Consultor Jurídico

Justiça Digital

Microsoft fornecerá plataforma de processo eletrônico do TJ de São Paulo

Retornar ao texto

Comentários de leitores

16 comentários

Muito bom, Hilton Daniel Gil (Advogado Autônomo - Civil)

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

"Nuvem"...
De fato, aluguel de computador de terceiro...
Que fica sabe-se lá onde...

Com o custo do contrato...

Hilton Daniel Gil (Advogado Autônomo - Civil)

... me parece que é possível investir em um parque computacional com sobra de verba. Além disso, gastos com o eSAJ ou a Microsoft para quê? A Justiça Federal tem empregado com sucesso o eProc que é multiplataforma, desenvolvido aqui já sendo migrado para outras esferas da justiça estadual (v.g.) RS. Ademais, como foi citado recentemente na vedação do CNJ, será que não teve um único assessor jurídico do TJSP que levantou a questão da confidencialidade das informações contidas nos processos? Isso tudo ficará "na nuvem" que como é satirizado pelos profissionais de TI (nada mais é do que o computador de outra pessoa). Quem garante a forma como esse banco de dados será compilado e usado? Me assombra que a assessoria de TI do TJSP não tenha alertado sobre os diversos escândalos envolvendo o big data, por parte de empresas como Google, Facebook, Amazon. Ainda que não tenhamos detalhes técnicos para verificar mais profundamente essa questão de como se daria o armazenamento, criptografia, etc. Colocar informações sensíveis de milhares de pessoas e empresas na posse e armazenada sabe-se lá onde, é de uma ingenuidade incomensurável.

Mais complexo II

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nesse contexto, conforme eu disse em post anterior, a Microsoft tem centrado esforços em governos corruptos de países subdesenvolvidos, onde é fácil empurrar o que querem. O foco é a venda de serviços, não de software de caixinha. Veja-se que o CNJ acaba de suspender o contrato citado, como seria de se esperar (mas agora vem o assédio em cima dos conselheiros para mudar a decisão), o que seria motivo de grande número de prisões e exonerações caso tudo isso tivesse ocorrido em algum país desenvolvido. Nessa linha, para não fazermos papel de bobos mais uma vez (somos especialista nisso), devendo identificar o que vem a ser o termo pomposo "computação em nuvens". Neste momento, enquanto escrevo este comentário, estou em casa trabalhando, mas conectado ao meu servidor que fica no escritório. Lá, além do sistema operacional base, há também o Windows rodando em uma máquina virtual através do qemu, que também pode ser acessado virtualmente daqui de casa. Eu lhe pergunto: estou trabalhando com "computação em nuvens"? Veja-se como podemos nos seduzir facilmente. O TJSP já utilizava o que o pessoal chama de "computação em nuvens" há anos. Mas para dar um ar de novidade, eles dizem que "agora" vão se utilizar da tecnologia, mas o que irão fazer é somente deslocar o sistema dos servidores do próprio Tribunal para outra sala (ou as vezes até a mesma), no data center da Microsoft, que por sua vez talvez até contrate outra empresa nacional para manter as instalações e equipamentos. Nessa, a Microsoft fatura alguns bilhões, e ainda conta com a oportunidade de vincular o sistema a alguns software proprietários dela, primeiro fornecido a preço baixo ou gratuitamente, para depois "enfiar a faca" devido à dependência criada e dificuldade para migração.

