Consultor Jurídico

Notícias

Sagrado matrimônio

Ratinho terá que indenizar por espalhar boato que padre teve caso com noivo

O apresentador Ratinho e o SBT terão que gastar quase R$ 1 milhão para indenizar dois padres por conta de mentiras contadas em um programa no distante ano de 1999. A decisão é do Superior Tribunal de Justiça. 

Reprodução Ratinho disse durante programa que noivo e padre se interessaram um pelo outro. 

No caso em questão, um casamento iria ocorrer na cidade de Astorga (PR). Porém, um dia antes, os noivos cancelaram. O boato então surgiu: noivo e padre se apaixonaram. 

Foi o suficiente para o pequeno roedor colocar todo seu esforço de reportagem na história. Como relembra o site Espaço Vital, o repórter Hebert de Souza, do SBT, que falava ao vivo do Paraná, chegou a dizer que “este padre teria se apaixonado pelo noivo na hora do casamento, e teria mandado um recado para o noivo, pedindo que não se casasse, que era apaixonado por ele. São os comentários, ninguém está falando absolutamente nada, até porque nós estamos esperando a noiva e o noivo aqui nos estúdios”.

Num dos programas, Ratinho resumiu: “Tava acontecendo um casamento e, de repente, o noivo – ao invés de se interessar pela noiva – gostou do padre”.

Além de propagar a mentira, o SBT colocou a imagem de outro padre na reportagem. Por isto, tanto o que iria celebrar o casamento quanto o que foi colocado de gaiato entraram com ação. Um dos padres já morreu e é representado por parentes. 

Na segunda instância, o Tribunal de Justiça do Paraná julgou que “as intervenções de Ratinho foram um teatro, de absurdo grotesco e degradante, que somente pode ser avaliado em sua dimensão, assistindo aos programas veiculados que se encontram nas gravações anexadas aos autos”. 

O STJ apenas confirmou na decisão do TJ de que Ratinho e SBT devem indenizar em R$ 200 mil cada padre. Com a correção, o valor chega a R$ 436 mil para cada servo de Deus. 

Revista Consultor Jurídico, 18 de junho de 2019, 15h49

Comentários de leitores

2 comentários

Partidarismo do Conjur

AC-RJ (Advogado Autônomo)

O linguajar impróprio se dá porque o apresentador Ratinho é simpatizante do Presidente Jair Bolsonaro. Isto gera ódio na redação do Conjur.

Pequeno Roedor e Servos de Deus

Rodrigo P. Martins (Advogado Autônomo - Criminal)

Mas que linguajar impróprio para uma reportagem em periódico jurídico.

Comentários encerrados em 26/06/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.