Consultor Jurídico

Notícias

Danos morais

Prefeitura indenizará paciente que teve hemorragia após tomar remédio errado

Por 

A 11ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão de primeira instância que condenou a Prefeitura de Holambra a indenizar uma mulher que teve hemorragia interna e ficou internada por 26 dias na UTI após tomar medicação errada fornecida na farmácia do SUS. A reparação foi fixada em R$ 30 mil, a título de danos morais.

Prefeitura de Holambra indenizará mulher que teve hemorragia interna após tomar medicação errada fornecida na farmácia do SUS
Reprodução

Laudo pericial anexado aos autos comprovou que a intoxicação pelo remédio errado contribuiu para o grave quadro de saúde que quase levou à morte da paciente. Ela desenvolveu problemas cardíacos e teve que passar por cirurgia. O laudo teve destaque no voto do relator do caso, desembargador Marcelo Theodósio.

Ele também citou o artigo 37, parágrafo 6º, da Constituição Federal, "que estabelece que as pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviço público responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade causarem a terceiros, sendo desnecessária a comprovação de culpa em casos como o presente, em que presentes os demais requisitos necessários à responsabilização do ente público, quais sejam, conduta, resultado lesivo e nexo causal".

Diante disso, afirmou o magistrado, restou incontroversa a responsabilidade do município, "não havendo que se falar em caso fortuito ou culpa exclusiva da vítima, uma vez que esta recebeu indevidamente de funcionária eleita pelo município de Holambra medicamento diferente daquele que lhe foi prescrito por médico".

Clique aqui para ler o acórdão.
1003028-08.2017.8.26.0666

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 17 de julho de 2019, 9h52

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/07/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.