Consultor Jurídico

Benefício restrito

Imunidade tributária não se estende a ocupante de imóvel público

A imunidade tributária recíproca não se estende a empresa privada que utiliza imóvel da União. O entendimento, já pacificado pelo Supremo Tribunal Federal, foi aplicado pela 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

O caso chegou ao STJ após o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidir que a empresa Barcas — concessionária do serviço de transporte aquaviário de passageiros no estado — não seria responsável pelo pagamento do IPTU referente a imóvel de propriedade federal, em razão da imunidade tributária recíproca entre os entes federativos.

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho, ao julgar monocraticamente o recurso do município contra a decisão do TJ-RJ, reconheceu que a concessionária deve responder pelo pagamento do imposto.

Em agravo para a 1ª Turma, buscando reformar a decisão monocrática, a empresa insistiu em sua tese e ainda alegou que a rediscussão da responsabilidade sobre o tributo implicaria o reexame de provas e de questões fáticas — o que não é aceito pelo STJ em recurso especial (Súmula 7).

No voto, que foi acompanhado pelos colegas, o ministro Napoleão Maia Filho destacou que o Supremo, sob o regime da repercussão geral, permitiu a cobrança de imposto municipal sobre terreno público cedido a empresa privada ou de economia mista. A tese definiu que incide o IPTU sobre imóvel de pessoa jurídica de direito público cedido a pessoa jurídica de direito privado, que é a devedora do tributo.

Com base nesse entendimento, os ministros negaram provimento ao agravo da concessionária. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

AREsp 853.350




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de agosto de 2019, 10h12

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.