Consultor Jurídico

Notícias

Comportamento inadequado

Grupo de advogados pede que Moro seja afastado do Ministério da Justiça

Por 

Um grupo de mais de 750 advogados produziu um abaixo-assinado que pede o afastamento de Sergio Moro do cargo de ministro da Justiça. Os advogados dizem que Moro se comporta como um delegado de polícia e demonstram preocupação com a democracia e a liberdade de expressão no país.

Para advogados, Moro se comporta como "delegado de polícia"
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A manifestação acontece depois do site The Intercept Brasil divulgar uma série de reportagens com conversas de Moro com procuradores da operação "lava jato" mantidas no aplicativo Telegram.

"O ministro se comporta como Delegado de Polícia, que dirige o inquérito policial, inspetor de polícia, que realiza diretamente os atos de investigação, como Ministério Público, selecionando o que entende deve ser a prova, e como juiz, deliberando a respeito da destruição de informações. E ainda, instado a se pronunciar sobre os graves fatos que formam o conteúdo das mensagens e que demonstram ilegalidades atribuídas a ele, quando juiz federal, assume ao mesmo tempo a condição de vítima", diz o manifesto.

Para os advogados, ao continuar no cargo, Moro "age como se fosse seu dono, dono do país, das leis, do direito e da liberdade alheias. Enfim, age como soberano e impõe a exceção como regra". 

Assinam o documento os juristas Lenio Streck; Geraldo Prado; Celso Antônio Bandeira de Mello; os advogados Alberto Toron; Aury Lopes; Marco Aurélio de Carvalho; Weida Zancaner; Roberto Podval; Antonio Carlos de Almeida Castro (Kakay); a desembargadora aposentada Kerarik Boujikian; entre outros.

Clique aqui para ler a nota.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 30 de julho de 2019, 19h59

Comentários de leitores

28 comentários

Conjur extremamente parcial

Júlio M Guimarães (Bacharel - Trabalhista)

Mais de 1000 advogados assinaram apoio à Lava Jato e ao Ministro Sergio Moro.
O destaque da Conjur são 750 assinaturas dos mesmos de sempre.
Entre "juristas" e advogados que nunca defenderam um inocente ou hipossuficiente a publicação faz de maneira escamoteada a defesa da corrupção e dos mesmos de sempre.

Onde eu assino?

Mateus Marcos (Outros)

783. ...

O fato é que, independente de outras considerações...

Ondasmares (Prestador de Serviço)

Considerações como esquerda, direita, crimes ou não crimes do PT, para quem tem dois neurônios e algumas sinapses os diálogos vazados da lava a jato são uma vergonha para essa operação e mostram que era o juiz que a comandava. Considero que o ministro deveria ter se afastado voluntariamente do cargo, como faziam antigamente as pessoas públicas de ética, brio e compostura em situação semelhante.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.