Consultor Jurídico

Notícias

Plea bargain

Moro quer trazer ao Brasil sistema de acordos entre réu e MP dos EUA

Comentários de leitores

7 comentários

Moro e suas inconstitucionalidades

F.H (Estudante de Direito)

Diz o Batman brasileiro: "Propostas simples, mas eficazes, como, entre outros, a previsão de operações policiais disfarçadas para combater o crime, proibição de progressão de regime para membros de organizações criminosas armadas e o plea bargain, [...]". Santo Deus o Supremo já não consignou que proibir a progressão de regime é inconstitucional!? Leia a Súmula Vinculante 26 senhor Ministro. Quanto as "operações policiais disfarçadas", leia-se a legalização do flagrante forjado. E quanto o plea bargain, sintetiza-se em punição por acordo sem defesa, afinal os advogados são desnecessários na visão de Vossa Excelência. Realmente propostas simples eficazes e INCONSTITUCIONAIS.

Necessário...!

Eliel Karkles (Advogado Autônomo - Civil)

Este "acordo" já exite o Brasil, basta ver as transações do Juizado Especial Criminal. Bem que se poderia fazer chegar no processo penal como um todo. É uma questão simples, aceita-se o acordo ou não. Qual é o problema? Que venha a transação penal. Parabéns ao Min. Sergio Moro.

toda a Europa já usa os acordos penais

daniel (Outros - Administrativa)

toda a Europa já usa os acordos penais, embora com nomes diferentes como "pateggiamento" na Itália e "absprache" na Alemanha, e com outros nomes demais países. Não se trata de exclusividade norte-americana. Quem fala que é apenas anglo-saxão, é porque apenas vê filmes americanos em vez de ler livros europeus ou fazer cursos na Europa.

Proposta leviana e totalmente insana

Daniela A. Correia (Advogado Autônomo - Criminal)

Estamos no Brasil Ministro, se esse modelo não está dando certo em um país de primeiro mundo. Aqui será bem pior...

Moro e o "plea bargain"

Alexandre Augusto Amaral Martini (Advogado Autônomo)

O sistema penal atual do Brasil não reflete as necessidades da sociedade. Parabéns ao Ministro! A advocacia criminal não deve mais ser esse punho cerrado que atinge sequencial e diariamente a face do cidadão de bem. A Lei não merece passar por tantas interpretações vacilantes que lhe retiram a aplicabilidade. Lei penal deve sim punir. E com a plea bargain, a escolha de enfrentar a Lei será do agente. Mas a lei não será mais reduzida pelas interpretações esdrúxulas, como atualmente tem sido feito. Chega de chacota jurídica, chega de chincana interpretativa, chega de recursos procrastinatórios. Chega de usar a advocacia como fonte da liberdade da prática criminal. O advogado deve ser aliado da justiça e não seu inimigo. Da forma como está hoje a advocacia tem sido praticamente uma partícipe do crime. Não fosse o Poder Judiciário a sociedade atual teria que agradecer o vagabundo por lhe restringir algum direito. Nem vou comentar a quantidade de recursos, procrastinatórios, interpostos a favor do Lula. Fosse qualquer outri cidadão a mukta por litigância de má fé já teria sido imposta e paga... Eu sou advogado, não auxiliar do crime! Eu defendo a correta aplicação da lei, mas não o atentado interpretativo à lei, eu sou a favor da busca da verdade real!

Realidade

Marcos José Bernardes (Advogado Autônomo - Civil)

A julgar pelos comentários dos "especialistas" contra a medida do Moro, deve ser por isso que os EUA estão numa draga danada, com a economia estagnada, desemprego e índices de violência estratosféricos. Bom mesmo estamos nós por aqui, em uma guerra urbana diária, com rodízio de bandidos junto ao sistema carcerário. Seria cômico se não fosse trágico.

Já está tudo ocupado!

José R (Advogado Autônomo)

Pelo personagem amigo, tio sam já se acha instalado no planalto.
Aliás, se for ele “saído” prematuramente, tem o retorno à boston ou à virginia garantido. É a gratidão...

Comentar

Comentários encerrados em 13/01/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.