destinados a permanecer e permanecerão sigilosos, exceto quando as partes estiverem de acordo por escrito, ou exceto quando determinado pela Seção de Fraude e a Secretaria (Office), pelos seus próprios critérios particulares, quando a divulgação promoveria o avanço da execução das diligências e responsabilidades desses órgãos ou que seja de outra forma requeridos por lei", afirma o termo do acordo".
Convenhamos, o "trocado" não significa nada perto desta escandalosa, imoral, ilegal e absurda DOAÇÃO DE PATRIMÔNIO BRASILEIRO!!!

Improvabilidade administrativa

André Pinheiro (Advogado Autônomo - Tributária)

Eu sei que improbidade é para baixo clero dos servidores públicos ou representantes do povo com cheiro de povo, que nojo, sei que crimes de divulgação de conversas ilegais não são crimes, e sei que uma quimérica formação Lava Jato, com patas de PF, Corpo de MPF, cabeça de Judiciário e asas de DEA pode e deve beneficiar os 8.516.000 km² de extensão do Brasil foi celebrado entre um país imperialista e os megastar olímpicos laureados meritocratas dândis do MPF, ou Golden Boys ou XIcago Boys, uma espécie do teen liberal wolf bureaucratic ou sei lá o que essa miscelânea quer dizer.
Mas jogadores de videogame que fizeram muitos gols, gols de mão, de costas, de cabeça, sem cabeça, de costas, de lado de traseiro em um jogo que até gol contra valia como ponto para o time. Como achar que pessoas que só acertam, podem errar?
De certa forma eles estão certos, a Doidja está com má fé, desde 2013 os velhos MPFs e os velhos SanTanJ e SaTanF fizeram esses garotos voarem livremente ao ponto de..bem, ao ponto de fechar acordo com um país estrangeiro sem passar pelo Itamaraty, ou pior, sem passar pela velha raposa do MPfff.
Um MPF dentro do MPF, um mini país meritocrata que acusou até o governo Bozonaro de ser potencial corrupto, por conseguinte seus minionstros e de tabela o cabeça da Quimera. Sim, eles disseram que só eles na missão divina poderiam admãonistrar este dinheiro. Assim como os bancos que vão gerir a previdência porque os governos dos eleitos tendem a corrupção e logicamente a aquela inhaca de pobre que não quiseram estudar e só tomar cachaça. Nojo2.
Resultado, o que para os outros seria improbidade para os MPff de Curitiba esta luta pelos 2,5 bilhões contra todo um Ordenamento Jurídico Milenar é legítima, Ao ponto do Toffe se preocupar com alcunhas.

Lênio tem razão

Arthur (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Deixemos de ser melindrosos. O artigo foi duro, mas não desrespeitoso. Esse acórdão é ilegal e mostra voluntarismo inconsequente.

Ao colega Artur S.

Alexandre (Advogado Assalariado)

Prezado,

Gentileza apontar onde do acordo entre Petrobras e ministério da justiça americano diz que o acordo seria nulo se o dinheiro não fosse para a "Instituição Lava-jato"? Porque o grande imbróglio dessa história é exatamente porque o acordo falava em Brazilian authorities, e não "fundação privada criada pelo MP para gerir 2 Bi e meio de dólares".

Então a não ser que o seu "por óbvio" tenha outra coisa que não "S. Artur, Cabeça de" como bibliografia, o senhor escreveu um amontoado de besteiras.

O judiciário é o grande culpado

olhovivo (Outros)

A conclusão de que "os membros do MPF superdimensionaram seus poderes" é equivocada pelo simples fato de o MPF não deter poder algum, pelo menos na velha teoria da tripartição do Poder e pela legislação em vigor. Para tudo requerem ou pedem ao Poder Judiciário, este sim detentor de poder. Porém, as extravagâncias, o vedetismo e o amadorismo que caracterizam boa parte da atuação dessa turma só vinga porque juízes e tribunais deferem ilegalidades, teratologias e escatologias, como no caso abordado no artigo, em que houve homologação pelo juíza. Se houvesse juízes mais preparados e cônscios de seus poderes/deveres, contribuiriam eles decisivamente para educar os amadores e fazê-los crescer e amadurecer mental e profissionalmente.

não houve má-fé do MPF

Artur S. (Outros)

Os procuradores da República em Curitiba mereceriam mais respeito por parte do articulista.

