Consultor Jurídico

Lesão corporal leve

Bolsonaro veta ação incondicionada em caso de violência contra menor

O presidente Jair Bolsonaro vetou o projeto de lei que permitia que o Ministério Público promova ação penal de crimes de lesões corporais leves e culposas contra menor de 18 anos ou incapaz cometidas por quem convive ou tenha convivido com a vítima (PL 4.767/16).

Deputada federal Gleisi Hoffman (PT-PR)
Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados

"A propositura legislativa, ao prever a ação pública incondicionada nos casos de violência doméstica contra menor ou incapaz, contraria o interesse público ao ofender o princípio da intervenção mínima, para o qual o Direito Penal só deve ser aplicado quando estritamente necessário", justificou o presidente, seguindo opinião da Secretaria-Geral da Presidência. O veto, que foi publicado nesta segunda-feira (16/12) no Diário Oficial da União, ainda será analisado pelo Congresso.

Bolsonaro já havia informado no seu Facebook que vetaria o projeto, de autoria da deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR). No vídeo, disse que o projeto teria sido inspirado em uma suposta fala de Lula e, tentando imitar a voz do ex-presidente, disse: “Só porque o moleque está roubando um celular, vai a policia para cima dele. Deixa o moleque roubar em paz”.

Além disso, Bolsonaro explicou no vídeo que o projeto daria margem para policiais serem acusados injustamente pelo Ministério Público. "Não iria faltar algumas ONGs, esses partidecos, arrumariam uma forma junto ao MP para que esse policial viesse a sofrer um processo [...] A criancinha de até 17 anos."

Ação incondicionada
Atualmente, o crime de lesões corporais, previsto no Código Penal (Decreto-lei 2.848/40), é processado por ação pública incondicionada — ou seja, pode ser promovida pelo Ministério Público sem que haja manifestação de vontade da vítima. O mesmo não acontece para os crimes de lesões corporais leves e culposas, como prevê a Lei dos Juizados Especiais (Lei 9.099/95). A proposta altera esta lei.

Hoje, quando o ofendido tem menos de 18 anos ou é incapaz, a representação do crime deve ser oferecida pelo seu representante legal. Quando há conflito de interesses entre o menor (ou incapaz) e o seu representante legal ou não houver quem cuide do menor, o juiz designa um curador para o ofendido.

Mas quando há lesões corporais mesmo leves contra vítima menor ou incapaz do sexo feminino, a ação pública incondicionada pode ser promovida pelo Ministério Público, se o crime for praticado no âmbito doméstico e familiar, conforme assegura a Lei Maria da Penha (11.340/06).

Porém, lembra a autora do projeto, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), o mesmo não acontece para vítimas do sexo masculino. “Cria-se, assim, uma distinção injustificável, baseada apenas no sexo, para o início da persecução penal nos crimes de lesões corporais leves ou culposas nos quais a vítima é menor ou incapaz”, disse.

Ao defender seu projeto, a senadora destaca ainda que os crimes praticados contra criança e adolescente, definidos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA – Lei 8.069/90), são todos processados por meio de ação pública incondicionada.

"Por esse motivo, deve ser seguida a mesma orientação quando se tratar da prática dos crimes de lesão corporal leve ou culposa", concluiu. Com informações da Agência Câmara.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 16 de dezembro de 2019, 15h32

Comentários de leitores

2 comentários

Culpa do PT kkkkk

Marcos Arruda (Outros - Empresarial)

O ideólogo alegra minhas manhãs com seus comentários que mostram o quão rasa é sua percepção de mundo. kkkkkk
Sobre o veto em si, nada me impressiona, o que esperar de um troglodita irracional? Deve se arrepender de não ter batido mais no Carluxo pra não rolar amizade colorida com o primão.

Pequenos rebeldes primitivos

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Esses pequenos "rebeldes primitivos" querem proteção do Estado contra o próprio Estado.
Realmente, obra do PT.

Comentários encerrados em 24/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.