Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Cruz cristã secular...

Pedro Lemos (Serventuário)

"A cruz cristã se tornou secular"...

Se a Suprema Corte dos EUA não percebe o paradoxo presente nessa afirmação, eu diria que a lógica já deixou de existir naquela corte.

Não me admira... Para sustentar uma decisão dessa são necessários malabarismos dialéticos como esse mesmo. Sim, a presença da cruz significa que o Estado está escolhendo uma religião em detrimento das outras. "Ah, mas isso é uma homenagem ao soldados mortos, blá, blá blá...". Ok, e se o Estado resolvesse homenagear os soldados mortos com uma passagem do Alcorão, com uma imagem de Ganesha ou com um verso budista, será que a "homenagem" seria prontamente aceita e vista como normal? Imagino que diriam que não, porque essas não eram as religiões adotadas pelos soldados mortos, correto? Então, obviamente, o Estado está respaldando a escolha de uma religião específica, e utilizando fundos públicos na manutenção dessa homenagem religiosa.

Se os cidadãos livres querem manter a homenagem religiosa, tudo bem... Mas eles devem fazer isso com seu próprio dinheiro. Exigir que o Estado gaste do erário para manter símbolos religiosos é um rompimento com a laicidade, não importa quantos malabarismos silogísticos se faça.

A manchete tendenciosa

jotta santos (Advogado Assalariado - Dano Moral)

Escusas aos entendimentos contrários, a manchete não tem correlação com o conteúdo da decisão da Suprema Corte, mais sim com "o dever ser" do editor.

Decisão correta

SMJ (Procurador Federal)

Pelo conteúdo da matéria, não foi "uma vitória dos cristãos", nem a Suprema Corte decidiu não separar Estado e religião.

A Corte decidiu que deveria ser preservada a homenagem aos mortos da Primeira Guerra feita por seus familiares enlutados.

Seria traição e violência o Estado destruir ou negar-se a cuidar de memorial feito por pessoas que tiveram filhos mortos em defesa do próprio Estado americano.

A presença da cruz não significaria que o Estado estaria escolhendo uma religião oficialmente e excluindo as outras. Esse argumento é falacioso e a consequência de seu acolhimento seria o Estado cuidar de monumentos de outras religiões feitos para homenagear mortos em guerras. Não teria como consequência negar a proteção estatal à cruz em tela.

Pelo visto há americanos desocupados brincando de ajuizar ações. E isso ainda chega à Suprema Corte! Abram os olhos os que criticam tanto o processo brasileiro e endeusam o sistema processual americano.

Totalmente de acordo....

João Paulo Adv (Funcionário público)

...com a Establishment Clause e com os pais fundadores. Scotus fez o óbvio, o que, hoje em dia, rende aplausos.

Comentar

Comentários encerrados em 30/06/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.