Consultor Jurídico

Artigos

Opinião

Começo a ficar intolerante com os que se alegram com o fracasso do país

Comentários de leitores

  • Página:
  • 1
  • 2

29 comentários

Fracasso e Dinâmica

AcacioAnselmo (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Na dinâmica do processo atual é de se estranhar que pessoas como o Dr. e articulista acima seja tão otimista com o sucesso que discorreu sobre a economia atual. Certamente se olhasse do ponto de vista democrático, poderia obter a resposta do porque de tantas desilusões do povo. Ao revelar os encontros sigilosos no escurinho "do cinema" dos nossos super heróis, mpf, procuradores e ministros da suprema corte com banqueiros e empresários. Não há como não se desiludir com sucesso do País! O que o articulista chama de criminosos, nos revelou um crime maior cometido por autoridades, que deveriam respeitar a lei e a CF. Seria bom o Dr. Gandras pensar na ética e na moral das nossas autoridades assentadas nos autos cargos e a forma como tais agentes agem fora da lei. A honra de uma pessoa não está na defesa do sucesso ou do fracasso; porém na forma como vê aqueles que usam de seus cargos para se beneficiar em detrimento da lei e em nome de um juízo de valor próprio. Qual a diferença entre se cometer um crime menor ou um crime maior? A democracia deve sempre vir antes do vale tudo de nossos super heróis! Agora temos leis antes e depois das lavas jatos; constituição é apenas uma peça decorativa ou jogada na latrina! Mas, tem gente que se regojiza com tudo isto!

Responder

Parabéns ao bravo articulista

Sinjin Armos (Outros)

O texto é um monte de estrume.

Responder

A lógica da mainstream mídia

Advogado (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Mestre Ives, também me irrito com os vieses, as hostilidades gratuitas, o sensacionalismo populista, a falta de seriedade, o superficialismo, etc. que caracterizam os jornalões e os portalões. Há uma lógica por trás disso, porém. A aposta na divisão do país, na fratura do tecido social e na absurda polarização, no momento em que a tecnologia e as redes sociais estão substituindo o velho modelo de negócio, é talvez a única alternativa para tentar preservar alguma importância social (que, obviamente, se reflete no faturamento). Por outro lado, existe mesmo uma hostilidade inevitável, quase que "natural", da inteligentsia (ou burritsia) midiática, autodenominada e autocompreendida como progressista, humanista, boa, bela e justa (etc.), contra o que entendem ser "as trevas" (ou seja, o brasileiro médio!, que se identifica em muita coisa com o atual presidente). Essa hostilidade é fruto da total incompreensão da natureza da maioria do povo brasileiro, até porque vivem em verdadeiras bolhas "progressistas" e, no fundo, odeiam o brasileiro médio, trabalhador, conservador (o que, aliás, não o impediu de votar no PT), e que não pretende construir nenhum "mundo melhor", mas apenas cuidar de sua vida, proteger sua família, trabalhar o suficiente para ir vivendo, ir à igreja, fazer um churrasco no fim de semana, enfim, uma vida pequeno-burguesa que os "progressistas" deploram. Quebraram a cara em 2018. Quebrarão novamente em 2022, 2026...

Responder

Irritado por quê?

Mark Twain (Oficial de Justiça)

Vamos lá:
1.
A imprensa, ao contrário do que afirma Ives Gandra, não questiona somente o que é secundário no caso Lula. Questiona também a forma como as provas foram analisadas e, acima de tudo, o princípio constitucional do juiz natural para processar e julgar o caso do sítio de Atibaia. Ademais, as demais instâncias do judiciário, infelizmente, foram sequestradas pela opinião pública, insandecida e manipulada, não querendo se indispor com as vozes das ruas.
2.
A imprensa não concentra suas atenções às causas pequenas do governo. Quem perde tempo com coisas irrelevantes, é próprio governo. O incidente do "Golden shower" diz tudo e mais um pouco. O governo, contrariando o conselho maquiavélico segundo o qual o príncipe deve se ocupar com as "coisas grandes", se perde em veleidades.
3.
Os números apresentados pelo articulista na economia aconteceram "apesar" desse governo, e não "por causa" dele.
4.
Segundo Gandra, esse governo aprende a andar de bicicleta com ela andando. Trinta anos no parlamento não ensinaram o atual presidente de que não se põe estagiários despreparados para pilotar um boeing, ainda mais passando por grandes turbulências.
5.
Não se torce contra o Brasil ou contra o governo que aí está. Ele própria é quem joga contra o país. O episódio dos "paraíbas" não deixa margens à dúvida.

Até dar para entender o articulista: está sendo totalmente fiel às suas concepções de mundo. Mas não se pode comprar essa ideia. Não dá para defender o indefensável apelando a um patriotismo jeca.

Responder

Intolerância à justiça?

