Consultor Jurídico

Entrevistas

Convívio social

Direito de defesa não pretende proteger o criminoso, mas a coletividade

Comentários de leitores

16 comentários

O conluio

O IDEÓLOGO (Outros)

Na Alemanha Nazista o poder daquele cidadão de bigodinho foi ampliado pelos empresários.
Aqui, no Brasil, o povo se "esfalfa" para sobreviver: ausência de saúde, corrupção estatal, da qual a família Bolsonaro não conseguiu se desvencilhar, um presidente da OAB Federal que quer o "fim da Operação Lava Jato", e associações espúrias no mundo jurídico entre o cliente e o profissional.
Direito de Defesa é contra a sociedade e a favor do meliante. Não precisa de pós-graduação para saber isto. Ou precisa?

Presidente Bolsonaro ajude-nos abolir trab análogo escravos

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista
Quero saudar o nosso Presidente da República, Jair Bolsonaro, por ter saído em defesa da libertação de cerca de 300 mil cativos ou escravos contemporâneos da OAB, devidamente qualificados pelo Estado (MEC), jogados ao banimento sem direito ao primado do trabalho, num verdadeiro desrespeito à Constituição e a dignidade da pessoa humana. Antes da promulgação da Lei Áurea, era legal escravizar e tratar as pessoas como coisa, para delas tirar proveito econômico. A história se repete: Refiro-me a excrescência do pernicioso famigerado caça-níqueis exame da OAB, cuja única preocupação é bolso de advogados qualificados pelo Estado (MEC), jogados ao banimento, renegando pessoas a coisas. Presidente Bolsonaro mire-se na LEI Nº 13.270/2016 (...) “Art. 6º A denominação ‘médico’ é privativa do graduado em curso superior de Medicina reconhecido e deverá constar obrigatoriamente dos diplomas emitidos por instituições de educação superior credenciadas na forma do art. 46 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (LDB), vedada a denominação ‘bacharel em Medicina’.”
Destarte rogo tratamento igualitário para aos milhares de bacharéis em direito ( cativos das OAB), e proponho a edição de uma Medida Provisória, a saber: ( ...)
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição (...)
Art. 1º o art. 3º da Lei nº 8.906 de 04 de julho de 1994, passa a vigorar com a seguinte redação: “Art.3º A denominação ‘advogado” é privativa do graduado em curso superior de direito reconhecido e deverá constar obrigatoriamente dos diplomas emitidos por instituições de educação superior credenciadas na forma do art. 46 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (LDB), vedada a denominação de bacharel em direito...

La ley es como la serpiente; solo pica a los descalzos

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos escritor e jurista e abolicionista contemporâneo. Antes da abolição da escravidão, era legal escravizar, tratar as pessoas como coisas, para delas tirarem proveitos econômicos. Refiro-me ao pernicioso, famigerado caça-níqueis exame da OAB. Criam-se dificuldades para colher facilidades. Triturando sonhos e diplomas gerando fome, desemprego, depressão, síndrome do pânico e doenças psicossociais. Uma chaga social q envergonha BR. Não tenho interesse em filiar em nenhuma entidade que desrespeita o primado do trab, a dignidade da pessoa humana, enfim que pratica trabalho análogo a de escravos. Qual o real faturamento do jabuti de ouro da OAB, indústria dos cursinhos, etc? O que justifica taxa do concursos p/ advogado da OAB-DF, apenas R$ 75, taxa do pernicioso, caça-níqueis exame da OAB R$ 260? (Um assalto ao bolso). Se Karl Marx fosse nosso contemporâneo, a sua célebre frase seria: Sem sombra de dúvida, a vontade da OAB, consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o caráter desses limites. Todo mundo sabe como funciona o enlameado Congresso Nacional. Assim fica difícil extirpar esse câncer a máquina de triturar sonhos e diplomas. Trabalho análogo à condição de escravo. Segundo o egrégio STF: " A escravidão moderna” é mais sutil do que a do século XIX e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos.(..) A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo". Fim do trabalho análogo a de escravos, OAB...

