Consultor Jurídico

Notícias

Poder em disputa

Deputado se declara presidente da Venezuela e Brasil e EUA reconhecem

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, deputado Juan Guaidó, autoproclamado líder da oposição ao presidente Nicolás Maduro, se declarou presidente em exercício do país nesta quarta-feira (23/1). Logo depois da manifestação, numa praça em Caracas, os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceram a presidência de Guaidó.

Deputado Guaidó afirmou que militares que abandonarem Maduro serão anistiados. Agência Brasil

Guaidó fez o juramento comprometendo-se a assumir o poder interinamente e promover eleições gerais. Maduro foi recentemente reeleito, mas a oposição questiona a legitimidade do pleito, alegando fraude e corrupção. O juramento de Guaidó foi feito durante um protesto contra o governo Maduro em Caracas.

"Hoje, 23 de janeiro de 2019, em minha condição de presidente da Assembleia Nacional, ante deus todo-poderoso e a Venezuela, juro assumir formalmente as competências do Executivo nacional como presidente em exercício da Venezuela."

Antes do juramento, Guaidó reiterou a promessa de anistia aos militares que abandonarem Maduro e apelou para que fiquem “do lado do povo”. Segundo ele, é preciso reagir à “usurpação” do poder por parte do presidente da República, instaurar o governo de transição e eleições livres.

Bolsonaro no Twitter 
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, reconheceu Guaidó por meio de uma publicação no Twitter. O brasileiro afirma que a posse do deputado venezuelano segue a Constituição daquele país e foi avalizada pelo Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela. 

"O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social volte a Venezuela", afirmou Bolsonaro. 

Posicionamento de Trump
Em seu comunicado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirma que Guaidó é único representante do Estado escolhido em eleição e por isso o único legítimo. 

"Hoje, estou oficialmente reconhecendo o presidente da Assembléia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como o presidente interino da Venezuela. Em seu papel de único ramo legítimo do governo devidamente eleito pelo povo venezuelano, a Assembléia Nacional invocou a constituição do país para declarar Nicolas Maduro ilegítimo, e o cargo da presidência, portanto, vago. O povo da Venezuela se manifestou corajosamente contra Maduro e seu regime e exigiu a liberdade e o estado de direito ”, disse Trump. Com informações da Agência Brasil. 

Revista Consultor Jurídico, 23 de janeiro de 2019, 17h56

Comentários de leitores

1 comentário

Deputado?????? Quer escrever se informe

Gilmar Masini (Médico)

Acho que este informativo está também cheio de pessoal de esquerda, senão vejamos:
1. O Deputado tem nome : Juan Guaidó
2.É o presidente da Assembléia Constitucional = Congresso Nacional do Brasil https://www.tsf.pt/internacional/interior/venezuela-guaido-emergiu-como-o-principal-rosto-para-retirar-maduro-do-poder-10479463.html
3.Está tomando o poder constitucional de um usurpador de poder, que redigiu uma Constituição Fajuta para se manter eternamente no poder. E por sinal ela é tão grande que precisa de microscópio para ser lida. https://conteudo.imguol.com.br/c/noticias/2a/2017/08/09/22jul2017---o-presidente-venezuelano-nicolas-maduro-mostra-a-constituicao-do-pais-durante-entrevista-a-imprensa-estrangeira-1502303169301_615x300.jpg
4.Está fazendo aquilo que a maior parte do povo brasileiro iria fazer se continuasse a desmazela política que o PT implantou no Brasil às custas de fazer uma América do Sul COMUNISTA com Lula - Chavez (Maduro) e Morales.
5.Então acho que estávamos num mesmo barco e agora temos que suportar a imigração de todos os problemas de um governo corrupto e megalomaníaco, inclusive às custas do nosso dinheiro e do que tínhamos gasto tanto tempo e dinheiro para bem ou mal erradicar de nosso país doenças gravíssimas para o nosso povo e nossas crianças, retroagimos 25 anos.
Salve a democracia de centro a extrema direita e não mais direcionamento à esquerda.

Comentários encerrados em 31/01/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.