Consultor Jurídico

Notícias

Versão manipulada

Marcelo Odebrecht acusa ex-executivos da Braskem de mentir em delações

O empresário Marcelo Odebrecht acusou a Braskem, petroquímica da qual a Odebrecht é sócia, de mentir, omitir e manipular informações em seus depoimentos no acordos de delação e de leniência para proteger executivos que não queriam aparecer como criminosos.

Em e-mails enviados à Odebrecht em 2018, Marcelo Odebrecht reclama da manipulação de depoimentos de executivos da Braskem para atender a interesses particulares dos dirigentes
Reprodução

Em uma troca de e-mails com a empresa, Marcelo pede que a petroquímica faça uma retificação no acordo e conte que, ao contrário do afirmado pela Braskem, as doações ao PT nas eleições de 2010 e 2014 foram legais, e não caixa 2. Segundo Marcelo, em alguns casos houve o que ele chama de "caixa 3" — fornecedores doando em nome da empreiteira. Os pedidos de Marcelo à petroquímica foram divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo, que teve acesso aos e-mails trocados.

O empresário afirma que a petroquímica também omitiu o pagamento de propina para dirigentes do MDB para que a empresa conseguisse comprar energia mais barata da hidrelétrica Chesf.

O ex-presidente da Odebrecht afirma nas mensagens que Newton de Souza e o advogado Maurício Ferro, ex-dirigentes da Braskem, manipularam os emails da petroquímica para que eles não aparecessem como criminosos.

De acordo com Marcelo, Maurício Ferro, que é seu cunhado, colocou diversos e-mails, entre eles os que tratavam de ilegalidades, como correspondência entre advogado e cliente, que são protegidas por sigilo.

Segundo a reportagem, Marcelo afirmou a executivos da Odebrecht que não age por vingança, mas por acreditar que acordos têm de ser levados a sério e que as empresas não podem esconder nada quando assumem o compromisso de delatar.

Ele disse também que não se conforma de ter que cumprir uma pena de dez anos enquanto outros executivos que teriam cometidos crimes, e não aderiram ao acordo, não passaram um dia na prisão. Ele cita Souza e Ferro como integrantes desse grupo num dos emails.

Ao jornal Folha de S.Paulo, a Braskem afirmou que o teor dos acordos foi “resultado de investigações internas independentes realizadas por escritórios americanos de primeira linha" e que foram acompanhadas por seu conselho de administração, Ministério Público Federal, pelo Departamento de Justiça americano e pelo Securities and Exchange Commission (equivalente no Brasil à CVM, Comissão de Valores Mobiliários).

"Todos os fatos apurados nessas investigações, inclusive por meio dos relatos originais dos colaboradores pessoas físicas, foram incorporados aos acordos”, afirma.

O advogado de Newton de Souza, Newton Pavan, nega que seu cliente tenha cometido qualquer crime. Ele afirma ainda que não houve interferência de Souza em emails da Braskem. “Nosso cliente nunca arguiu o sigilo da relação advogado-cliente para  ocultar qualquer fato que o desabone, nem autorizou escritórios de advocacia a fazê-lo em seu nome.”

Revista Consultor Jurídico, 1 de julho de 2019, 13h30

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/07/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.