Consultor Jurídico

Notícias

Passado revisitado

Jurista alemão fala sobre decepção com sentenças condenatórias de Auschwitz

Nos anos de 1960, Gerhard Wiese atuava na Promotoria em Auschwitz, na Alemanha. Ele foi um dos primeiros a participar do julgamento sobre os crimes cometidos pelos nazistas nos campos de concentração. 

Campo de concentração de Auschwitz (POL)

Hoje, aos 91 anos, o jurista alemão é o último promotor envolvido no processo que está vivo. Em entrevista à agência de notícias alemã Deutsche Welle (DW), ele refletiu sobre a atuação da acusação à época e se disse decepcionado com as sentenças aos acusados.

De acordo com o jurista, eles fizeram um acordo com o procurador-geral para apresentar uma moção para que todos os acusados fossem punidos, pelo menos, por cumplicidade. "Auschwitz era uma operação de extermínio em escala industrial. E todos os que participaram eram parte da máquina do crime. A punição deveria depender da função", explicou ao DW.

No entanto, o tribunal do júri não acolheu o parecer da promotoria e "trabalhou estritamente de acordo com o Direito Penal vigente. O que é que ele fez? Podemos provar isso? Se assim for, ele será condenado. Se não, absolvido". Os julgamentos duraram quase dois anos e o jurista pediu a prisão perpétua para todos os acusados. Ao final, seis receberam a pena.

Ele foi categórico ao dizer sua percepção dos acusados: "um grupo de pessoas normais, nada de chamar a atenção: comerciantes, funcionários de banco, médicos... Ninguém podia negar que esteve em Auschwitz. Mas todos se fizeram de ‘bom moço’, disseram que não fizeram nada de ruim. Não havia vestígios de remorso".

Questionado sobre a disposição das autoridades da época em ajudar na investigação, ele contou que o presidente da Comissão Internacional de Auschwitz, Hermann Langbein, foi um prisioneiro e cooperou no contato com outros antigos prisioneiros.

Revista Consultor Jurídico, 8 de dezembro de 2019, 9h51

Comentários de leitores

1 comentário

Hermann langbein

O IDEÓLOGO (Outros)

"Hermann Langbein (18 de maio de 1912 em Viena, Áustria - 24 de outubro de 1995 em Viena, Áustria) foi um austríaco que lutou na Guerra Civil Espanhola com as Brigadas Internacionais dos Republicanos Espanhóis contra os Nacionalistas sob Francisco Franco . Ele foi internado na França após o fim da Guerra Civil Espanhola e depois enviado para campos de concentração alemães após a queda da França em 1940.
Nos anos seguintes, ele foi preso em vários campos diferentes ( Dachau , Auschwitz e outros). Internado em Auschwitz em 1942, Langbein foi classificado como prisioneiro político não-judeu e foi designado secretário do médico da SS, que lhe deu acesso a documentação e conhecimento em primeira mão sobre os maus-tratos médicos, tortura e assassinatos de outros campos. prisioneiros. Mais tarde, Langbein usou seu conhecimento para ajudar a estabelecer o Comitê de Auschwitz e os julgamentos. Langbein testemunhou nos julgamentos de Auschwitz. Seu número de prisioneiros no campo era 60.355. Ele estava entre os líderes dos grupos da Resistência Internacional nos campos em que estava preso. Depois de 1945, ele foi Secretário Geral do Comitê Internacional de Auschwitz., e mais tarde secretário do "Comité International des Camps" (Fonte Wikipédia).

Comentários encerrados em 16/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.