Mais complexo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Na verdade, prezado Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo), a questão a meu ver é um pouco mais complexa. A forma de se vender software mudou radicalmente nos últimos anos. Eu lembro que quando comecei a advogar fiz um levantamento para adquirir licenças da Microsoft para os computadores da escritório. Lembro que as licenças eram mais caras do que o hardware, quando optei então por software livre. Depois de utilizar alguns "distros, há cerca de 11 anos uso o Arch Linux em todos os computadores, e durante muitos anos sequer ouvir falar sobre o Windows ou as coisas da Microsoft. Nesse meio tempo, os smartphones se popularizaram, mas a Microsoft naquela época não conseguir vender seu sistema operacional para esse novo nicho. O Google investiu pesado no Android, que usa o kernel do Linux, e tomou a dianteira. Há alguns anos, porém, fui obrigado a adquirir uma licença do Windows devido aos sistemas de processo eletrônico mal implementado pelos Tribunais, e também devido a um scanner que foi vendido com suporte a Linux mas na prática não funcionou (entrei com a ação judicial e ganhei indenização). A realidade já era bem outra, pois o preço que paguei pela licença do Windows era pouco mais do que algumas dúzias de bananas. Muito embora as distros Linux nunca se popularizaram no desktop, fizeram pressão para uma queda drástica no custo da licença do Windows, pois se os preços de outrora fossem mantidos, todos iam migrar para o Linux (veja-se a vitória fácil do Android). O que dizem os especialistas da área é que a época de ganhar dinheiro com software de caixinha acabou. Agora, só se ganha dinheiro vendendo serviços, que por sua vez podem se utilizar de software livre. A própria Microsoft já vem se aproximando do software livre, liberando licenças e tudo o mais.

Tocou no ponto

deffarias (Assessor Técnico)

Você foi ao ponto, Eduardo. O foco é reduzir custo de data center. Dá pra rodar o esaj na nuvem, ou ele precisa de servidores dedicados como é hoje? Se houver incompatibilidade, a saída é elaborar um software compatível com a plataforma, como parece ter sido a opção adotada. Não tenho acesso aos dados, mas tem ressalvas quanto ao acerto da opção que fizeram.

Caro Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Tudo o que você falou, é observado na prática. Lendo os comentários dodeffarias (Assessor Técnico) fui buscar dados. Ambos estão parcialmente corretos. A Microsoft ficou refém da pirataria. E aí? Hoje, poucos computadores novos têm compartimento para CDs, portas USB (exceto para conectar periféricos) estão sendo eliminadas. Programas (Oficce, por exemplo) estão sendo vendidos por prazo, porque expirado o período de assinatura da "nuvem", acaba a possibilidade de uso. A Microsoft está mesmo lucrando é com "nuvem".
Dias atrás vi documentário sobre Steve Jobs e Bill Gates. Quem realmente produzia era o primeiro. O segundo cresceu quando "escravizou" usuários.
O E-Saj está pronto. Por que comprar outro programa? Bastaria a "nuvem"....???
Ou é "venda casada"?

Desculpa

deffarias (Assessor Técnico)

Acho que fui indevidamente agressivo na minha última resposta, me desculpe.

Conhecer antes de opinar

deffarias (Assessor Técnico)

Pela sua resposta, Marcos Pintar, você demonstra estar no mínimo uns 10 anos defasado, em termos de conhecimento sobre a área. A sabedoria recomenda suspender o juízo sobre algo que não dominamos, a empáfia ignorante é um defeito lamentável.

1 bilhão na conta do contribuinte

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Uma dúvida: como fica a questão do pje do CNJ, que está pronto e não exige custos?

Observações

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Como simples advogado de interior, prezado deffarias (Assessor Técnico), eu não tenho como contestar os posicionamentos da Microsoft, com seus bilhões de dólares gastos em publicidade, em ajuda de custos, patrocínios, etc., etc., e milhares de "profissionais" falando em nome dela disfarçados em uma suposta "isenção". Apenas observo. Windows: vendido a preço de banana atualmente, não dá dinheiro nem pra camelô. Windows Phone: maior furada da história, quase quebrou a Nokia devido ao contrato de exclusividade; Pacote Office: vendido somente para governos corruptos devido à gratuidade do pacote Libreoffice, ou para bajuladores da própria Microsoft. Navegadores de internet: em queda permanente, apesar de instalador por padrão no Windows. Buscadores: afinal, quem uma o Bing? Mas, como não sou da área, talvez o senhor esteja mesmo com a razão.

PÉSSIMA IDEIA - Será alguém vai lucrar com isso no TJ?

