Consultor Jurídico

Notícias

Confiança na Justiça

Judiciário é o Poder mais bem avaliado pela sociedade e advogados, diz FGV

Comentários de leitores

5 comentários

CONJUR, é piada é ???

rcanella (Funcionário público)

Acredito que com esse jogo de compadre entre a FGV e o STJ, o Poder Judiciário acabará por enlamear essa instituição, ao tentar pegar carona na credibilidade que nela ainda existe. O pior é que esse casamento pecaminoso já tem um rebento, isto é os caras garantiram para si e para os seus, a efetividade de um tal Centro de Inovação, Administração e Pesquisa do Judiciário da FGV; que certamente não sairá de graça para o erário. E quem será o Coordenador ??? Quem ??? O próprio Presidente do STJ ministro Luís Felipe Salomão - o cara levanta a bola pra ele mesmo cabecear - claro, à custa do nosso dinheiro, afinal ambas as instituições STJ e FGV são bancados pelo cidadão pagador de impostos. Judiciário como Poder mais bem avaliado pela sociedade ? Conta outra doutor !!!

Oab/fgv plagiando questões de outra banca examinadora?

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Por Vasco Vasconcelos, escritor e jurista. Vergonha nacional OAB/FGV plagiarem questões de outra Banca para ferrar seus cativos. Cadê o MPF? OAB Só tem olhos p/ os bolsos dos seus cativos. Tx concurso p/ adv. da OAB/ DF apenas R$ 75, taxa do pernicioso jabuti de ouro, o caça-níqueis exame da OAB, pasme R$ 260, (um assalto ao bolso). Estima-se que nos últimos 24 anos OAB abocanhou extorquindo com altas taxas de inscrições e reprovações em massa cerca de mais de 1.0 BILHÃO DE REAIS. Todo mundo sabe como funciona o enlameado Congresso Nacional. Assim fica difícil extirpar esse câncer a máquina de triturar sonhos e diplomas. Trabalho análogo à condição de escravo. O Egrégio STF ao julgar o INQUÉRITO 3.412 AL, dispondo sobre REDUÇÃO A CONDIÇÃO ANÁLOGA A DE ESCRAVO. ESCRAVIDÃO MODERNA, explicitou com muita sapiência (…) “Para configuração do crime do art. 149 do Código Penal, não é necessário que se prove a coação física da liberdade de ir e vir ou mesmo o cerceamento da liberdade de locomoção, bastando a submissão da vítima “a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva” ou “a condições degradantes de trabalho”, (...) A “escravidão moderna” é mais sutil do que a do século XIX e o cerceamento da liberdade pode decorrer de diversos constrangimentos econômicos e não necessariamente físicos. Priva-se alguém de sua liberdade e de sua dignidade tratando-o como coisa e não como pessoa humana, o que pode ser feito não só mediante coação, mas também pela violação intensa e persistente de seus direitos básicos, inclusive do direito ao trabalho digno. A violação do direito ao trabalho digno impacta a capacidade da vítima de realizar escolhas segundo a sua livre determinação. Isso também significa “reduzir alguém a condição análoga à de escravo".

Pesquisa paga?

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

É para rir? kkkkkkkkkkkkkkkkk

A pesquisa abaixo, muiiiiiiiiiiiiiiiiiiito mais perto da realidade de um Judiciário omisso, leniente, negligente, injusto, com magistrados que descumprem rotineiramente as leis e afrontam o Estado Democrático de Direito, teve apenas 29% de confiança da população (pesquisa não comprada), apenas 2% a cima da confiança na polícia. Vai de mau a pior.

https://www.google.com/search?q=apenas+29%25+confia+no+judici%C3%A1rio&oq=apenas+29%25+confia+no+judici%C3%A1rio&aqs=chrome..69i57j69i60.8005j1j4&sourceid=chrome&ie=UTF-8

Isto porque a pesquisa não foi APENAS com operador do direito pois, caso fosse, talvez a confiança chegaria perto do 0%.

Em 20 anos de atuação, conheci APENAS cerca de 4 magistrados que considero um exemplo. Os demais... bom... deixa pra lá

Como assim?

Jedisons (Administrador)

Inacreditável !!

judiciário é o mais bem avaliado

Regina Neves (Advogado Autônomo - Civil)

boa tarde a todos
Olha. cabe ao Poder Judiciário dizer qual sociedade que o avaliou? Será que foi a sociedade da Mongolia?.
Vamos aguardar a resposta.

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!