Consultor Jurídico

Notícias

Lei de Responsabilidade Fiscal

É necessário mostrar fonte de custeio ao criar lei que aumente despesas, diz STF

Por 

Por unanimidade, o Plenário do Supremo Tribunal Federal fixou, nesta quarta-feira (21/8), serem constitucionais o artigo 17 e o artigo 24 da Lei de Responsabilidade Fiscal. Os dispositivos determinam a necessidade de apontar fonte de custeio ao criar lei que aumente despesas, benefícios ou serviços relativo à seguridade social.

Também por unanimidade, foram julgados constitucionais os artigos 35, 51 e 60 da LRF. Ao todo, são analisadas sete ações diretas de inconstitucionalidade e uma de descumprimento de preceito fundamental em que são contestados mais de vinte dispositivos da lei. 

No início da sessão, o relator, ministro Alexandre de Moraes, afirmou que a votação seria fatiada, de artigo por artigo. Movidas por partidos, associações de servidores públicos e outras entidades, as ações alegam, entre outros pontos, que o estabelecimento para estados e municípios de um limite de gasto com pessoal afrontaria a autonomia financeira dos entes.

Bloqueio Constitucional
A corte decidiu também, nesta quarta-feira, por unanimidade, que é constitucional a União bloquear repasses voluntários a estados e municípios caso eles não cumpram seu dever de instituir e arrecadar tributos locais. A possibilidade do bloqueio está prevista no artigo 11 da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Nesta manhã, os ministros do Supremo também aprovaram, por unanimidade, a rejeição de diversos outros pontos contestados, por entender que não haveria mais eficácia em julgá-los.

Isso porque as ações contra a LRF tramitam há 19 anos na Corte, e alguns dispositivos contestados tinham prazo definido, não sendo mais válidos. É o caso, por exemplo, do artigo que impunha por três anos, a partir da sanção da lei, um limite para a despesa com serviços terceirizados.

ADIs 2.238, 2.365, 2.241, 2.261, 2.250, 2.238 e 2.256 
ADPF 24

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 21 de agosto de 2019, 16h21

Comentários de leitores

3 comentários

Celeridade britãnico

Glaucio Manoel de Lima Barbosa (Advogado Assalariado - Empresarial)

A lei de Responsabilidade Fiscal o STF passa 19 anos para apreciar, enquanto um Luis o STF convoca o Plenário para julgar em uma hora. Eis ai a celeridade BRITÃNICO.

Decisões Judiciais

Luiz Aquino (Economista)

Importante também obrigar responsaveis por decisoes a indicarem a fonte de pagamento para cumprimento das Decisoes Judiciais e a mesma coisa no caso das taxas de Juros do BACEN. Afinal dinheiro não da' em arvore e orçamento de Governo e' sempre cobertor curto.

Nenhuma surpresa

PMLG (Outro)

Pouco surpreende o entreguismo dos ministrículos do STF julgando constitucionais artigos de uma lei imposta pelo FMI em 2000 que só serve para manietar o crescimento e o desenvolvimento do país, além de servir para a entrega das riquezas e do patrimônio do país através da dívida pública e das privatizações, arrochando o funcionalismo público e os aposentados.

Comentários encerrados em 29/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.