Consultor Jurídico

Providências cabíveis

Toffoli pede para PGR investigar revelações de Gilmar Mendes sobre perseguição

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Mas é interessante!

Guilherme - Tributário (Advogado Autônomo - Tributária)

Mas é interessante que alguém acusa alguém e o acusado é que tem de provar que não praticou aquilo de que é acusado. Perversão imensa!...

Pau que bate em Chico JAMAIS baterá em Francisco...

Marco 65 (Industrial)

Só queria entender o motivo de tamanha preocupação do Ministro Gilmar Mendes em ser fiscalizado!
Afinal, ele é brasileiro como todos nós e está sujeito a fiscalizações...
Ou será que ele é exceção da regra???

A culpa é de quem?

S.Bernardelli (Funcionário público)

Como Toffoli pode pedir PARA O MP INVESTIGAR SOBRE A PERSEGUIÇÃO CONTRA GILMAR MENDES QUANDO QUEM O ANDA PERSEGUINDO É O PRÓPRIO MP E PF? Pra falar verdade nem na Raquel Dodge eu confio. Isso chega a ser ridículo, essas perseguições IRÁ CONTINUAR E PEGARAM O GILMAR PARA DAR EXEMPLO, ou seja, um aviso para OUTROS MINISTROS QUE SEGUEM A CONSTITUIÇÃO, AS LEIS E SÃO GARANTISTAS. Segundo o que já li Gilmar é um deles. Outra coisa, Gilmar diz que, “UM MINISTRO ESTÁ SENDO CHANTAGEADO PARA AJUDAR O MP”. SERÁ QUE É APENAS UM? A corte do STF não é a última ceia, mesmo porque só há onze elementos, enquanto na última ceia havia doze e, um traidor. Eu como sou como Santo Tomé, eu não acredito que haja apenas um chantageador ou entreguista. O que eu sei que o STF virou UM PERIGO ENTRE ELES TAMBÉM. Isso é muito ruim em todos os sentidos e nisso tudo A CULPA É DE QUEM? A culpa é dos PRÓPRIOS MINISTROS DO STF QUE DEIXARAM DE SER FIEIS A CONSTITUIÇÃO E AS LEIS.

Imparcialidade

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nesse caso, de acordo com o texto, os perseguidores do ministro Gilmar seriam do Ministério Público e da Polícia Federal. Nesse caso, com o próprio Ministério Público e a Polícia Federal vão investigar. Como fica a esquecida questão da isenção?

Comentar

Comentários encerrados em 1/03/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.