Consultor Jurídico

Notícias

Ação do MPF

Juíza suspende exonerações na Unifesp definidas por decreto de Bolsonaro

Por 

Juíza considerou que presidente extrapolou em suas funções ao assinar decreto que gerou demissões e transtornos na Unifesp
Marcos Corrêa/PR

A juíza federal Noemi Martins de Oliveira, da 5ª Vara Cível Federal de São Paulo, concedeu liminar para suspender a exoneração de 117 servidores da Universidade Federal De São Paulo. O pedido atende ação do Ministério Público Federal.

Os trabalhadores atuam em funções gratificadas que foram extintas por conta de um decreto assinado em março deste ano pelo presidente Jair Bolsonaro.

O decreto 9.275 determinou a eliminação de uma série de cargos em comissão, funções de confiança e gratificações em toda a administração federal.

Ao analisar o caso, a juíza acatou os argumentos do MPF de que o presidente extrapolou suas atribuições ao determinar a extinção dos postos que só poderia ser estabelecida a partir da deliberação do Congresso.

A magistrada também observa que a Constituição Federal “atribui ao presidente da República a competência privativa para dispor, mediante decreto, sobre a extinção de funções ou cargos públicos quando vagos, contudo imputa expressamente à lei a competência para extinção de cargos, empregos e funções públicas ocupadas”.

No caso da Unifesp, a determinação presidencial entrou em vigor no dia 31 de julho, quando os 117 servidores foram desligados de suas funções — redução de 29% no total de vagas desse tipo.

Clique aqui para ler a decisão
5019991-21.2019.4.03.6100

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 18 de dezembro de 2019, 15h24

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.