Consultor Jurídico

Procurador Diogo Castor de Mattos anuncia saída da “lava jato”

imprimir

O procurador da República Diogo Castor de Mattos anunciou na sexta-feira (5/4) seu desligamento da chamada força-tarefa da operação "lava jato". Segundo informações do site G1, ele se afastou por recomendação médica, por estafa física e mental, depois de ocupar a função por cinco anos.

Recentemente, Castor de Mattos criticou publicamente a Justiça Eleitoral, na semana em que o Supremo Tribunal Federal decidiu que a corte é competente para julgar crimes comuns conexos a crimes eleitorais. Para defender seu lado, chamou quem discorda de "turma do abafa". O comentário foi publicado pelo site O Antagonista.

Além disso, o Conselho Nacional do Ministério Público determinou a abertura de reclamação contra os procuradores regionais designados para atuar no acordo extrajudicial firmado entre o MP e a Petrobras para a criação de uma fundação da "lava jato". Dentre eles, aparece Castor de Mattos.

O procurador também ofendeu o presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, depois que este concedeu Habeas Corpus ao ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) para encerrar uma prisão preventiva ilegal. 

Vaga aberta
Em nota, o Ministério Público Federal informou que desde fevereiro dois procuradores passaram a atuar em Curitiba: Juliana de Azevedo Santa Rosa Câmara e Alexandre Jabur trabalhavam no combate à corrupção em Volta Redonda (RJ) e no Amazonas, respectivamente.