Consultor Jurídico

Notícias

Conduta inadequada

Ações de Moro na "lava jato" são "maré de ilegalidades", defendem magistrados

Comentários de leitores

15 comentários

Onde está a prova da inocência?

Amauri (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Causa-me espanto que até o momento os críticos dos "supostos" diálogos, não apresentaram uma só evidência de que as condenações impostas ao BANDIDOS que assaltaram o País foi baseada em ausência de ou falsas provas. Ou será que os desvios comprovados, os bilhões recuperados, os prejuízos astronômicos, as propinas pagas e confessadas, são fruto de armação do Ministros com os membros do MP?

Improbidade neles, moro e dalagnol

JCCM (Delegado de Polícia Estadual)

Absurdo é ver que tem muita gente defendendo o serviço porco realizado pela dupla dinâmica!

O certo é lhes ajuizar ações por improbidade, já que desperdiçaram dinheiro público por um serviço muito mal feito, na base do descumprimento das regras legais, quando na verdade deveriam primar por elas.

Querer defender o indefensável é mesmo uma prova de que o País está doente...

O processo, num País sério, deve retornar ao ponto onde se deram as ilegalidades e assim seguir seu trâmite com serenidade e SERIEDADE.

E os que defendem o arbítrio, quando lá estiverem, diante de um déspota, serão os primeiros a reclamarem seus direitos a um julgamento justo, honesto, dentro da lei.

Moro e a Lava Jato erraram! Muito...

Neli (Procurador do Município)

Moro e a Lava Jato erraram!
Deveriam ter deixado os Piratas fazendo butim no erário.
Moro e a Lava Jato erraram!
Por ter denunciado e condenado o ex-presidente. E o Feito Penal ter tramitado sem nenhuma mácula.
Não deveriam ter deixado tramitar o processo sem nenhuma nódoa!
E, com a devida vênia, causa-me estupefato quando vejo Juízes se manifestando (nas mídias sociais também, onde sou bloqueada por um!)
Juiz se quiser fazer campanha política deveria sair do Poder Judiciário .
O pior crime que existe é a corrupção! Graças aos abjetos corruptos (ativos e passivos), o Brasil é esse eterno subdesenvolvimento. Gerações de brasileiros na eterna ignorância. Sem Saúde, sem saneamento básico, sem segurança, sem transportes públicos, sem transportes ferroviários.
E a Lava jato e o então juiz Moro erraram: deveriam ter deixado os rapinadores acabarem com esse paupérrimo país!
Por fim, Moro deveria ter continuado na Magistratura e não ser ministro do terrivelmente despreparado ...
Data vênia!

Roque Z Advogado.

Roque Z Roberto Vieira (Advogado Autônomo - Civil)

Ao tomar conhecimento da carta de alguns Magistrados, publicada nesse conceituado informativo, percebe-se o equívoco de se cometer a ousadia ao atacar o Min. Sérgio Moro e, por via de consequência, a Operação Lava Jato, baseando-se apenas na invasão da privacidade de forma criminosa, que atinge até a segurança nacional.

Manifestação apropriada

Cavv (Advogado Sócio de Escritório)

Muito apropriada a manifestação, pois o teor das conversas divulgadas e não desmentidas refoge ao que se poderia avaliar como normal na relação entre o juiz e as partes. Parabéns!

Juízes não podem opinar contra legem

JALL (Advogado Autônomo - Comercial)

Lamento discordar que essa manifestação de juízes é uma opinião pessoal porque viola a lei que não podem desconhecer (arts. 154 e 244 do CPC), ao palpitar sobre os efeito de um documento criminoso na opinião pública. A liberdade é auto limitada pelo bom senso. Não se pode aceitar que distribuam mentiras gozando do prestígio quel lhes dá a magistratura. Sem desculpas!

Ai de vós "juízes" e fariseus hipócritas

JALL (Advogado Autônomo - Comercial)

Sou advogado há 57. Durante esse tempo, pelo avanço tecnológico, construiu-se sobre o já existente princípio da Economia Processual o Princípio da Instrumentalidade levando-o ao novo CPC nos Art. 154 - “Os atos e termos processuais não dependem de forma determinada senão quando a lei expressamente a exigir, reputando-se válidos os que, realizados de outro modo, lhe preencham a finalidade essencial (...)" e art. 244 - “Quando a lei prescrever determinada forma, sem cominação de nulidade, o juiz considerará válido o ato se, realizado de outro modo, lhe alcançar a finalidade." Qualquer leitura que se faça das transcrições criminosas editadas da INTERCEPT, inexiste qualquer forma expressa de que juiz e parte não podem se comunicar e, quando se comunicarem por quaisquer variados meios de comunicações, atingidos os objetivos pelo meio usado, se a finalidade processual é alcançada. Por isso causa espécie essa manifestação hipócrita que não li porque o título já nega por quem não pode negar esse princípio processual que fingem desconhecer.

A constatação óbvia ...

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

Aos que apoiam o Verdevaldo et caterva resta constatar que Sérgio Moro continua ministro e respeitado pela brasilidade na memória da maioria ao passo que seus críticos irão repousar no limbo da história. Simples assim.

Mensagens "vazadas" são verdadeiras???

