Consultor Jurídico

Mesmas garantias

Associação quer que substituto também vote para direção no TCE-AL

Uma associação de conselheiros dos tribunais de contas ingressou com ação no Supremo Tribunal Federal pedindo que a corte derrube trecho de uma lei de Alagoas que impede os conselheiros substitutos de participarem da eleição para a direção do Tribunal de Contas estadual.

Segundo a Associação Nacional dos Ministros e Conselheiros dos Tribunais de Contas (Audicom), essa restrição contraria a regra constitucional (artigo 73, parágrafo 4º) que assegura ao auditor, quando em substituição a ministro do Tribunal de Contas da União, as mesmas garantias e impedimentos do titular. Segundo a associação, o modelo previsto na Constituição Federal deve ser obrigatoriamente observado pelos demais entes da federação. 

Além disso, afirma que a equiparação de conselheiros titulares e substitutos tem como finalidade garantir a estes todos os instrumentos necessários ao efetivo exercício do cargo, e que impedir que o substituto participe da eleição para a direção da corte de contas representa afronta à isonomia e à dinâmica do tribunal, composto de sete conselheiros.

Por entender que não há urgência no caso que justifique a atuação no recesso judiciário, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, encaminhou o caso ao relator sorteado, ministro Gilmar Mendes. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 6.054




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de janeiro de 2019, 13h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/01/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.