Consultor Jurídico

Notícias

Direito de Defesa

CNJ suspende afastamento de desembargador de SC que se filmou nu

Por 

Instaurar um único processo administrativo disciplinar para simultaneamente apurar fatos que não guardam conexão entre si fragiliza o direito de defesa do acusado, não podendo servir para a imposição de sanção agravada.

Desembargador foi compulsoriamente aposentado em 2017
Reprodução

Foi com base neste entendimento que o Conselho Nacional de Justiça suspendeu decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina que afastou o desembargador Eduardo Mattos Gallo Júnior. Ele foi acusado de corrupção e de agredir a ex-esposa. 

Para se defender de uma das denúncias, o desembargador fez um vídeo em que aparecia nu, em frente a um espelho. O objetivo era mostrar que ele é que havia sido agredido pela mulher. 

As imagens, que acabaram sendo divulgadas nas redes sociais por terceiros, serviram para basear o pedido de afastamento, concretizado em 2017.

Além da acusação envolvendo o vídeo, no mesmo processo administrativo o Órgão Especial do TJ-SC julgou o magistrado por delitos envolvendo corrupção. 

"É evidente que a reunião de fatos absolutamente independentes uns dos outros em um único processo administrativo disciplinar fragiliza, já de partida, o exercício do pleno direito de defesa do acusado", afirma o conselheiro Henrique Ávila, relator do caso. 

Ainda de acordo com Ávila, "também se pode vislumbrar comprometimento à plena imparcialidade do julgador, que poderá utilizar causas e circunstâncias exclusivamente vinculadas a uma das condutas em exame como parâmetro para a apreciação dos demais fatos". 

Sendo assim, o conselheiro suspendeu a eficácia do acordão proferido pelo Órgão Especial do TJ-SC e determinou a imediata reintegração do desembargador ao cargo anteriormente ocupado. 

"Se a individualização da sanção na exata medida da infração porventura cometida é exigida quando há apenas um fato sob apuração, é evidente que a mesma providência se impõe quando mais de um fato está sendo valorado pela autoridade correcional", argumenta.

Parcialidade
O conselheiro também diz é possível constatar a parcialidade dos julgadores já em uma primeira avaliação da matéria. Isso porque, desde o início, o tribunal já registrava que o investigado estaria sujeito à pena de aposentadoria compulsória.

"A simples presenta de tal informação na portaria de instauração pode indicar a parcialidade do órgão jugador ao, de pronto, veicular juízo de valor antes mesmo de perquirir a responsabilidade e o grau de reprovabilidade imposto pela prática das condutas atribuídas ao magistrado acusado", diz Ávila.

Clique aqui para ler a decisão
0008116-58.2019.2.00.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 19 de dezembro de 2019, 21h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.