Consultor Jurídico

Colunas

Ambiente Jurídico

O rompimento da barragem de Brumadinho e a Justiça ambiental

Comentários de leitores

6 comentários

O Lamento dos Retardatários !

Pedro G. Franzon (Oficial da Aeronáutica)

O "princípio da precaução" NÃO é constitucional. Não figura em nenhuma linha da CF. Princípio nenhum vai salvar o ambiente destruído pela omissão dos agentes públicos responsáveis. Ibama, IEF-MG e MP mineiro todos deveriam, juntamente com as empresas poluidoras, serem multados. São CRIMINOSOS, também, por OMISSÃO.

Empresa-desejo

Flávio Marques (Advogado Autônomo)

Empresa-dejeto! O rompimento de nova barragem demonstra categoricamente que essa empresa(zinha) prefere gastar milhões por ano com mentirosas propagandas sobre responsabilidade ambiental do que investir pesadamente em segurança das barragens! Essa tragédia só serviu para demonstrar que a empresa-desejo (e não mais empresa vale do rio doce) conduz a sua responsabilidade ambiental pela desfaçatez e pelas ações mais vis! Agora, coloquem na bolsa de ny, empresa-desejo, para vender como ações, as mortes das pessoas, dos animais, das plantas, do solo, do patrimônio histórico... E quem sabe não conseguem ganhar dinheiro com isso também, já que a única coisa que lhes interessa é o dinheiro!
Ps.: nem ouso dizer o que deveria ser feito com o presidente e os diretores da empresa-dejeto, pois, senão, serei censurado!

3 instâncias administrativas, MPE e MPF

Voldyriov (Outros - Trabalhista)

Projetos encurtados por falta de provisonamento para a área ambiental é um velho conhecido desse ramo irresponsável e sem compliance.

O que me espanta é como os órgãos de prevenção são inertes em Minas Gerais... em outros estados as multas estaduais e federais chegam em dupla e em alta monta, por mero manejo próximo a córregos.

Alguém do poder público recebeu muito. Já passou da hora de descobrir quem.

Juízes do Brasil

Professor Edson (Professor)

Os juízes brasileiros sempre nessas tragédias ANUNCIADAS agem de uma única maneira, agora bloqueiam bilhões e vão transformar vários executivos e envolvidos em réus, quando a poeira baixar eles desbloqueiam o dinheiro, desqualificam as acusações negam indenizações e absolvem o resto, e as vítimas que se ferrem.

Lucro, lucro

ajaleu (Professor)

Empresas como a Vale, as grandes transnacionais perdem o controle de suas múltiplas subsidiárias e tem como único critério de avaliação, o lucro. Se a companhia dá lucro, pouco importa os problemas ocasionados à população. De tal forma isto está consagrado que nos EUA se instituiu uma legislação de defesa dos executivos responsáveis por estes desastres para que não sejam presos. Ou seja, o lucro é o que se deve relevar e preservar, vidas humanas e meio ambiente pouco importam.

Fiscalização em conselhos de entidades da sociedade civil

ajaleu (Professor)

O risco maior da privatização das companhias da mineração, das companhias de abastecimento de água, como a Cedae e Eletrobrás e congêneres está em deixar os mananciais de água potável que nos abastecem nas mãos do setor privado. Por isso, infelizmente, neste caso, a interferência das populações locais, com a formação conselhos comunitários que possam fiscalizar mais de perto as atividades das empresas é quase nula. Um bem essencial à vida de cada um de nós, e que por isso dependeria de uma interlocução maior da sociedade na hora de seu usufruto.

Comentar

Comentários encerrados em 3/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.