Junior (Advogado Autônomo)

ESPEREM UM POUCO: quem disse que as mensagens "vazadas" são verdadeiras???

Pedra

Eduscorio (Consultor)

"Jogai a primeira pedra aquele que não tiver nenhum pecado" diz a Bíblia, fala sábia de Jesus. Acaso os críticos tem idoneidade moral para rotular Moro ou, por mera obsessão invejosa, tacam pedra só porque tem mãos ? Querem de Moro a infalibilidade humana e judicante mas, o que tem por trás desse modismo é cantilena política, apenas. Do irretocável jeito que Moro agiu conseguiu desmontar um castelo de corrupção encravada como carrapato no Erário público. Não só ele, mas Procuradores da República, Policiais Federais, Auditores Fiscais, TRF4 e STJ. Nada de errado se apurou até agora, segundo CNJ e CNMP. Mas de um desembargador do TRF4 que solta indevidamente um compadre petista em despacho insólito no plantão já previsto, nada comentam. Falar é fácil, fazer é que são elas...

Br42!7 as avessas

Paulo Henrique C. Almeida (Contabilista)

o srº Artur S. defende que magistrados engaje na politica?! acho eles não querem se tornar vagabundos, pois estudaram para ser juíz e não para fazer papagaiada visando o interesse proprio.
o fato que não precisa de Dr pra ver a lambança do atual ministro da segurança. é tão horrendo que margeia ao amadorismo. é lamentável ver pessoas defendendo um magistrado que se corrompeu a ponto de prevaricar e apenas fazer politica de interesse próprio. ninguém merece ser jugado (não é bem isso por que já estava definido sua condenação) por um juiz que vendeu a sentença e passou por cima da lei. a Lei deve ser respeitada do presidente ao morador de rua. não há como defender o indefensável.

Quid juris? Que comam brioches?

Artur S. (Outros)

Juízes, desembargadores, qualquer cidadão tem direito à manifestação de opinião. Mesmo que não seja, a rigor, externação de pensamento, mas, sim, de meras elucubrações degenerativas.

Se criticam tanto um ex-juiz que teve a coragem de partir para a ação e ajudar, na medida do possível, noutro Poder da República, por que não tomam coragem e também se candidatam? Por que não oferecem a mão amiga aos governantes e legisladores?

Querem, decerto, subir no muro e ficar atabalhoando tudo, streckianamente, do conforto de suas poltronas, afagando egos uns dos outros.

A propósito, pergunta-se: quem são Germano, João Ricardo, Grijalbo, José Nilton, Gustavo e Hugo na fila do pão?

Mensagens Ilegais

acsgomes (Outros)

Magistrados utilizando mensagens obtidas ilicitamente, não mostradas e publicadas na íntegra, e sem a devida perícia, quem defende ilegalidades mesmo?

Antes de criticarem Moro que tal cumprirem as leis?

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Estado Democrático de Direito? Faz-me rir entidades.

E o descumprimento diário de leis (LOMAN, art. 35, inciso I - infração ético disciplinar e afronta ao tal Estado Democrático de Direito) por TODOS os magistrados do país, do art. 489, § 1°, NCPC e seus incisos, chama-se como? Entendo que este fato é infinitamente mais grave que conversa de Moro com procuradores e os senhores não falam nada. As Corregedorias locais não fazem nada.

Pior, qdo os advogados propõem embargos de declaração os senhores copiam e colam o famigerado "na sentença/acórdão não tem nada de obscuro, omisso ou contraditório". Como isto, descumprem pela segunda vez o art. 489, § 1°, NCPC e seus incisos. Decisões nulas. Porém, para sorte dos senhores, nós advogados evitamos ter de pedir nulidade da decisão pois demoraria muito mais o já moroso processo e prejudicaria nossos clientes.

Então, vão trabalhar senhores... e cumpram as leis para depois criticar o ex magistrado.

Direito de opinião que deve ser respeitado

Marcelino Carvalho (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Aos que criticam os 7 (sete) magistrados que decidiram tornar pública sua visão pessoal sobre o caso, lembro que eles, enquanto cidadãos, têm o legítimo direito de expressar sua visão particular sobre qualquer tema que reputam ser de interesse geral ou não.
E não é porque muitos não comungam com a mesma percepção que tira deles o direito de expressar sua particular visão sobre o que se poderia concluir a partir de supostos diálogos que se alega teriam sido roubados do aplicativo Telegram usado por magistrados e membros do MPF.
Mesmo que os elementos alimentadores da presunção de veracidade sobre tais diálogos que se vê no The Intercept tenham sido obtidos por meio criminoso, não retira, de plano, o direito de eles presumirem verdadeiros os fatos sobre os quais opinam ou de acusarem pessoas a partir de fatos que não têm prova cabal que ocorreram ou que se deram exatamente na forma e conteúdo que se anuncia terem ocorrido.
Não nos esqueçamos que nos regimes democráticos o direito de livre manifestação de opinião não é restrito apenas aos casos em que os demais concordem com ela. Ao contrário! A pluralidade de visões e percepções pessoais sobre um mesmo fato (real ou presumido) - mesmo que as julguemos precipitadas, equivocadas ou não - sempre enriquece a democracia.

Comentar

Comentários encerrados em 18/07/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.