Consultor Jurídico

Notícias

Subsistência garantida

STJ autoriza penhora de 15% de salário para quitar dívida de aluguel

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que, além de ter uma renda considerada alta, adquiriu a dívida na locação de imóvel residencial.

STJ autorizou a penhora de 15% da remuneração bruta de devedor que adquiriu dívida na locação de imóvel
Reprodução

Para o colegiado, a penhora nesse percentual não compromete a subsistência do devedor, não sendo adequado manter a impenhorabilidade no caso de créditos provenientes de aluguel para moradia — que compõe o orçamento de qualquer família —, de forma que a dívida fosse suportada unicamente pelo credor dos aluguéis.

Segundo o relator do recurso julgado, ministro Raul Araújo, a preservação da impenhorabilidade em tal situação “traria grave abalo para as relações sociais”, pois criaria dificuldade extra para os assalariados que precisassem alugar imóveis para morar.

O ministro apontou que o artigo 833 do CPC atual deu à matéria das penhoras tratamento diferente em comparação ao CPC de 1973, substituindo no caput a expressão “absolutamente impenhoráveis” pela palavra “impenhoráveis” e abrindo a possibilidade de mitigação da regra, a depender do caso concreto.

O relator também lembrou que, da mesma forma que o código antigo, a nova legislação já traz relativizações, como nas hipóteses de penhora para pagamento de prestação alimentícia.

“Então, é para além disso, das próprias relativizações que expressamente já contempla, que o novo código agora permite, sem descaracterização essencial da regra protetiva, mitigações, pois se estivessem estas restritas às próprias previsões já expressas não seria necessária a mudança comentada”, explicou.

Após essas inovações legislativas, Raul Araújo destacou que, em 2018, a Corte Especial firmou entendimento de que a regra geral de impenhorabilidade de vencimentos pode ser excepcionada a fim de garantir a efetividade da tutela jurisdicional, desde que observado percentual capaz de assegurar a dignidade do devedor e de sua família.

No caso dos autos, o ministro lembrou que a dívida foi contraída entre pessoas e tem como origem aluguéis de natureza residencial, ou seja, compromisso financeiro de caráter essencial para a vida de qualquer pessoa.

“Descabe, então, que se mantenha imune à penhora para satisfação de créditos provenientes de despesa de aluguel com moradia, sob o pálio da regra da impenhorabilidade da remuneração, a pessoa física que reside ou residiu em imóvel locado, pois a satisfação de créditos de tal natureza compõe o orçamento familiar normal de qualquer cidadão e não é justo que sejam suportados pelo credor dos aluguéis”, concluiu o ministro ao acolher parcialmente o recurso e determinar a penhora de 15% dos rendimentos brutos mensais do executado. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

AREsp 1.336.881

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2019, 9h47

Comentários de leitores

6 comentários

Rechaço Boris Antônio Baitala (Advogado Autônomo - Civil)

Bacharel em Direito e pós graduado (Assessor Técnico)

Caro Boris A. Baitala, tenho certeza que vc. sabe que toda LEI não é absoluta (salvo algumas exceções), por margear interpretações por ocasião de sua aplicação ao caso concreto. Quando é contra os outros, alguém como vc. se esperneia; e quando um dia a literalidade do Ordenamento recair contra tu? Na Bíblia, o Apóstolo Paulo disse que "a letra mata". O operador do direito precisa ser jurista sociólogo; não sociólogo jurista, Ok? Sou contra, contra e contra a corrupção em se usar a Lei, objetivando fins nefastos. Ademais, faz-se necessário sopesá-la. Ponho-me ao vosso dispor, colega.
Grato,
João Marcos F. de Souza
(81)9.9984-6900

Andou Mal a Decisão

Boris Antonio Baitala (Advogado Autônomo - Civil)

Se existe uma lei, é para ser cumprida por mais injusta que seja, ou então que se altere a lei. Relativizar uma lei, não é função do Judiciário, mas do Congresso. Ademais, se o devedor paga aluguel com sua verba de natureza salarial, de outra ponta, para quem recebe, aluguel não é salário e sim renda. A questão não é se alguém está ou não enriquecendo sem causa. A questão é que a lei deve ser aplicada, ainda que injusta, porque é lei. E contra o texto da lei, não cabe opinião pessoal de juiz. Estamos mal !!!

Coitado do Barão de Montesquieu e La Brède

Immanuel Kant (Advogado Sócio de Escritório)

Suprimamos, logo, o Poder Legislativo. Para que a existência de um poder inútil?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/05/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.