Consultor Jurídico

Repercussão geral

STF decidirá sobre aumento da alíquota Cofins para produtos de importação

O plenário virtual do Supremo Tribunal Federal reconheceu repercussão geral e decidirá se é constitucional o aumento de 1% da alíquota Cofins para produtos de importação. O recurso extraordinário que trata da matéria é de relatoria do ministro Marco Aurélio.

Relator do recurso, ministro Marco Aurélio votou pela repercussão geral na matéria.
Nelson Jr. / SCO STF

O recurso discute também a proibição ao aproveitamento integral dos créditos do pagamento do imposto, considerado o princípio da não cumulatividade - não cobrar um tributo várias vezes sobre o mesmo produto -, conforme prevê a Constituição Federal.

No caso, uma empresa importadora questiona acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que entendeu constitucional o recolhimento da Cofins-Importação com aumento em 1%. Ela alega que a regra deveria ter sido inserida no ordenamento jurídico via lei complementar.

"O alcance do acréscimo a apenas parte dos importadores constitui medida anti-isonômica, em tratamento desigual entre os contribuintes, além de revelar distinção entre os bens e serviços em razão da procedência ou destino", sustenta.

De acordo com a empresa, a norma desrespeita a não cumulatividade prevista no parágrafo 12 do artigo 195 da Constituição Federal, ante a impossibilidade de aproveitamento integral dos créditos da contribuição paga para abatimento do cálculo da tributação.

A União defende que a instituição do adicional de alíquota da Cofins-Importação é instrumento de promoção da paridade na oneração (equilíbrio de custos) entre os produtos externos (importados) e internos (nacionais), tendo em vista o aumento da carga tributária sobre estes últimos.

Sustenta ainda que a previsão constitucional a respeito da não cumulatividade tributária não especifica a forma pela qual deve ser implementada. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

RE 1.178.310

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de maio de 2019, 20h53

Comentários de leitores

1 comentário

Injustificável

AUGUSTO LIMA ADV (Advogado Autônomo - Tributária)

Quando a União justifica que o aumento de alíquota busca a "promoção da paridade na oneração (equilíbrio de custos) entre os produtos externos (importados) e internos (nacionais)", ofende a inteligência de todos nós contribuintes.

Comentários encerrados em 21/05/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.