Consultor Jurídico

Comentários de leitores

8 comentários

Indo além

6345 (Advogado Autônomo)

Todos os elogios ao jurista articulista, por este e por tantos outros tantos textos significativos. E muito comum as pessoas atuarem estritamente, no limite do seu dever, e isso é muito pouco.

Eduardo. Adv. (advogado autônomo)

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O ilustre é um jovem advogado com velhas ideias ou um velho advogado com muito sucesso?

Amaralsantista (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Com toda a educação...
Não sei se você se esforçou para compreender tudo. Certamente não compreendeu.
A sua postura claramente submissa (e ser submisso nada tem a ver com simpatia, educação, humildade) somente alimenta críticas de "macacos velhos que não tiveram nenhum sucesso", como novato balconista de fórum denominado "IDEÓLOGO". (vide abaixo)
Bajulador será bajulador.
E desde o estágio constato que advogado "muito simpático" em balcão de fórum dá "jeitinho", mas não colabora para o aprimoramento das instituições, seja a sua ou a do órgão encarregado de prestar jurisdição. Dá "jeitinho", mas não é respeitado.
P.S: espero que os próximos artigos sejam originais e não repetição de outros já escritos, variações de um mesmo tema.

Foi além!

Otávio Augusto Tirello Pulga (Advogado Autônomo)

Obrigado pelo texto!

Repassando experiência

Amaralsantista (Advogado Autônomo - Trabalhista)

O excelente articulista esta semana tenta passar um pouco de sua larga experiência no campo jurídico. Mostra de maneira didática, algumas formas de um advogado, hoje, se destacar no universo jurídico. Penso que qualquer pessoa almeje um dia na vida, é ter sucesso. Isso é o que normalmente acontece. Entretanto nem sempre isso acontece. O Provessor Vladimir, apenas deu algumas orientações nesse sentido, com o intuito de ajudar, foi o que eu entendi perfeitamente. E digo mais, respondendo ao colega Eduardo que me antecedeu, "pode sim" , é só não encostar o corpo, ter um pouco de ambição, estudar, ser criativo, sociável, boa gente, ser amigo das pessoas, cumprimentar os funcionários das varas, dos cartórios, respeitar os colegas de profissão, enfim, não perder seu tempo precioso em falar mal daqueles que querem dar um pouco mais de si. Procure desabafar praticando um esporte, ajudando em um asilo, orfanato, ou qualquer atividade e se sinta útil à você e a sociedade. Olha só quantas coisas que você "pode". E pra finalizar, parabéns ao articulista, renovando meus votos para que continue dando dicas importantes, principalmente os iniciantes nessa longa jornada, como também pros "macacos velhos" que não tiveram nenhum sucesso, lamento !!!!

A advocacia

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O advogado, aponta Roberto A. R. de Aguiar, "Vive contradições e paradoxos que dificultam o enfrentamento profissional do mundo. Grande parte dos advogados é pobre, mas tem de viver segundo padrões materiais e sociais consentâneos com a imagem que a sociedade tem deles. Esse problema pode gerar vidas difíceis e tensas, sempre esperando que uma grande causa venha iluminar suas vidas e decretar sua aposentadoria gloriosa. Os profissionais que têm esse entendimento encastelam-se no individualismo, até mesmo para esconder suas carências e não participar dos movimentos reivindicatórios e das lutas por novos direitos da classe a que pertencem. Conseguem com isso implementar uma dupla alienação: a do desconhecimento do Direito vivo e a da não participação na consciência e nas lutas de sua classe. É um exemplo de ausência de "consciência para si" (in "A Crise da Advocacia no Brasil, p. 140).

Como pode?!

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

A cada domingo, mesmo já sabendo que no fundo uma coluna é repetição, mescla ou reafirmação de tantas outras já divulgadas, sou apresentado pela capa do Conjur às lições sobre "sucesso" nas "profissões jurídicas";
e notas sobre "empreendedorismo"!
Neste artigo, vejo uma crítica à estratégia da estabilidade. É contraditório, é incoerente!!
Por quantos anos o articulista jogou-se na iniciativa efetivamente privada, ao risco do insucesso financeiro?! Quantos anos foi advogado ou comerciante, dependendo da interpretação do julgador ou do humor do consumidor?!
Sempre (até hoje!, basta ver no currículo de rodapé), sempre vinculado ao serviço público. Louvável, óbvio! Mas não pode ensinar sobre aquilo que que talvez nunca tenha experimentado.
Um jurista, ex-dono de cursinho, ex-deputado, ex-promotor, ex-juiz e agora deputado federal por São Paulo poder falar em profissões (pluralidade de profissão) jurídicas. Quem só se dedicou a uma não pode falar de outras... Como dar "sugestão" sobre empreendorismo na Advocacia?!
Nesta semana vi no YouTube um jovem advogado criminalista falando sobre o início da sua Advocacia. Ele largou o cargo de Defensor e foi aventurar-se na Advocacia privada. Sentiu e passou por tudo aquilo que um jovem Advogado sem cargo experimenta como erro. Aquilo foi experiência crível, da qual são extraídas lições compartilháveis para os novatos da Advocacia.
Meu reconhecimento à autoridade e ao sucesso financeiro e social do articulista. Mas qualquer concursado de carreiras "top" consegue a estabilidade (incoerentemente criticada) e bons vencimentos para aproveitar viagens de aventura, bem atendido na classe executiva de cias. aéreas. Aliás, o caminho mais curto. Advocacia é plantio. Se frondosa a àrvore, mais demorará para frutificar.

Faltou um detalhe

Voluntária (Administrador)

Parabéns ao autor pelo artigo, muito bom em tempos de individualismo. O que faltou dizer é quem mais dá mais recebe, ou seja, que faz pelo outro desinteressadamente acaba sendo recompensado.

Comentar

Comentários encerrados em 25/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.