Consultor Jurídico

Troca de farpas

Juiz se declara suspeito por "animosidade pessoal" com promotor do caso

Retornar ao texto

Comentários de leitores

5 comentários

Bem feito.

Lauro Soares de Souza Neto, advogado em Marília-SP (Advogado Autônomo - Criminal)

Os Juízes, ao se omitirem sobre a atuação verdadeiramente ditatorial do Ministério Público, acharam que não seriam vítimas deles. Começou! Bem feito! Morramos de rir.

Recomendação???

Roberto Albatroz (Advogado Autônomo - Criminal)

A “recomendação” substitui a exceção de suspeição/impedimento?
Aliás, deixa ver se eu entendi: se o juiz não tivesse se dado por suspeito, figuraria como réu em ação civil pública por ato de improbidade administrativa?
Só no Brasil mesmo!

Fim da picada

olhovivo (Outros)

Só pode ser piada... e piada sem graça. O MP recomendar que o juiz se declare suspeito sob pena de improbidade administrativa. Pensei que a lei previa outro instrumento (exceção de suspeição) e pensei que somente atividade administrativa gerasse improbidade administrativa, agora fico sabendo que também a atividade jurisdicional gera improbidade administrativa. Que burrice jurídica a minha sô.

Art. 256

Hans Zimmer (Assessor Técnico)

Ao ler o texto ao princípio, achei prudente a posição do juiz, já que impossível manter o distanciamento necessário nessas condições.

Após ler o comentário de Levy Moicano, no entanto, convenço-me de que o caso comporta aplicação do art 256/CPP. É o caso de se lamentar a postura do MP, e possivelmente oficiar o CNMP.

Mas aí fica muito fácil...

Levy Moicano (Jornalista)

É só o Ministério Público agora editar uma nova Recomendação Administrativa, determinando que o novo magistrado atuando no processo condene os réus, sob pena de configurar ato de improbidade administrativa.
Sério isto? Ministério Público tá mandando no juiz agora?

Comentar

Comentários encerrados em 6/03/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.