Consultor Jurídico

Notícias

"Vaza jato"

Dallagnol tentou conectar ministro Dias Toffoli a casos de corrupção

Conversas entre procuradores da "lava jato" mostram que Deltan Dallagnol tentou conectar o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, aos casos de corrupção alvo da operação. A Constituição determina que procurador de primeira instância, como Dallagnol, não tem competência legal para investigar membros do STF. 

Dallagnol buscava mostrar que o ministro Dias Toffoli teria se aproveitado de favor da empreiteira OAS em reforma de casa Carlos Moura/STF

As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (1º/8) pelo jornal Folha de S.Paulo, em parceria com o site The Intercept Brasil.

Em julho de 2016, a empreiteira OAS negociava um acordo para colaborar com a "lava jato". Dallagnol achou que seria um bom lugar para encontrar algo envolvendo o ministro. "Caros, a OAS touxe a questão do apto do Toffoli?", perguntou em um grupo de procuradores no Telegram. "Que eu saiba não", respondeu o promotor Sérgio Bruno Cabral Fernandes, de Brasília. "Temos que ver como abordar esse assunto. Com cautela."

Nas reuniões com o MPF, os advogados da OAS contaram que a empreiteira participou de uma reforma na casa de Toffoli em Brasília. Os serviços foram executados por outra empresa indicada pela construtora ao ministro, e ele fora o responsável pelo pagamento.

Dallagnol farejou uma possibilidade e, com base nisso, pouco tempo depois de dar a primeira assuntada no tema, voltou à carga: "Vc conseguiria por favor descobrir o endereço do apto do Toffoli que foi reformado?", perguntou para Eduardo Pelella, chefe de gabinete do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Mais tarde, o procurador Orlando Martello sugeriu um levantamento sobre pagamentos da OAS ao escritório da mulher de Toffoli. "A respeito do Toffoli, peçam pesquisa para a Spea de pagamentos da OAS para o escritório da esposa do rapaz q terão mais alguns assuntos para a veja", disse no Telegram. "Não é nada relevante, mas acho q da uns 500 mil."

Em resposta ao colega, Dallagnol afirmou que a Receita Federal já estava pesquisando o assunto, mas disse que não sabia dos pagamentos que teriam sido feitos pela OAS. "A RF tá olhando", escreveu. "Mas isso eu não sabia."

Martello faz referência a uma reportagem de Veja, que falava da reforma da casa de Toffoli com base em delação vazada do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. 

Revista Consultor Jurídico, 1 de agosto de 2019, 10h59

Comentários de leitores

11 comentários

Absurdo!

Junior1 (Administrador)

Um completo absurdo.

Por óbvio tais provas não podem ser utilizados contra...

Weslei Estudante (Estagiário - Criminal)

Por óbvio tais provas não podem ser utilizados contra o Deltan

Mas deve, sim, ser utilizadas a favor de quem, porventura, teve algum procedimento investigativo, instrução penal ou sentença diante deste INdevido processo.

Não tem como dizer que o Intercept é parcial, pois lembramos, eles publicaram o caso Snowden e, inclusive, republicaram a matéria do “amigo do meu pai” que eram de vazamento, salvo engano, do Antagonista e Crusoé.

Intercept, Antagonista e Crusoé têm publicações jornalísticas e são jornalistas, publicam e publicaram assuntos que "derivaram" de atos ilegais, lembrando que divulgar segredo de justiça é ato ilegal, mas para quem tinha o dever de manter o segredo, não para o jornalista (art. 5º, XIV da CF). Por exemplo, o Antagonista que ficou momentaneamente impedido de publicar a matéria amigo do meu pai, na minha opinião decisão bem equivocado do STF, se vazaram algo, que investigue quem vazou se interferir na liberdade de imprensa.

Entre o Intercept e Antagonista, aquele é mais imparcial ou menos parcial que este. Basta analisar as publicações de ambos:

Intercept: caso Snowden e republicação de conteúdo do próprio antagonista e Crusoé “amigo do meu pai”.

Antagonista: não lembro de nenhuma linha editorial que seja próxima do imparcial, não acho que precise ser, mas não se pode inverter a lógica e acusar que menos é, como, por exemplo, alguns comentaristas fazem de forma bem enfática e contraditória!

Obs: não estou afirmando que o conteúdo é verdadeiro, mas me inclino a isto diante dos acontecimentos e algumas confirmações.

Fonte:
https://theintercept.com/2019/04/15/toffoli-crusoe-reportagem-stf-censura/

Fatos amplamente conhecidos

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nenhuma novidade. Esses fatos foram amplamente divulgados na época, quando dada a popularidade da dupla Moro-Dallagnol, o STF resolveu se calar.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/08/2019.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.