Consultor Jurídico

Comentários de leitores

47 comentários

Comentário

Afonso de Souza (Outros)

Lula, Temer ou qualquer outro ex-presidente que tenha sido julgado e condenado têm (deveriam ter) que usar uniforme de preso. Numa cela ou numa sala (mas presos).

Exemplo

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Diz o texto: "Na verdade, a decisão da juíza mandando o ex-presidente Lula para o sistema prisional em São Paulo, além de desnecessária a transferência, parece conter o mesmo defeito da Lava Jato que foi desnudado pelos diálogos do Intercept, divulgados pela Folha de S.Paulo e revista Veja: a parcialidade e o viés claramente político das decisões. Sorry, mas a decisão da doutora ficou muito “na cara”.
Antes, um juiz havia suspendido as prerrogativas do ex-presidente. Essa questão foi superada por meio de agravo.
Agora – 7/8/2019 –, a juíza da 12ª Vara Federal de Curitiba negou ao ex-Presidente Lula o direito a Sala Maior e determinou sua transferência para estabelecimento de São Paulo. Já em São Paulo, à moda fast food, foi determinado que Lula fosse para o Presidio Tremembé.
O objetivo claro é/foi o de humilhação. O ex-presidente Temer já fora preso de forma espetaculosa. Afinal, vivemos a sociedade do espetáculo. O power point explanacionista de Dallagnol fez escola. Ou cursinho. Afinal, ver o ex-presidente Lula com uniforme de preso não tem preço, pois não?".

O ex-presidente Lula, branco, nordestino, sem educação formal e cultura, foi condenado por brancos, descendentes de italianos e alemães que ocupam os Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e do Paraná.
A condenação tem um ato simbólico: se você é da base da sociedade não ouse fazer o que nós, membros elite brasileira fazemos. Temos um conjunto de crimes que, nós, somente nós, podemos praticar. A discriminação manifesta-se em todas as dimensões.

Ivo Lima (Advogado Assalariado)

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Realmente a coluna respira com ajuda de aparelhos. Mas ainda não morreu porque o senhor e os outros hater's continuam vindo aqui, hahahahaha...

Bom texto.

José Leandro Camapum Pinto (Outros)

Excelente Parecer. Boa aula sobre as lições de Robert Alexy. E - detalhe: aplicadas à prática, a um caso concreto. Obrigado, Professor.

Matéria parcial

kalemos (Bancário)

Nenhuma dúvida que, do ponto de vista jurídico, a decisão da Juíza não se sustenta. No entanto, demonstrando claramente sua posição política, o Sr. Streck esquece de pontuar que não caberia ao STF decidir sobre o tema, como bem disse o Ministro Marco Aurélio. Além disso, faltou a crítica à celeridade absurda da corte, em comparação a casos de pessoas que morreram aguardando uma decisão dos senhores ministros sobre a liberação de medicamentos. Caso de vida ou morte não tem relevância para o stf (minúsculo, mesmo) e pelo jeito nem para o missivista, mas livrar a cara do rato branco, que depenou os cofres públicos como nunca antes na história deste país, tem.

Considerações complementaares

Aristides Medeiros (Advogado Assalariado - Criminal)

O preso está indevidamente ocupando uma dependência da Superinten dência Regional do Departamento de Polícia Federal, em Curitiba (indevidamente porque haveria de ter sido inicialmente encaminhado a prisão comum), e isso está ocasionando sérios problemas à repartição policial federal (que pediu fosse o mesmo dali retirado), pedido esse que resultou inócuo. diante da estapafúrdia decisão do STF, problemas que , destarte, vão continuar

Replica ao contido no artigo

Aristides Medeiros (Advogado Assalariado - Criminal)

Por motivo da exigida limitação do número de palavras nos comentários, vou desenvolver minha resposta de modo sintético:
1) Recurso contra decisão proferida por magistrado de primeiro grau é cabível apenas para o segundo grau, sob pena de ilegal supressão de instância, o juízo natural:
2) Transferência de preso para qualquer outro tipo de prisão não constitui nenhuma ilegalidade:
3) No decisório da magistrada de primeiro grau não houve nenhuma inobservância ao contido no § 1° do art. 489, do CPC:
4) A Lei n° 7.474, de 08/05/1986, não assegura a ex-Presidentes da República, direito a prisão especial, muito menos em Sala de Estado Maior, existente apenas em quartéis, e privilégio somente de advogados.