Não houve má-fé, tampouco usurpação de atribuições.
Deltan e Carlos só querem um Brasil melhor e sugeriram a destinação de recursos que seriam destinados ao pagamento de multas nos EE.UU., claramente exigíveis, para uma fundação onde poderiam fiscalizar por assentos em Conselho próprio.

Ora, respeitáveis Dr. Streck e Dra. Dodge, preferem perder para o estrangeiro do que dar uma chance dos procuradores da República curitibanos? Que birra é essa?

Por óbvio que, na puntuação do acordo, foi estipulada condição para sua validade e eficácia: que não fosse remetida à União, que simplesmente 'contingenciaria' os recursos e nada ajudaria no combate à corrupção!

Com sua retórica atabalhoada, o articulista se aproxima, lamentavelmente, ao discurso de Olavo de Carvalho. Parou até de jogar bingo, pois!?
Nossos estimados votos de melhoras.

Voltamos aos tempos pretéritos???

Esclarecedor ou questionador (Delegado de Polícia Federal)

Para aqueles que, como eu, cresceram observando a "Guerra Fria", onde aquilo que consumíamos de informações, e mídia, era oriundo dos Estados Unidos, ficou bem evidenciada - e hoje até é caricata - a essência do pensamento maniqueísta.

Superada aquela época, com o aparecimento de tantas coisas ruins parece que, agora, voltamos a ser maniqueístas posto que, em alguns casos, ou algumas pessoas e idéias são totalmente boas e outras totalmente ruins.

Assim, novamente perigosos são os tempos em que se faz uma classificação entre agentes do bem e agentes do mal e, as pessoas ou ideias que se juntam a cada um daqueles lados passam, por decorrência, a serem também assim classificados.

É como se aplaudir MP ou Polícia em qualquer circunstância seja obrigação dos cidadãos de bem e criticar qualquer de suas atuações seja coisa de gente do mal, mormente em tempos em que o brasileiro, tão decepcionado com a índole das pessoas, precisasse encontrar, a qualquer custo, novos heróis a serem defendidos de qualquer forma.

Teremos SEMPRE grupos com Rocky Balboa, Capitão América, etc. versus Darth Vader, Lex Lutor, etc???

Investigar a qualidade da defesa

SMJ (Procurador Federal)

As ações judiciais e medidas administrativas que tramitam nos EUA contra a Petrobrás não visam apenas se aproveitar do escândalo para meter a mão no dinheiro da empresa? Do jeito que os americanos gostam de dinheiro e de explorar outros países, é bem provável isso. Muito estranho que a vítima seja penalizada. Será que os interesses brasileiros foram defendidos ou foram mal-defendidos para que os 2,5 bilhões chegassem as cofres da Caixa Curitibana? A AGU não participou dos acordos (com os EUA e com a Petrobrás). Parece que a "força-tarefa" esqueceu que desde a CF de 88 o Ministério Público não tem competência para atuar como advogados da União.

Surrealismo

Vinícius Parreira de Sousa (Funcionário público)

A lava-jato está partindo para o caminho do obscuro. Creio que seja material para o próxima coluna, inclusive. Discute-se a competência da justiça eleitoral para julgar determinadas infrações relacionadas à operação lava-jato, e o argumento dos procuradores - e do Ministro da Justiça - para levar os processos para Curitiba é o seguinte: "Justiça eleitoral não tem estrutura". Sim, não se usam mais argumentos jurídicos. A discussão é de competência, deveria ficar no campo jurídico apenas. Mas não fica. E quem discorda é contra a operação. Aliás, fico assustado em ver como referido procurador tem atacado ministros do Supremo e sua própria procuradora geral na internet, impulsionando "hashtags" com frases prontas (sem conteúdo jurídico).

Novilíngua de Curitiba

Johannes de silentio (Estudante de Direito)

A verdade está nas nuances. O problema é que o acordo não tem nuance nenhuma.

Que má-fé, Streck! Boa-fé é concordar com essa vigarice! Novilíngua lavajatista em ação!

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!