Consultor Jurídico

Notícias

Nova Discussão

OAB pede reinclusão na pauta do STF de ações sobre prisão em 2ª instância

Por 

O presidente do Conselho Federal da Ordem, Felipe Santa Cruz, protocolou, nesta terça-feira (11/06), no Supremo Tribunal Federal, pedido de reinclusão na pauta das Ações Declaratórias de Constitucionalidade 44, 43 e 54, que discutem a possibilidade de prisão após a condenação em segunda instância - a chamada execução antecipada da pena

Em seu requerimento, a OAB acrescenta aos argumentos da inicial "o contexto de crescente e notório agravamento das condições já reconhecidas por esta Egrégia Corte na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamento nº 347, ao declarar o estado de coisas inconstitucional do sistema carcerário brasileiro".

Ações
As ações tratam do cumprimento imediato de pena após a confirmação de condenação em julgamento pela segunda instância da Justiça. O relator é o ministro Marco Aurélio Mello.

Em 2016, o Supremo mudou a jurisprudência e permitiu a prisão a partir da decisão de 2ª instância. O julgamento foi feito em um HC e, por 7 votos a 4, o entendimento que vigorava desde 2009 foi modificado.

Em abril, a Ordem dos Advogados do Brasil pediu o adiamento do julgamento. A nova diretoria do órgão alegou ao presidente da corte que precisava "se inteirar" sobre o processo.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 11 de junho de 2019, 16h11

Comentários de leitores

1 comentário

Reinclusão na pauta

Júlio M Guimarães (Bacharel - Trabalhista)

Não me referirei ao Dr. Santa Cruz nos termos em que o mesmo se referiu recentemente a nós maioria dos advogados, entretanto, gostaria de saber a quem a OAB está representando. Com certeza não representa a maioria de nós advogados que patrocinamos nossas causas com dignidade e com frequência somos confundidos com os chincaneiros de plantão que se utilizam de farta retórica e pouco conteúdo na defesa de corruptos que afundaram nosso país.
Senhor Santa Cruz, o senhor não nos representa.

Ver todos comentáriosComentar