João pirão (Outro)

Engraçado que leu jornais desde jovem e nunca percebeu a vocação dos jornais, qual seja o questionamento, dentro de uma pluralidade de ideias, quase como uma participação no contraditório...? Talvez ultimamente se concentrou em jornais que conseguiam amassar seu ego e acariciar seu orgulho...!?
Sobre a quesito da “periferia” nos debruçamos ainda nos acordes tocados até a exaustão das teclas: Lu – La, e suas variantes: Lulopestismo, Petralha, etc. Com esse canto de serias esquecemos que ainda estão roubando a botija, e que ainda existem personagens que NUNCA foram alcançados pela graça das leis, e com o fato de Lula estar preso e permanecer preso já é mais que suficiente (o popular ‘boi-de-piranha’). Assim, também temos a “periferia” das notícias às avessas: Ora, dar o crédito de que as reservas estejam em 380X “na turbulência desses primeiros meses” é como forçar a barra... Demos graças a Deus que ainda não percebeu que está ali essa reserva...! Temos 20 anos anunciando “safras recordes”, mas esta é a que merece destaque...! Graças que ele está mais concentrado em “aprender andar de bicicleta”, pois já se enrolou muito com o pedal agroambiental.
Pesa ainda aceitar que um juiz possa ser parcial dentro de um juízo. Que é o único que se percebe nas mensagens interceptadas. Com muito respeito digo que é a ideia mais descabida de justiça.
Em uma coisa concordo com o escrito: “É preferível gastar dinheiro do povo com a saúde e educação”. Só que é bom alguém avisar isso para o governo. Pois são as áreas mais negligenciadas atualmente.

Responder

Índole

ricardonick (Engenheiro)

Mesmo que eu viva mais de anos não vou mudar minha índole. Mesmo que eu caduque. Idade não é desculpa. Ives Gandra é e continuará sendo o mesmo jurista cego pelo conservadorismo que sempre foi, até o fim.

Responder

Ives Gandra

Cidrac Pereira de Moraes (Advogado Autônomo - Criminal)

Sabemos que no Brasil vigora o direito legislado, mas demorei décadas para compreender o que vale mesmo são duas normas implacáveis. 1 - Farinha pouca, meu pirão primeiro; 2 - Forte com o fraco e fraco com o forte.
Vai dai que a PF entra na casa do cidadão e retalha os móveis em busca de prova. Não encontra nada. Leva a pessoa em condução. De seu turno o MP apresenta o show do power point. Ambos espetáculos sob inspiração e em busca de homologação da mídia e opinião pública. Dai em diante a medidas judiciais, em todos as instâncias, são orientadas pelo mesmo vetor. Sendo essas abusos tolerados como não esperar que a condenação não viria em tempo record? Favas contadas. Agora esperar que mais um religioso seja entronizado no Supremo, pois, o Presidente da República que indicará um evangélico, mas são duas vagas. Logo...

Responder

Pura alma

Operador do direito, Empresario, Produtor Rural. (Administrador)

Vejo que o principio do contraditorio é algo sempre a ser respeitado. Li inumeros comentários e percebi que há alguns apenas com conotação politíca. O Brasil analisou fatos e provas. Digo isso pois era de interesse da nação se ver representada por alguém que dentro de uma instituição o fizesse representar e parar esse sistema essa cultura corrupta. Infelizmente há pessoas que al discordar do Dr. Ives mostram sua ignorancia e sua falta de argumentação. Dr. Ives se reportou a CF/88, aliás a mesma que essa esquerda foi contra.
Percebi às claras neste artigo bem fundado na Cf/rspiri espirito de que as coisas estão se se encaminhando. E nisso eu concordo com q sabedoria que a idade trouxe ao Sr. Dr. ives.
Aceitem que o povo brasileiro quer a decência. Aceitem que a maioria do povo está contente com Bolsonaro, apesar de os opositores estarem a sabotar a nação. Mas não aceitem a falácia de um mentecapto que ele é a mais pura alma desse pais.

Responder

Pura alma

Operador do direito, Empresario, Produtor Rural. (Administrador)

Vejo que o principio do contraditorio é algo sempre a ser respeitado. Li inumeros comentários e percebi que há alguns apenas com conotação politíca. O Brasil analisou fatos e provas. Digo isso pois era de interesse da nação se ver representada por alguém que dentro de uma instituição o fizesse representar e parar esse sistema essa cultura corrupta. Infelizmente há pessoas que al discordar do Dr. Ives mostram sua ignorancia e sua falta de argumentação. Dr. Ives se reportou a CF/88, aliás a mesma que essa esquerda foi contra.
Percebi às claras neste artigo bem fundado na Cf/rspiri espirito de que as coisas estão se se encaminhando. E nisso eu concordo com q sabedoria que a idade trouxe ao Sr. Dr. ives.
Aceitem que o povo brasileiro quer a decência. Aceitem que a maioria do povo está contente com Bolsonaro, apesar de os opositores estarem a sabotar a nação. Mas não aceitem a falácia de um mentecapto que ele é a mais pura alma desse pais.

