Consultor Jurídico

Notícias

Pagando a língua

STJ acolhe queixa-crime contra desembargadora que ofendeu Jean Wyllys

O Superior Tribunal de Justiça acolheu a queixa-crime que o ex-deputado federal Jean Wyllys apresentou contra a desembargadora Marília Castro Neves por conta de ameaça e ofensa que ela fez pela internet. A corte entende que trata-se de manifestação da esfera pessoal e não profissional e, por isso, não afastou a magistrada do cargo. 

A desembargadora disse em rede social que o então deputado merecia  "um ‘paredão profilático, embora não valha a bala que o mate e o pano que limparia a bagunça".

A relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, afirma que Marília demonstrou intenção de ofender. "As opiniões da querelada possuem em tese o condão de ofender a dignidade do querelado por importar em menoscabo de seu sentimento de honorabilidade ou valor social, havendo ainda a demonstração da intenção deliberada de injuriar, denegrir, macular ou atingir a honra do querelante", disse na decisão. 

Em entrevista à ConJur, a desembargadora Marília Castro Neves disse que a sugestão de executar Jean Wyllys era "brincadeira" e que "o problema da esquerda é o mau humor". 

Revista Consultor Jurídico, 15 de maio de 2019, 14h46

Comentários de leitores

2 comentários

Mudança de profissão...

henrique nogueira (Estudante de Direito - Civil)

Diante de tantas "brincadeirinhas" inocentes da moça loira, após a aposentadoria poderia providenciar um emprego no ZORRA TOTAL...

Bom dia.

Rogério Aro. (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Acho que a brincadeira perdeu a graça.

Comentários encerrados em 23/05/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.