Consultor Jurídico

Colunas

Tribuna da Defensoria

Por que execução imediata das condenações do júri é inconstitucional

Comentários de leitores

4 comentários

população carcerária

luis gustavo skrebsky (Estudante de Direito - Civil)

Pontual e juridicamente correta a análise do texto sobre a questão. Do ponto de vista político, por vezes, cai em impopularidade, pois o Direito não tem esse compromisso. Então, que venham as críticas.
Fora da legalidade sobre o assunto, pode-se opinar, fruto da liberdade de expressão, em ser contra ou favor da execução imediata das condenações do juri, de acordo com as convicções de cada um.
De todo o modo, é tarefa infantil saber que: 1) o Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo, com 726 mil presos; 2) que os presídios estão abarrotados; 3) que bandido bom é bandido morto; 4) que o preso sai com PHD em como realizar novos e piores crimes de dentro das celas; 6) o número de crimes na sociedade esta longe de ser tolerável. 7) e por ai vai...
Portanto, com a atual política criminal, conclui-se que os resultados não são dos melhores.
Por outro lado, com as novas propostas a tendência é o Brasil melhorar no ranking dos países com a maior população carcerária do planeta, quer seja enfiando mais presos nos presídios já existentes ou construindo mais vagas. Ou seja, o foco é prender, encarcerar, " matar", segregar.
Não seria mais fácil proteger os presos para nos proteger? Como assim! Claro, como não tem prisão perpétua e nem pena de morte, mais cedo ou mais tarde ele irá sair da prisão e, quando isso ocorrer, não irá para Marte ou Júpiter, do contrário, estará de volta ao seio da sociedade.
Como a política de ressocialização é precária, inclusive, com o aval social, pois bandido bom é bandido morto, a tendência será o preso voltar mais perigoso do que quando ingressou no sistema prisional.
Como é muito caro e demorado melhorar o desenvolvimento humano de uma sociedade, a " solução mágica" é aumentar as penas e prender imediatamente.

esse é o papel da Defensoria: defender criminoso

daniel (Outros - Administrativa)

Pelo menos o artigo segue na linha da função da Defensoria que é defender criminoso. Apesar dos falsos discursos de defender vítima e até a sociedade.

Civilização

O IDEÓLOGO (Outros)

Para que o Brasil não continue na Idade Média, permitindo que os "rebeldes primitivos" avancem sobre a sociedade, urge a condenação imediata desses perdedores.

Novo Brasil

Professor Edson (Professor)

A única verdade absoluta é que a prisão depois da condenação em quarta instância se tornou coisa do passado, no atual STF temos seis ministros favoráveis a prisão depois da condenação em segunda instância ( Fux, Barroso, Fachin, Carmen, Rosa e Moraes) temos mais dois ministros favoráveis a prisão depois da condenação em terceira instância ( Gilmar e Toffoli) e temos apenas três ministros favoráveis a prisão apenas depois da condenação em quarta instância ( Lewandowski, Marco Aurélio e Celso) lembrando que desses três ministros dois vão aposentar em breve, e como o atual governo é favorável a prisão depois da condenação em segunda instância, podemos assim por natureza óbvia afirmar o fim da espera da condenaçao em quarta instância para cumprimento de pena.

Comentar

Comentários encerrados em 13/03/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.