Consultor Jurídico

Propagação de notícias falsas

OAB pede que PF investigue quem atacou Felipe Santa Cruz no Facebook

Retornar ao texto

Comentários de leitores

5 comentários

Tempos complicados, realmente

frank_rj (Outro)

Difícil entender os comentários. O texto é claro em dizer que o cara está sendo vítima de notícias falsas.
Neste ambiente dirigido ao público jurídico, torna-se realmente complicado, sob qualquer ângulo, defender o direito de crítica através de fake news.

Despreparo

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O despreparo do Senhor Felipe Santa Cruz para aceitar críticas, é o mesmo que tem para exercer a Presidência da OAB Federal.
Vade retro F. Santa Cruz.

AP - Ação Popular

Eududu (Advogado Autônomo)

A Ação Popular era uma das várias organizações subversivo-terroristas que atuavam movimento estudantil durante o regime militar.

Em 25 de julho de 1966, ocorreu um atentado terrorista no aeroporto de Guararapes, em Recife, no qual morreram o jornalista Édson Régis de Carvalho e o almirante Nelson Gomes Fernandes, além de ferir outras 13 pessoas, como o guarda civil Sebastião Tomaz de Aquino, que perdeu uma perna, e o tenente coronel Sylvio Ferreira da Silva, que perdeu os dedos de uma das mãos.

O alvo do atentado era Costa e Silva, candidato da Aliança Renovadora Nacional (ARENA) à Presidência da República, e sua comitiva. Uma mala com a bomba foi deixada no saguão do aeroporto.

Segundo registros históricos o autor do atentado era integrante da AP:

“Membro da comissão militar e dirigente nacional da AP, Alípio de Freitas encontravas-se em Recife em meados de 1966, quando se anunciou a visita do general Costa e Silva, em campanha farsesca de candidato presidencial pelo partido governista Aliança Renovadora Nacional ( ARENA). Por conta própria Alípio decidiu promover uma ação realista dos ensinamentos sobre a técnica de atentados.”...

"Em entrevista concedida a Sérgio Buarque de Gusmão e editada pelo Jornal da República, logo depois da anistia de 1979, Jair Ferreira de Sá revelou a autoria do atentado do Aeroporto de Guararapes por militantes da AP.
Entrevista posterior, ao semanário Em Tempo, referiu-se a Raimundo como um dos participantes da ação. Certamente, tratava-se de Raimundo Gonçalves Figueiredo, que se transferiu para a VAR-Palmares (onde usava o nome de guerra Chico) e morreu, a vinte e sete de abril de 1971, num tiroteio com policiais do Recife.”

(Gorender, Jacob. Combate nas Trevas. 5ª edição. São Paulo – Ática, 1998)

Assento Frio

Kelvin de Medeiros (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Sequer completou o primeiro mês como presidente do Conselho Federal e já está tentando utilizar o prestígio remanescente da Ordem para calar quem lhe critica?

Tempos complicados.

Honrando a história da Instituição

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Entre os grandes homens, enquanto provisoriamente na condição de figuras públicas, há unanimidade em se considerar as manifestações populares como algo legítimo, ainda que grosseiras, falsas ou até agressivas.

Comentar

Comentários encerrados em 22/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.