Consultor Jurídico

Notícias

Ofensiva contra o ministro

Dallagnol articulou com partido para afastar Gilmar de casos da "lava jato"

Mensagens trocadas entre procuradores da "lava jato" mostram que Deltan Dallagnol articulou com o partido Rede Sustentabilidade para propor ação contra o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. 

ADPF da Rede pedia para Supremo barrar Gilmar Mendes de conceder liminares para "beneficiar presos" investigados em operações de combate à corrupção
Nelson Jr./SCO STF

Segundo conversas divulgadas nesta quarta-feira (7/8) pelo UOL, em parceria com o The Intercept Brasil, a força-tarefa queria manter Gilmar longe do julgamento de casos da operação. Tudo isso depois que o ministro determinou a soltura, de ofício, do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), e de dezenas de presos em investigações de desvios de recursos públicos.

"Resumo reunião de hoje: Gilmar provavelmente vai expandir decisões da Integração pra Piloto. Melhor solução alcançada: ADPF da Rede para preservar juiz natural", disse Dallagnol em grupo de procuradores no Telegram no dia 9 de outubro de 2018.

Duas horas depois, ele voltou para contar que o senador Randolfe Rodrigues (Rede) "super topou" propor uma arguição de descumprimento de preceito fundamental. No dia seguinte, 10 de outubro, o procurador Diogo Castor falou que enviou uma sugestão de ADPF para assessor de Randolfe.

Já no dia 11, a Rede protocolou a ADPF que pedia que Gilmar Mendes fosse impedido de "liberar indiscriminadamente" presos na operação. No pedido, os advogados afirmaram que o ministro concedeu "extravagantes liminares" e Habeas Corpus de ofício a pelo menos 26 investigados em crimes de corrupção. 

Naquele dia, Dallagnol ainda incentivou que o assunto fosse noticiado pela imprensa ou divulgado por Randolfe. Os procuradores também ansiavam saber quem seria o relator da ação. Quando Diogo Castor anuncia que seria Cármen Lúcia, o procurador Athayde Ribeiro Costa a chama de "frouxa". Castor rebate: "sei não hein. Contra gm [Gilmar Mendes]. Ela vai crescer". Athayde discorda e chama a ministra de "Amiguinha". Dallagnol encerra a discussão: "ela é amiga da esposa do GM".

Em novembro, Cármen negou seguimento à ação e determinou o arquivamento.  

Este não é o primeiro ato de Dallagnol contra ministros da corte. Nesta terça-feira (6/8), reportagem do El País mostrou que procuradores falaram em derrubar Gilmar Mendes do Supremo. Na última semana, a Folha de S.Paulo noticiou que o procurador também tentou conectar o ministro Dias Toffoli, presidente do STF, a casos de corrupção.

Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2019, 10h56

Comentários de leitores

16 comentários

Aos torcedores partidário das respostas daqui.

JN Cidadão (Prestador de Serviço)

Gilmar Mendes de um lado e vaza jato do outro, ambos são apenas personagens corruptos de brigas elitistas pelo poder político. O mais engraçado são os que dizem se advogados, professores e servidores que postam comentários aqui, os mesmos sempre expondo suas preferências ideológicas partidárias e deixando a razão de lado para fazer críticas infundadas. Mesmo pessoal de sempre que agem mais como torcedores "críticos de futebol" na política e na área jurídica que comentários sérios e reaproveitáveis para enriquecer a matéria.

Dallagnol articulou?

Gilberto Ewald Lenhardt (Advogado Autônomo - Consumidor)

Se, realmente fosse verídico e se fosse o país sério, tratando-se de quem se trata, já deveria ter arcado o "famosos ministro" não apenas afastamento de qualquer caso inerente a lava jato mas sim impeachment, pois processos outros requerendo tal penalidade existem vários, porém engavetados!!

Dever de Oficio

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

Se estivessemos em outro pais, sério, certamente não teriamos mais a figura de GM passeando pelo STF.
A renuncia do apegado cargo de ministro do STF, seria uma saida menos desonrosa. O poder torce os neuronios dos incautos e fraco de carater.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.