Consultor Jurídico

Notícias

Prazo de inquérito

Juiz homologa delação de homem que hackeou celulares de autoridades

Por 

O juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, homologou o acordo de delação premiada do estudante de direito Luiz Henrique Molição, preso por suspeita de participar da invasão de celulares de pelo menos mil pessoas, entre elas autoridades como o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e os procuradores da "lava jato",  como Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa.

Acusado de hackear membros da força-tarefa da 'lava jato' fecha acordo de delação
Reprodução

O caso tramita em segredo de Justiça. A decisão de homologar a delação foi proferida na segunda-feira (2/12). O magistrado também concedeu mais 15 dias para que os investigadores encerrem o inquérito.

O prazo se encerra no dia 19 de dezembro. Após a conclusão pela Polícia Federal, caberá ao Ministério Público Federal decidir se oferece ou não denúncia. Com a homologação, o delator será posto em liberdade e será monitorado eletronicamente.  

Organização Criminosa
Os suspeitos foram presos pela PF na operação "spoofing", expressão relativa a um tipo de falsificação tecnológica, que procura enganar uma rede ou uma pessoa, fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 3 de dezembro de 2019, 18h17

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 11/12/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.