Consultor Jurídico

Colunas

MP no Debate

A elevação do máximo da pena de reclusão é retrocesso civilizatório

Comentários de leitores

5 comentários

Meu Deus!Onde a ciência penal vai parar com esses estudiosos

Vercingetórix (Advogado Autônomo - Civil)

" Além disso, pena de tal ordem ultrapassa a pessoa do criminoso, visto que, para os familiares do condenado, significa penitência ainda maior, que é sofrer com a vitalícia separação de um de seus filhos ou irmãos, por vezes com vínculos que transcendem a consanguinidade. "

É inacreditavelmente desproporcional o garantismo monocular que os "estudiosos do Direito Penal" tentam impor hoje em dia.

Parece que o autor do texto o escreveu diretamente da Noruega, observando o Fiorde de Geiranger.

As penas deverão ser duras

Amaralsantista (Advogado Autônomo - Trabalhista)

As penas no Brasil deverão ser duras, sim. Ninguém pode alegar ignorância do ordenamento jurídico, onde todos sabem, por exemplo, que não se pode matar (121) e se matar sabe que a "cana" é dura. Em países de primeiro mundo, as penas além de duras, ainda tem prisão perpetua e em outros até a pena capital.
Os crimes sempre existirão, o que não pode é aliviar penas para bandidos perigosos, como o que está acontecendo hoje no país. Bandidos, facínoras, assassinos, estupradores e principalmente os de colarinho branco, estão sendo libertados por conta do posicionamento ideológico do STF, onde o cidadão de bem não tem o mesmo tratamento. É um tremendo atraso no Brasil, o criminoso contumaz e especifico, respondendo a vários processos, pagando com dinheiro sujo, esperar anos para ser encarcerado, enquanto outros menos abastados respondem pelos seus crimes atras das grades. Sem citar nomes, o partido politico que quebrou o Brasil, nas palavras do Min. Gilmar, tem recursos suficientes para patrocinar campanhas, pagar advogados, caravanas, passeatas, até o ano de 2038, ou seja, roubaram mais de 1 trilhão de reais. Que país é esse. Precisamos de novas penitenciárias de segurança máxima para abrigar essa malta de bandidos irrecuperáveis. Não se houve falar em rebeliões nos presidios nos EUA, Grã Bretanha, Australia, Canadá, Nova Zelândia, Italia, França, etc.... Resumindo, deveremos sim endurecer ao máximo as penas no Brasil. Hoje o condenado dá entrevistas, recebe visitas íntimas, sai da prisão antes do cumprimento, faz comícios incitando violência e ainda chama o Presidente da República e o Ministro da Justiça de ladrão. Pode isso Arnaldo..............

aumento necessário

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

na verdade ninguém fica preso 30 anos no Brasil, salvo se tiver inúmeras condenações. A prática reiterada de crimes por pessoas cumprindo pena demonstra que o sistema atual não é efetivo na repressão por que leniente com o criminoso. Retrocesso é a inoperância do Estado diante de 60.000 mortes por ano. É hora de pensar naquele que sustenta o Estado com seus impostos: a vítima, o cidadão de bem.

Pelos frutos conhecereis a árvore.

J. Henrique (Funcionário público)

Não sei qual o sistema de punição adequado para os transgressores das regras do convívio social, mas as atuais não estão funcionando. Quando falam que basta dar certeza de cumprimento da pena, alguns dizem que tem que ter progressão, então um criminoso hediondo é condenado a mais 30 anos e quando você pensa que o esqueceu, ouve notícias de que vai progredir de regime (é o caso de von Richthofen e Nardoni, para citar alguns).
É comum ouvirmos no noticiário que um envolvido em crime tem dez ou mais passagens anteriores pela polícia, e muitas dessas passagens são por crimes graves, e eu me pergunto que sanção recebeu por esses delitos!
Onde a sensatez e a ponderação não operam...

Puramente técnico

Professor Edson (Professor)

Essa mudança constitucional é algo puramente técnico, quando foi fixado na lei os 30 anos como pena máxima a expectativa de vida do brasileiro era de 50 anos, hoje é de quase 80 anos.

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!