Hugo Tavares (Advogado Autônomo)

O eSAJ funciona MUITO BEM atualmente e ainda tem melhorado (olhem o TJSC como já está na versão atualizada). Criticou-se no passado que o SAJ custou milhões mas foi desenvolvido do zero com milhares de transtornos para tornar eletrônicos os procedimentos, treinar servidores, etc.
Agora, sem mais nem menos, sem qualquer motivo, sem necessidade ou demanda alguma, a presidência quer gastar UM BILHÃO pra mudar o que está funcionando? Qual é o tal custo de infra atual? Qual será o custo posterior? "hospedar na nuvem" demanda custos de hospedagem, manutenção e tráfego, não basta só a implantação.
A OAB/SP e o CNJ precisam barrar isso!!

Microsoft perdendo receita?

deffarias (Assessor Técnico)

Marcos Alves Pintar, você não sabe o que está falando quanto à Microsoft estar perdendo receita e mercado. Procure se informar pra não dar palpite errado. A plataforma de nuvem deles é um dos melhores do mercado, ao lado do da Amazon e Google. A estratégia é correta, as grandes corporações estão migrando pra nuvem. O grande problema que eu vejo é a contratação de sistema proprietário que não dê pra migrar se necessário.

Sou Contra !

BASILIO (Advogado Sócio de Escritório)

O E-Saj é sem dúvida o melhor sistema do país.
Quem garante que a Microsoft não vai vender os dados que ela vai armazenar ?

Fiscalização do fiscal

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Quem fiscaliza o fiscal? O TJSP é conhecido pela completa ausência de fundamentação (CPC, art. 489, § 1.º e incisos) em boa parte de suas decisões, e também pelo desrespeito à jurisprudência dos tribunais superiores. A mesma Corte, conforme sabemos, entende que nenhum juiz pode ser processado por suas ações na função, mesmo quando dolosas. O TJSP tem até advogado para defender os juízes que são processados por seus atos lesivos, sendo assim totalmente parcial nessa área. Qualquer desembargador do TJSP, assim, sem que a vítima tenha algo a fazer, pode prejudicar gravemente qualquer pessoa, surgindo assim a pergunta: quem eventualmente contestará um contrato sem licitação firmado entre o TJSP e a Microsoft?

Está funcionando. Se está funcionando...

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

É o sistema que melhor funciona...
Vão mexer para quê?
E a Microsoft sendo remunerada para adquirir a expertise que vinculará a todos, futuramente, mediante remuneração...
E pode esperar: a A.I não será contrapartida. Deverá ser adquirida.

Nicho de mercado

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nos últimos ano a Microsoft vem perdendo competitividade e receitas em praticamente todas as áreas que atua, vez que as empresas concorrentes conseguem entregar produtos melhores baseados em software livre, por uma fração do preço. Outras empresas e órgãos públicos, por sua vez, passaram a desenvolver seus próprios sistemas também utilizando software livre, reduzindo drasticamente os custos. Assim, a Empresa vem centrando esforços buscando um nicho de mercado em órgãos públicos do terceiro mundo, na qual é relativamente fácil firmar contratos milionários (ou bilionários) através das brechas que dão margem à corrupção. A estratégia é quase sempre a mesma. Primeiro se oferece emprego a profissionais chaves, com ligações com o pessoal técnico dos próprios órgãos públicos. Parte do salário pagos aos funcionários da própria Microsoft, pago em valores elevados sem despertar suspeita, é utilizado para pagar propina ao pessoal que está dentro do dos órgãos. A partir daí, através de relações promíscuas com o pessoal da Microsoft, o pessoal técnico de dentro do órgão público cria a demanda por um sistema que, de acordo com as exigências impostas de forma proposital, somente a Microsoft pode fornecer, o que gera dispensa de licitações e outros expedientes visando se burlar a frágil legislação dos países subdesenvolvidos. Tudo isso é apresentado para o povo, que geralmente é atrasado nos países subdesenvolvidos e não compreende a problemática, como sendo inovação, modernização, etc., muito embora seja a velha e conhecida corrupção mostrando-se de forma plena.

Comentar

Comentários encerrados em 28/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.