Olha o nível dos mentecaptos

Ulysses (Professor Universitário)

Leiam: DE NOVO O "JURISTA" LENIO
Júlio M Guimarães (Bacharel - Trabalhista)
9 de agosto de 2019, 13h10

Novamente o "jurista" Lenio nos brinda com suas opiniões disprovidas de qualquer fundamento jurídico.
Nem sei a que servem seus comentários. POIS É! O JÚLIO bacharel trabalhista formado na uniZero disse o que está acima. Diz que Streck é jurista com aspas (as aspas são por conta de quem escreveu ) . E ele não sabe escrever a palavra Desprovido. Analfabeto, além de reacionário , não sabe nem o vernáculo, e é formado em DEREITO. Com DE. Adivogado. . Pobre professor Streck, que insiste em dialogar atirando pérola aos porcos selvagens.

Risível ou lamentável?

Morbach Alessandro Vulcano médio (Administrador)

Seria risível (caso não fosse lamentável) ver a hermenêutica jurídica sendo utilizada em defesa de fins políticos e não da justiça em si, ocorra isso na instância que for. Não haveria questões mais urgentes a serem priorizadas no debate público do que um ex-presidente presidiário (condenado em 3 instâncias) e/ou a verborragia do atual presidente (que é uma usina de crises)? Continuemos neste Faroeste à Brasileira (onde o bandido enquadra o xerife) e seremos promovidos de "República das Bananas" a "República das Bananas Podres"!

O Jurista deve ser Imparcial, não pode ser de Plantão.

Roque Z Roberto Vieira (Advogado Autônomo - Civil)

Lula só Confia no STF.
A certeza e confiança do ex-presidente Lula no HC, que deu um salto da Vara Federal originária direto para o Suprema Corte, envergonha, denigre e humilha a imagem do Judiciário. A razão do STF permitir que um condenado queime toda a cadeia hierárquica do Judiciário que não é permitida por qualquer pessoa, configura a certeza do êxito e garantia de impunidade. Essa violação ao devido processo legal, que não pode ser manejado por qualquer cidadão, denomina-se USURPAÇÃO DE COMPETÊNCIA. Ao utilizar-se desse expediente traquino, com consequências devastadoras, fica difícil acreditar que o pedido não está amparado por amigos ou influência na Suprema Corte.

De novo o "jurista" Lenio

Júlio M Guimarães (Bacharel - Trabalhista)

Novamente o "jurista" Lenio nos brinda com suas opiniões disprovidas de qualquer fundamento jurídico.
Nem sei a que servem seus comentários.

Direito é para realistas.

André Pinheiro (Advogado Autônomo - Tributária)

Embora os liberais tenham conseguido adoçar o direito nos últimos anos iluministas, a grande verdade é que direito é para realistas e neo realistas. Talvez, o Lassale tenha entendido melhor esse fenômeno. Mas claro, quando a CF vira uma folha de papel, isso nos preocupa.
Porque o positivismo, embora nem sempre democrático, mas as regras aparecem, ali, escritas, para acabar com as frivolidades dos déspotas.
Mas quando o vento do ativismo dos princípios umbilicais começaram a ser soprados, igualmente, nasceram os novos déspotas.
"The judge can do no wrong.". Vimos subidas relâmpago, juízes incopetentes de férias julgando, vimos o SaTanF jogando, manipulando, tirando de pauta, colocando em pauta, desembargadores de plantão julgando, presidente do TRF4 revisando ainda segurando as calças.
Tudo ali na mídia, e os ignorantes torcendo como times as anomalias jurídicas.
Eu até precisava ver melhor a decisão do Marco Aurélio, mas agora, ver os pusilanimes defendendo e se agarrando na decisão do Marco Aurélio, sim, aquele que mandou soltar o Lula, me parece uma grande piada, piada de bufões e galhofeiros.
A grande questão que a Lava Jato escolheu o juiz, a vara e a equipe, o que era uma questão de postos de gasololina por uma fraude de endereço do delator de estimação. E o processo caiu na mão Friend do DEA, assim como mágica, e de posto de gasolina virou Petrobrás, caças gripens, submarinos, construtoras e etc e etc.
Além de claro, o Leviatã na verdade era uma burocracia de Coalizão, uma Quimera policialesca com cabeça de juiz, corpo do MPF, pernas de PF, rabo de imprensa patrocinada e asas do DEA.
Assim, falar em ilegalidade do SaTanF acovardado latindo como poodle para turma da quimérica vala toja, após uma decisão teratológica é algo bem bobalhão.

