Consultor Jurídico

Notícias

Preocupação do mercado

Para OABs, piso salarial deve ser definido de acordo com realidade estadual

Por 

A definição do piso salarial para os advogados deve considerar a realidade regional onde o profissional atua. É como entendem os presidentes das seccionais das OABs, eleitos para o triênio 2019-2021.

Presidentes de OABs apontam que definição do piso salarial deve levar em conta necessidades básicas dos profissionais

Ouvidos pela ConJur desde o dia 11 de janeiro, em uma série de entrevistas, os presidentes apontaram que há mudanças significativas que variam de acordo com a economia do estado e influenciam no valor a ser fixado. Apenas as seccionais do Amapá, Ceará, Maranhão, Minas Gerais e Tocantins não responderam às questões da reportagem.

O presidente da OAB da Paraíba, Paulo Maia, por exemplo, frisou que piso remuneratório deve contemplar as necessidades essenciais para subsistência do profissional "com a dignidade da profissão". "Não é algo fácil. Muitos estados possuem lei própria que define o valor do piso salarial do advogado", afirmou. Ricardo Breier, presidente da OAB gaúcha, foi incisivo ao dizer que não adianta fixar um piso "simbólico", sem a certeza de que será implementado. 

A preocupação dos presidentes com os valores esbarra em outro ponto comum: muita gente no mercado de trabalho. "Infelizmente estamos vivendo uma realidade de excesso de oferta e a competição tem permitido o aviltamento para níveis absolutamente indignos", disse o presidente da OAB-PR, Cássio Telles.

Direito de defesa
O direito de defesa também foi apontado pelos representantes de classe como foco de atenção. Questionados se a garantia está enfraquecida, muitos se dividiram: de um lado alguns apontaram que sua aplicação está comprometida seja pela estrutura judiciária ou pela "cultura de condenação antecipada", enquanto outros disseram que há uma criminalização com objetivo de fragilizar as prerrogativas da advocacia.

O presidente da seccional de Santa Catarina, Rafael Horn, resumiu que o "sentimento geral da sociedade de insegurança, de falta de confiança nas instituições e na classe política, intensificado pelas redes sociais, acabou fazendo com que boa parte da opinião pública passasse a apoiar medidas punitivistas, sem atentar para a importância do direito de defesa". 

Sem fiscalização externa
Outra questão unânime entre as OABs trata da decisão do Tribunal de Contas da União em fiscalizar as contas da entidade a partir de 2021. Todos os presidentes veem com ressalva a medida, que pode impactar na independência do órgão. Eles também argumentaram que a OAB não é um órgão público e seus recursos não têm origem tributária.

"Não dá para admitir que o poder público faça interferência nas atividades da advocacia. Encaro isso como uma tentativa de fazer com que o poder público tenha ingerência no nosso órgão de classe", criticou o presidente da seccional paulista, Caio Augusto.

Neste sentido, muitos presidentes apontaram para o entendimento do Supremo Tribunal Federal na ADI 3026/DF. Na ocasião, foi suscitado que a OAB não integra a administração pública e, por isso, não pode ser submetida ao TCU.

A decisão também foi recebida como um alerta sobre a importância de adotar estratégias que promovam maior transparência na gestão dos recursos. "Isso deve ser feito por meio de um portal de transparência que tenha disponíveis todos os dados de cada processo de contratação pela instituição, de um plano de compliance que organize a casa, bem como medidas eficazes de controle de custos e adequação de gastos", apontou Délio Lins e Silva, presidente da OAB-DF.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 13 de fevereiro de 2019, 9h00

Comentários de leitores

2 comentários

Perigoso

O IDEÓLOGO (Outros)

É perigoso o piso por Estado, porque haverá, com certeza, muitos estudantes de Direito que se formarão em um Estado e vão trabalhar em outro.

TCU determina abrir caixa preta da OAB

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista . Se Karl Marx fosse nosso contemporâneo, a sua célebre frase seria:” Sem sombra de dúvida, a vontade da OAB, consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o caráter desses limites. Ufa! Com alegria tomei conhecimento do ACÓRDÃO Nº 2573/2018 que o Egrégio TCU, determinou OAB, prestar contas junto ao TCU. Tudo isso a exemplo dos demais Conselhos de Fiscalização da Profissão. Qual a razão do “jus isperniandi” (esperneio ) da OAB? Qual o medo da OAB prestar contas ao TCU? Como jurista, estou convencido que OAB a exemplo dos demais conselhos de fiscalização de profissões tem a obrigação sob o pálio da Constituição, prestar contas ao TCU, os quais também arrecadam anuidades e taxas de seus filiados. Tudo isso em sintonia ao parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal, “ in-verbis” “Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza pecuniária". Estima que nos últimos vinte e dois nos só OAB, abocanhou extorquindo com altas taxas de inscrições e reprovação em massa, cerca de quase R$ 1,0 bilhão de reais, sem nenhuma transparência, sem nenhum retorno social e sem prestar contas ao TCU. Não existe no nosso ordenamento jurídico nenhuma lei aprovada pelo Congresso Nacional dispondo que OAB é entidade sui-generis? “Data-Vênia “ o Egrégio STF não tem poder de legislar. É notório que OAB gosta de meter o bedelho em tudo. Respeite o art. 37 CF, respeite o primado do trabalho e a dignidade da pessoa humana, OAB.

Comentários encerrados em 21/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.