Responder

Decadente

Advogado Pensador (Advogado Autônomo - Administrativa)

Professor Gandra você é a demonstração de como se comporta um sabujo. A morte física não é mais necessária, pois a morte moral e intelectual já lhe chegou há muito tempo.

Responder

Um Verdadeiro Pensador

BCRAS (Advogado Sócio de Escritório)

Os ditos “advogados progressistas”, defensores da liberta seletiva e dos direitos que lhes interessam, não conseguem absolver o escólio de um dos maiores juristas brasileiros. Baseado em clichês e num discurso pré-moldado, estes advogados, que aqui pululam, remoem-se de inveja ao comparar o seu vazio intelectual com a sapiência de um verdadeiro mestre. Infelizmente esta página optou por seguir o caminho da futilidade e do engodo que a esquerda lhe ofereceu. Surpreende encontrar aqui um artigo de quem, entre tão poucos, ainda merece ser ouvido. Parabéns Dr. Ives Gandra.

Responder

Eu Tambem Acredito Nesse Novo Brasil

Antônio César Alves Fonseca Peixoto (Advogado Assalariado - Civil)

Obrigado Doutor Ives Gandra Martins pelo seu imenso espírito público. O Senhor lembra meu pai que aos 90 anos ainda trabalha regiamente todos os dias. No início do ano passado recebeu juntamente com outras personalidades uma homenagem pública do Tribunal Superior do Trabalho presidida por seu filho. Há muito deixei de acompanhar as noticias dos jornais tradicionais e eletrônicos, justamente pela falta de compromisso com o Brasil, com o bem comum. Um País tão rico em que as crianças não têm escola. Os jovens nao tem emprego e boa parte da população vive em condições degradantes. É sempre bom ouvi-lo.

Responder

Não entendo a surpresa da maioria dos comentaristas...

Harlen Magno (Oficial de Justiça)

Afinal estamos falando de Ives Gandra, o indivíduo que passou anos vivendo de dinheiro público e benesses do cargo como Presidente da Justiça Trabalhista, ao mesmo tempo em que fazia de tudo para desmantelá-la e desqualificá-la, inclusive na mídia, jamais perdendo a oportunidade de uma câmera, microfone, ou holofote, para dizer como os banqueiros e empresários sonegadores são coitadinhos explorados pelos trabalhadores e vítimas da JT... Essa defesa apaixonada da milicianocracia instalada no País é apenas bajulação em busca de um novo encosto no setor público, mais especificamente no STF...

E vale registrar a peculiaridade dos poucos que defendem esse monte de absurdos do artigo: o tal "professor" do desconhecido, que foge como o diabo da cruz quando perguntado do que seria "professor" afinal, já que nada do que escreve tem cunho técnico ou jurídico; o "neo-abolicionista" que já virou folclore por sua defesa mirabolante dos que não estudam para passar no exame de ordem; e um procurador, compreensivelmente na defesa corporativista dos colegas Curitibanos, metidos em conversas nada republicanas...

Responder

com todo respeito ao sr ives gandra

Marcelo Henrique Costa (Estudante de Direito - Propriedade Intelectual)

fiquei um pouco surpreso pelo tom de algumas críticas do doutor ives, jurista notório, e também notório por suas posições políticas, além de pessoa experiente no trato com a imprensa, na qual sempre obteve repercussão de suas idéias, sendo colunista de vários jornais da grande mídia por algum tempo. As provas para a condenação do lula foram amplamente discutidas e colocadas na imprensa durante o processo. Passados dois anos, elas já foram notícias, não são mais . . . regra elementar do jornalismo mundial, não só o brasileiro; o que é notícia são fatos novos, não os antigos sem nenhuma roupagem ou interpretação nova . . . algumas alegações suas me parecem mais piada do notícias boas deste governo, como "ser pé quente, a vitória da seleção brasileira na Copa América, após anos de insucesso internacional" . . . mas o que mais me causa surpresa e´que quando governos anteriores - todos, sem exceção, quando bombardeados pela imprensa pelos inúmeros equívocos que cometeram, quando noticiadas amplamente seus deslizes, erros, crimes etc, não provocaram no ilustre jurista a mesma intolerância . . . naquela época as pessoas estavam se alegrando com os erros do governo - e também torcendo pelo fracasso do país ? Ou só torcem agora ? Ou à quela época estavam apenas denunciando os erros cometidos, e criticando o governo por estes erros ? Será que denunciar erros é torcer pelo fracasso do país, ou, ao contrário, é denunciando erros que estamos, efetivamente, contribuindo para que o país melhore ?