O outro significado de OAB

Almanakut Brasil (Jornalista)

Essa Ordem precisa é eliminar o lado que soa como Organização dos Amigos dos Bandidos!

Depois do Regime Militar, o brando, foi uma das que se uniu ao golpe do palanque das Diretas Já, onde só a CORJA passou a sentir o gostinho da qualidade de vida escandinava, enquanto o povo paga tudo.

CPI Lava Toga só sai com muita pressão popular - (Alerta Total - 09/02/2019)

O Brasil está em ritmo de mudar ou mudar. Se os membros da máquina Judiciário não entenderem tal necessidade, vão acabar na máquina de lavar da História. A mesma tendência vale para a cúpula da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A guerra de todos conta todos tende a não poupar ninguém que esteja muito errado ou em conluio descarado com o Mecanismo do Crime Organizado...

http://www.alertatotal.net/2019/02/cpi-lava-toga-so-sai-com-muita-pressao.html

Mais do mesmo

Flavio Mansur (Advogado Autônomo)

Então as garantias existem para defender o cidadão contra o estado? E o que é cidadão, presidente? O civil que respeita as regras - inclusive de garantias, como da vida - ou o civil que mata e estupra e não respeita regra alguma além da advinda da força bruta?

Olhem os médicos!

Marco Martins (Outros - Administrativa)

Dificilmente se verá um médico maldizendo outro colega de profissão, sempre têm reservas ao fazer críticas a outrem.

Todavia, na advocacia, os advogados criminalistas são execrados até pelos seus pares... Assim fica difícil.

Pública ou privada...?

Rogério Brodbeck (Advogado Autônomo - Civil)

A OAB se acha privada e por isso não admite fiscalização nas suas contas. E se acha "serviço público" para se posicionar em defesa da sociedade... Todos os Conselhos Profissionais são autarquias e sujeitas às fiscalização, a Ordem é a única infensa a isso...

A tal da imparcialidade.

Daniele C. Pereira (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Corretíssimo cobrar das autoridades que julgam a tal da imparcialidade e isenção. Quem julga não tem lados. Mas a OAB, através de seus "representantes" afirmar que defende os interesses dos cidadãos...gostaria de saber que tipo de cidadão, se a classe da advocacia que trabalha todo dia para tentar se sustentar com um punhado de honorários, ou os grandes clientes dos escritórios poderosos dos nossos "representantes". Pois é certo, como o colega acima falou, que a maioria da sociedade tem uma ideia diferente acerca do Direito de Defesa. A classe trabalhadora, o cidadão de bem, o pai, a mãe, estão cansados de verem seus parentes todos os dias ameaçados pelos grandes criminosos, os tais "clientes". Por fim, expresso aqui minhas pautas:
- Eleição direta: queremos representantes que espelhem a posição do advogado verdadeiramente imparcial;
-Transparência com a participação do TCU: quero saber exatamente pra onde vão minhas anuidades.
- Representantes licenciados de seus escritórios enquanto atuarem em cargos do Conselho.

Finalidade primordial

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

Excelente retórica, mas quem sabe a Ordem, sobretudo através do Conselho Federal, retoma sua finalidade primordial, afastando-se da militância política?

... pelo que falaram, não ...

Luiz Eduardo Osse (Outros)

... percebi pontos em comum, mas também não percebi diferenças entre esse novo presidente da OAB-SP, e o boçal do presidente da OAB ... se forem farinha do mesmo saco, os advogados em geral estarão perdidinhos ...

Primeiro vamos olhar para dentro

Rogemon (Advogado Assalariado - Financeiro)

Muito justa a posição do Presidente. Todavia, é preciso reconhecer que dentro da Casa a regra deve valer também. Há péssimos profissionais do Direito, não só despreparados, mas também, o que é pior, desonestos. Para estes últimos a lei deve ser aplicada com o máximo rigor. A desonestidade de alguns afeta a imagem de todos os advogados. Por isso, há que se olhar para as Comissões de Ética que, não raro, proferem decisões grosseiramente corporativistas, que não visam nada além de proteger amigos dos amigos, evitar conflitos com colegas, enfim, encerrar o caso com inegáveis prejuízos aos clientes lesados por depositarem no profissional fé e esperança. Não há que se ter parcimônia ou complacência com aqueles que se dizem advogados mas que agem feito gatunos, se apropriam de recursos dos clientes, recebem honorários para nada fazer, ou coisas piores que não vêm ao caso aqui. A OAB precisa recuperar a estima que sempre teve da população. Os advogados precisam a ocupar a posição de "auxiliares da justiça" e a OAB deve dar o exemplo maior de que a lei existe para ser cumprida. A OAB é a Casa dos Advogados, daqueles que lembram e cumprem o juramento.