Só não vê quem não quer

Observador.. (Economista)

O que ocorreu no Brasil.
Mas como as ideologias cegam e deturpam a mente das pessoas, há que se entender os reclamos contra Ministros e pessoas que procuram combater facínoras, onde quer que estejam.

No Brasil, a visão do que é "Lei e Ordem" foi transfigurada de tal forma, que - para alguns - tornou-se razoável o rabo abanar o cachorro.

https://www.youtube.com/watch?v=jrXEyGdjhlQ

Deixe-nos Professor Doutor Streck

LunaLuchetta (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Apesar de não concordar com muitos dos seus escritos, sempre os li para apreender.
Agora, depois do "parecer" fornecido à defesa do Lula; agora, depois desta manifestação -- ambos completamente opostos à tudo quanto V.Sa. anotou antes -- deixarei de lhe emprestar minha atenção.
Espero que o valor recebido pelo parecer tenha sido robusto, suficiente para compensar (se é que é possível) os admiradores perdidos.
ADEUS.

Hegemonia!

ABCD (Outros)

O cancelamento da transferência de um político preso (e não preso político) é a prova de que ainda há uma hegemonia e um enorme aparelhamento estatal da esquerda no Brasil. Tolos são aqueles que pensam que houve uma derrocada da esquerda com a ascensão de um presidente cristão-conservador. Por que um detento que prega o socialismo não quer se "socializar" com os demais integrantes do sistema prisional lá em Tremembé?

Pêsames dr. Streck

Valter (Prestador de Serviço)

Que mais poderia dizer diante da sua exposição infame?
Precisamos agora, e muito, de cidadãos, magistrados, professores, advogados e agentes públicos comprometidos com os brasileiros vilipendiados pela quadrilha instalada nos bastidores da República ultrajada!
Para defender delinquentes profissionais já há prepostos demais!

Sujismundos da justiça de curitiba

S.Bernardelli (Funcionário público)

Por onde passam esses SUJISMUNDOS DA JUSTIÇA DE CURITIBA deixam suas marcas PODRES E FEDORENTAS JUNTO COM SUAS INCOMPETÊNCIAS. É bom que elas não sejam esquecidas... Deveria TER UM CARTAZ NA PORTA – TAL PROCURADOR, TAL EX- JUIZ, TAL JUÍZA FEZ ISSO, assim quando um jurista novo e um novo jurista entrar, possa ler e lembrar que SE COMETEREM OS MESMOS ERROS ESTARÁ EXPONDO SUAS CARREIRAS AO FRACASSO.

Vergonha útil

caiubi (Outros)

Vergonha útil, se o cara consegue sensibilizar juristas, professores, autoridades, políticos, e muito mais, além de 1/3 dos brasileiros, imagina o que conseguiria com presidiários a sua volta 24 horas por dia, fundaria outro partido, dos presidiários, familiares, admiradores, seguidores. solidários, DOUTRINADOS, e outros.

Sensacional!!!!

John Paul Stevens (Advogado Autônomo)

O conjur está de parabéns! Nunca vi tanto especialista em processo reunido num só lugar!!!!

Dependendo do beneficiado os abusos são justificáveis.

Osvaldir Kassburg (Oficial da Polícia Militar)

Difícil acreditar que estou lendo isso.
A supressão de instâncias é perfeitamente justificável se o réu for o demiurgo do PT.
É, por si só, um escárnio público a apreciação de mais um recurso do Lula pelo STF com seus 7 ministros indicados por Lula e por Dilma, e os demais por seus amigos, e também parceiros políticos na derrocada do Brasil.
Em tempo recorde o STF, que parece não ter mais nada a fazer, se reúne para apreciar e reformar a decisão de primeira instância, com supressão de todas as instâncias intermediárias, e socorrer o “homem mais honesto do mundo”. Vergonha é pouco.
Lula foi condenado em três instâncias à unanimidade por 15 juízes, e teve mais de 100 recursos indeferidos no decorrer do processo.
No dia 26 de junho de 2019 Lula teve dois habeas corpus julgados no STF em questão de horas.
Lula foi o réu que mais teve recursos apreciados em toda a história do STF.
Riem-se da cara da Nação.

Comentar

Comentários encerrados em 16/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.