Responder

Conhecimento enciclopédico

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Lembro-me de um processo judicial na qual eu atuava que uma das provas do trabalho rural alegado na inicial era uma nota fiscal de produtor rural, que indicava venda de arroz em casca. O juiz e o tribunal fixaram o termo inicial do tempo de trabalho rural tomando por base a data da emissão da nota fiscal, que correspondia à data da venda da mercadoria. Como todos são brasileiros, não se deram conta de que se o segurado vendeu arroz, esse arroz foi plantado meses antes. O termo inicial do reconhecimento do tempo de trabalho rural, dessa forma, deveria ter sido fixado no mínimo na data provável do início do plantio. O conhecimento teórico, enciclopédico, não pode ser desprezado. Na verdade, é a forma mais completa de se obter uma formação minimamente aceitável. Mas, o conhecimento enciclopédico por si só, sem uma vivência e observação da realidade atual, acaba sendo um nada.

Responder

Teórico tupiniquim

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Coitado. Longe do mundo real não percebeu que a safra "recorde" colhida nesta ano foi na verdade plantada no ano passado, não sendo mérito de presidente ou partido político algum.

Responder

Finalmente, uma opinião lúcida

L.V. F. (Procurador Federal)

Depois de muito tempo longe, resolvi voltar a comentar no CONJUR.
Parabéns ao Doutor Ives Gandra por escrever o óbvio, que os militantes travestidos de advogados se recusam a aceitar.
O Ministro Sérgio Moro, enquanto magistrado, foi o juiz da causa que mudou os rumos da história do Brasil, notadamente marcada pela impunidade e pela corrupção.
O próprio Greenwald era a favor da Lava Jato, conforme discurso disponível no Youtube (https://www.youtube.com/watch?v=pJQtRNE7wok).
Se o jornalista, ex-advogado de neonazista, era a favor e reconheceu a excelência dos trabalhos desenvolvidos pela Lava Jato, quem são os militantes do direito para falar contra?
Dentre tantos males do lulopetismo, talvez o maior foi transformar parte dos advogados em mero militantes descerebrados.

Responder

Ai ai...

MarcolinoADV (Advogado Assalariado)

Triste fim de carreira...

Achar normal o conluio do juiz com o MP, defender a censura e “otras cositas mais”.

a) o fato de as reservas serem superiores a US$ 380 bilhões: poderia ser honesto e dizer que o atual governo não contribuiu com US$ 1,00 sequer dessa reserva;

b) liderança entre as nações na defesa dos valores familiares: Arábia Saudita e Egito, dois exemplos de democracia que o digam! Não esquecer da abstenção em relação a Rodrigo Duterte;

c) manutenção do combate à corrupção: “Flavinho Milícia” que o diga.

d) criação da secretaria nacional da família: diga que a secretária é sua filha, né? Por que a omissão?

e) ser pé quente, a vitória da seleção brasileira na Copa América, após anos de insucesso internacional: sério que Ives Gandra escreveu isso? Deve ter sido um “ráquer”, só pode...

Ives Gandra pode ser um grande conhecedor do direito, mas nunca foi um democrata. Em inúmeras oportunidades defendeu a ditadura sem o menor pudor.

Textinho puxa saco para garantir uma boquinha pro “Júnior” no STF, o que terá pouco efeito prático. Bozo quer um terrivelmente evangélico, não um terrivelmente opus dei.

Responder

Descanse em Paz, Ives. O país prescinde do seu moralismo...

Carlos Frederico Gomes (Outros)

É triste ver juristas do alto clero tão engajados em defender e promover cruzadas moralistas em pleno século XXI. Quanto preconceito, quanta frustração e melancolia. Que engodo. Não quero ser limitado ao teto reacionário daqueles que veem seus dias chegar ao fim. Se respeitasse verdadeiramente os direitos e garantias constitucionais, não criminalizaria um jornalista tampouco seria condescendente com "conversas inapropriadas" entre juiz e acusação. Apesar de ter grande artista como irmão, o articulista parece não ter aprendido, no alto de sua longa jornada, o que é arte e como é apreciá-la. Confunde conceitos, fins constitucionais. E ainda reservou espaço para exaltar a conquista da pífia Copa América. Meus Deus! Que triste fim! Espero que tenha tirado o peso do coração com esse triste desabafo. Como proclamou Belchior: o novo sempre vem! (Ainda bem...)

Responder

Lucidez!!!

beflaminio (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Como é gratificante poder ler um artigo tão lúcido, em meio a tantos outros que chegam a ser levianos.
Parabéns, Dr Ives, o sr, aos 84 anos, não está no "final da vida", como afirmou, pois tem muito ainda a nos ensinar.

Responder



  • Página:
  • 1
  • 2

Comentar

Comentários encerrados em 1/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.