Consultor Jurídico

Notícias

Comportamentos acintosos

Desembargador decide que mulher não pode se aproximar de ex-marido

Por 

O desembargador Paulo Alcides do Amaral Salles, do TJ-SP, decidiu que uma mulher está proibida de ficar a uma distância menor do que 100 metros do seu ex-marido.

istockphoto

Na decisão, o magistrado pondera que ainda que a Leia Maria da Penha tenha sido destinada inicialmente à proteção das mulheres, isso não é impeditivo para que um juiz, com base no poder geral de cautela e o princípio de isonomia, adote as providências que entender necessários para cessar comportamentos acintosos.

Conforme a decisão, a ex-mulher alvo da decisão tem buscado atingir o ex-companheiro de todas as formas como, por exemplo, indo a casa de seus genitores, ofendendo a família e perturbando seu ambiente de trabalho.

O desembargador ainda relata que a ex-mulher teria “jogado seu veículo sobre a moto do agravante em plena via pública”.

Diante desses indícios, o magistrado proibiu que a agravada se aproxime do seu ex-marido e estipulou uma multa de R$ 5 mil por cada infração.

Para ler a decisão clique aqui

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 23 de agosto de 2019, 6h55

Comentários de leitores

2 comentários

Ao Ideólogo.

Neli (Procurador do Município)

É paixão! A paixão cega as pessoas(de ambos os sexos). Perdem o bom senso.Paixão é um sentimento ruim, porque a pessoa fica desequilibrada e quando a paixão acaba, muitas vezes, pode ser tarde demais. Amem e sejam amados, mas, paixão? Nunca. O amor é lindo e a paixão não.Perfeita decisão.

Eita!

O IDEÓLOGO (Outros)

Nunca termine um relacionamento com uma mulher. Deixe que ela o termine. Experiência própria.
Mulher machucada afetivamente é perigo na certa.

Comentários encerrados em 31/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.