Parabéns ao novo presidente

Mauricio1975 (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Excelentes respostas. A OAB não pode ser usada para fins político-partidários, como querem alguns. A defesa do contraditório e da ampla defesa e das prerrogativas dos advogados deve ser a bandeira. Caso contrário, a sociedade vai nos confundir com esse ou aquele partido e então perderemos a legitimidade. Quem quiser fazer política que se filie a um partido e vá ser feliz.

não existe confusão!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Um idoso e seu neto (uma criança), moradores na zona rural, foram para cidade vender um burro. Passando por um grupo de pessoas foram criticados por estarem os dois montados no burro. Desce o idoso. Mais a frente, outro grupo de pessoas critica o idoso pelo fato do neto estar andando e ele montado no burro. Desce o idoso e monta o neto. Mais a frente, outro grupo de pessoas critica o neto pelo fato do idoso estar andando e ele montada no burro. Continuam a caminhada sem montar no burro. Mais a frente, outro grupo de pessoas critica o idoso e o neto pelo fato de estarem os dois andando ao invés de montados no burro.
No contexto atual não existe confusão. A maioria da sociedade entende que o Direito de Defesa protege, e muito, o criminoso. E tal entendimento da sociedade decorre, em especial, do fato de advogados fazerem manifestações públicas querendo que se acredite que seus clientes são inocentes.

Ai que lorota boa!

Otacílio Guimarães (Outros)

Desde Luiz Gonzaga nunca tinha lido melhor lorota que esta: "O direito de defesa não pretende proteger o criminoso, mas a coletividade". Se eu estivesse nos Estados Unidos, por exemplo, onde a lei vale para todos, eu estaria acreditando nesta lorota, mas no Brasil onde a lei vale para quem pode pagar bons advogados, eu digo a esse senhor que escreveu essa frase que me respeite e não venha subestimar a minha inteligência. Isto é conversa de esquerdista para enrolar trouxas e eu não sou trouxa. O que se pretende, em verdade, salvo algumas exceções como Sérgio Moro e o presidente Jair Bolsonaro, é livrar definitivamente da cadeia criminosos de colarinho branco. Eles pagam muito bem e advogados também gostam muito de dinheiro.

Oh que formosa aparência o populismo tem!

José R (Advogado Autônomo)

Então, Carlos Bevilacqua, vamos trocar nossa Democracia pelo Estado de Polícia? Ou vamos, dentro do estado democrático de direito, combater, sim, a ilucitude, mas com respeito à ordem jurídica?
Barbárie ou civilização?

Contra o artigo estarrecedor publicado no estadão:

Carlos Bevilacqua (Advogado Autônomo)

Ao contrário da criminalização da classe política, a Lava Jato investiga e apura os responsáveis pela corrupção sistêmica vigente, agindo contra políticos que cometeram crimes de corrupção junto a empresas e empresários que executaram empreendimentos e obras superfaturadas para distribuição de propinas criminosas, com formação de quadrilhas e lavagem de dinheiro. Apurar atos de corrupção faz bem ao Brasil: As respectivas condenações feitas pela Justiça Federal, recuperaram em escala considerável bilhões dilapidados por esses criminosos mancomunados. É imprescindível manter a Lava Jato, para segurança jurídica e estímulo da iniciativa privada, sem a interferência nociva desses criminosos. Com isso o País estará protegido e livre dessas negociatas, graças às investigações permanentes da PF coordenada pelo MPF, julgadas e sentenciadas pelos tribunais federais.

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!