Consultor Jurídico

Notícias

Fora de serviço

Juiz confirma normas da Anac que proíbem policiais de portarem armas em voos

Comentários de leitores

5 comentários

Sábia Decisão

Malagoli (Jornalista)

Sou a favor da posse e eventual porte de armas, se cumpridas as exigências legais e de segurança. No caso, o risco aos demais é evidente.

Correta

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Realmente dentro da aeronave não faz sentido o porte de arma, ao invés de querer paridade com a PF que atua dentro dos aeroportos a associação deveria ter solicitado alterações que diminuíssem a burocracia da entrega e do recebimento do armamento. Algumas vezes que viajei a serviço para outros Estados levei a arma desmuniciada e, nada teria alterado minha missão se a arma tivesse viajado na posse do Comandante da aeronave.

Concordo plenamente

Advogado José Walterler (Advogado Autônomo - Administrativa)

As alternativas de mobilidade em um "Teatro de Operações" para o exercício das atividads policiais - quando necessário, é essencial para se prever SUCESSO NA OPERAÇÃO sem oferecer riscos a terceirros. In casu, NÃO se vislumbra essa permissibilidade no interior de uma aeronave e, em caso de uma reação com o usode arma dee fogo, os RISCOS serão MAIORES do que a mera possibilidade de sucesso. Para evitar situações perigosas iguais essa, existe a disciplina DEFESA PESSOAL que hab ilita o policial a mobilizar seus oponentes nesses ambientes. Corretíssima a decisão da ANAC e do Juízo que a manteve.

Porte de arma em aeronaves.

Alvaro Lepri Ribeiro (Funcionário público)

O porte de arma em aeronaves, seguia um procedimento padrão.
Ao chegar ao aeroporto o policial se dirigia ao Departamento da Polícia Federal do aeroporto, onde apresentava a autorização para deslocamento com arma de fogo. Preenchido o formulário, era feito o desmuniciamento da arma do agente, devendo este embarcar com a arma desmuniciada, e, no caso de pistola semi-automática, sem o carregador. Este era o procedimento, que de acordo com a resolução da Anarc, deverá mudar e a arma ser entregue para que o comandante da aeronave, exerça cautela sobre ela até o desembarque.

Sensata

O IDEÓLOGO (Outros)

decisão. Os policiais hoje enfrentam, sem paridade de armas, os rebeldes primitivos, não recebem salário condizente com as elevadas funções estatais, e estão submetidos a elevado "stress" físico, psíquico e biológico.
Um policial irritado dentro de um avião é queda na certa.

Comentar

Comentários encerrados em 21/01/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.