Consultor Jurídico

Comentários de leitores

6 comentários

Especialistas e Juristas

Dr. Aureliano Russo (Advogado Autônomo)

Será que devemos dar carta branca para um servidor público simplesmente porque ele prendeu o político que "todos" odiavam?

Um bom critério para separar verdadeiros juristas de simples operadores do Direito é o grau de simpatia ou antipatia pela harmonia do ordenamento jurídico.

Aqueles que não respeitam a Constituição e as Leis infraconstitucionais em nome de uma "moralização da nação e combate a corrupção" não são juristas, mas simples operadores do Direito, guiados pela conveniência política e populista do momento.

Por outro lado, aqueles que defendem o respeito à Constituição e às Leis, que não coadunam com procedimentos heterodoxos em nome da "moral e dos bons costumes", que reconhecem as falhas do ordenamento jurídico, mas acreditam que as Leis devem ser alteradas pelo poder constitucional devido, são os verdadeiros juristas. E são muito poucos hoje em dia...

Os países de primeiro mundo possuem ordenamentos jurídicos sólidos e harmônicos, com poucas alterações casuísticas e "em nome do bem da nação".

Se queremos evoluir nesse sentido, vamos deixar de lado os heróis do momento e refletir mais a longo prazo.

"Quão bom é o projeto?" Esta é a questão

Paulo H. (Advogado Autônomo)

Na verdade não se trata de saber se o projeto é bom ou não, pois não há dúvida de que no mínimo bom é. A única questão que verdadeiramente se põe é: quão bom?

Entre o "bom" e o "excelente" (já que a perfeição tende à utopia) é o espaço onde verdadeiramente a discussão a respeito desse projeto pode se dar - o resto é chapadão do bugre.

Coisa de governo de idiotas para idiotas

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Tenho a impressão que esse governo é aquela coisa: "-ele é como nós, olha, gente como nós está no poder, estamos representados". Aí quando der tudo errado?
Não sei se é parar rir ou para muito lamentar, ficarei com as duas opções, quando vejo alguém afirmar que laxismo penal é coisa marxista. Falta leitura neste país. Há bom relato, e não tem nada de ficção, alguém preso por anos num gulag. Varlam Chalámov, "Ensaios sobre o mundo do crime". O governo militar de 64-85 que nada tinha de esquerda repetiu os mesmos erros.
Fascismo, "O Fascismo Eterno", de Umberto Eco, antes parte de Cinco Escritos Morais, agora tem edição própria. Uma bela aula sobre o fascismo que só se traveste em roupas novas. O nosso processo penal, há lançamento de bom livro sobre a Inquisição em Portugal e no Brasil, análise a partir de registros de processos guardados na Torre do Tombo. O nazismo chegou atrasado em vários conceitos, inclusive a pureza racial, em relação a Inquisição Portuguesa.

Funcionários públicos, juízes, promotores, e os zé ruelas serviçais do baixo clero da área de persecução penal, sempre vão querer leis mais duras, arbítrios chancelados, discricionariedade, nenhum controle de legalidade dos seus atos. Antes se gritava herege, agora se grita comunista.

Esse projeto é um apanhado de ideias desconexas, típicas desse que parece ser o primeiro governo espírita de terreiro da história do país, desde que tomou posse ainda não parou de bater cabeça.

Infelizmente deve se considerar a parcela da população que se sente representada por esse governo e que bate palmas para essas medidas.

Poderia trazer vários precedentes da SCOTUS que aqui levariam a chamar os Justices de lá de "comunistas disfarçados".

Sem noção

pljunges (Advogado Autônomo - Administrativa)

O projeto é um amontoado de medidas desconexas que, se aprovado, causará mais superpopulação carcerária e fará a alegria das funerárias das periferias das grandes cidades. Não pode existir nenhuma iniciativa séria na área de segurança pública, que não principie por enfrentar o problema carcerário e esse projeto não dedica uma mísera linha ao tema.

Professor Edson acerta novamente

Schneider L. (Servidor)

De fato, a polarização política é observada no cenário jurídico, em especial no que concerne a operação Lava Jato.

O paradigma do país era a impunidade para a elite do crime, enquanto o acirramento da punitividade dos réus menos abastados era regra. Agora, crimes de colarinho branco condicionam todos os outros crimes de rua existentes, e em muitos casos até os tornam insignificantes em comparação.

O desalento de alguns renomados criminalistas ouvidos pela matéria só diz respeito aos clientes que pagam os polposos honorários, e não aos criminosos de rua.

Polarização

Professor Edson (Professor)

A polarização aqui é assim, os favoráveis são de direita, geralmente da área policial e os contrários de esquerda, sendo que os contrários devido a ideologia Marxista aflorada (assim como se aprendem nas universidades do Brasil) podem usar textos nocivos, com palavreados e ataques vulgares e claro a palavra "fascista" se torna carro chefe dessa gente.

Comentar

Comentários encerrados em 13/02/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.